terça-feira, 13 de setembro de 2011

Saudades da ditadura militar!!??


Volta e meia leio um tweet ou uma postagem de alguém se dizendo saudoso da ditadura militar, que nem sequer teria sido ditadura, onde houve ordem e não essa bandalheira que se vê agora, que teria feito as grandes obras de infra-estrutura no Brasil que nunca mais se repetiram e tantas outras pérolas de igual jaez. Sobretudo com a possibilidade cada vez mais concreta da instalação da chamada Comissão da Verdade, com vistas a apurar o paradeiro dos desaparecidos políticos do regime militar, esse tipo de discurso das viúvas de 64 vem aumentando razoavelmente.


Preocupada com essa abordagem, resolvi refletir sobre o tema aqui no blog. Antes, porém, digo que entendo a indignação de muita gente boa com a tal comissão da verdade, principalmente considerando ser encabeçada pelo partido da mentira (PT) e por gente que até hoje entoa loas à chamada revolução cubana, a pior das ditaduras instaladas, na América Latina, durante  o período militar das décadas de 50 a 80 do século XX. Ontem mesmo, por ocasião das homenagens às vítimas dos ataques terroristas ao World Trade Center, vários esquerdistas, por sua vez saudosos do muro de Berlim, preferiram homenagear a morte de Salvador Allende que, segundo eles, teria sido armada pelos EUA. Em outras palavras, para essa gente torta de espírito, não seria possível ter empatia pelas vítimas do ataque terrorista aos EUA porque elas seriam americanas, e os EUA são até hoje o grande bicho papão dos avermelhados de todo o tipo. Nos vídeos que vi do gênero “ o 11 de setembro que a mídia escondeu”, inclusive Allende é tido como assassinado, embora, como recentemente confirmado pela exumação do cadáver do presidente, ele tenha de fato se suicidado (sua família, aliás, sempre sustentou essa versão).

E claro, nesses vídeos, também o Chile é descrito como um paraíso socialista até que os americanos maus ajudaram os chilenos maus a depor Allende e instalar a ditadura de Pinochet. Quem conhece um pouco a história, contudo, sabe bem que ela está mal contada – só para variar - e que Allende não era nenhum santo. Como os outros esquerdistas que chegaram ao poder na época, Allende seguiu o roteiro socialista-comunista de desapropriação de fazendas,  estatização de empresas e bancos e  nacionalização de companhias estrangeiras, gerando desabastecimento, inflação galopante, caos econômico  e naturalmente acirramento das tensões políticas. Dizem que acreditava na via democrática para a implantação do socialismo (desse jeito?), ao contrário da via castrista, mas, pelo que relatam pesquisadores mais imparciais, ele de fato foi inclusive financiado por Fidel. (Os esquerdistas da época eram em geral apoiados pelos regimes autoritários de Cuba, da União Soviética ou até mesmo da China maoísta. Naturalmente, porém, só o apoio dos americanos aos regimes militares é considerado mau.)

Aqui no Brasil, antes da tomada de poder no Chile pelos militares, em 1973, as coisas iam se encaminhando pela mesma via quando foram interrompidas pela deposição de João Goulart em março de 1964. Bom salientar que os militares daqui foram apoiados sim por boa parte da população brasileira, incluindo jornais, políticos e Igreja, receosos – com toda razão – de ver instalada uma ditadura comunista no país. Ao contrário do que viria acontecer no Chile, não houve episódios de sangue, suor e lágrimas porque Jango fugiu sem opor resistência, para grande frustração de seu cunhado Leonel Brizola. Os militares então assumiram o poder, com a promessa de devolvê-lo aos civis (havia eleições previstas para 1965), mas não cumpriram a palavra, aproveitando-se da situação para instalar a sua ditadura, ditadura que se tornou mais repressiva a partir de 1968, com o AI-5.

Enfim, são muitos os detalhes dessa triste história, para resumi-los numa postagem de blog, mas o que me interessa enfatizar aqui é a verdade histórica que não pode ser distorcida na base de um fla-flu político dos inimigos da liberdade. Não houve bandidos e mocinhos naquela época sombria. Só bandidos. O que de fato ocorreu foi uma guerra, entre autoritários de distintas correntes, pelo poder de Estado, apoiados de um lado ou de outro pelas potências do período da Guerra Fria, a saber os EUA e a URSS e seus satélites pelo mundo. As tiranias comunistas tentaram se expandir pelo continente latino-americano, a exemplo do que ocorrera em Cuba, em 1959, e se chocaram com a resistência dos militares, aqui no Brasil de ideologia positivista, apoiados pela sociedade. De forma alguma, contudo, pode-se negar que os regimes militares tenham formado uma ditadura porque hoje se está revoltado com os descalabros do PT e de outros esquerdistas anacrônicos. Em vários países latino-americanos, formaram-se sim ditaduras de fardados que fecharam os congressos, censuraram a imprensa, perseguiram dissidentes, torturaram e mataram gente em calabouços sombrios.

Em nosso país, do ponto de vista econômico, a ditadura militar teve um momento de expansão razoável, com o chamado milagre econômico, mas depois se afundou em seu modelo super-estatista e nacional-desenvolvimentista, deixando uma inflação enlouquecida como herança, além de canteiros de obras inacabadas por todo o país. Aliás, ironicamente, o período que mais se assemelha ao da ditadura militar é exatamente este do lulopetismo: ambos igualmente estatistas, nacional-desenvolvimentistas, patrimonialistas, oligárquicos (Sarney sempre presente), corruptos e autoritários. A diferença está em que o regime militar era uma ditadura escancarada e o lulopetismo uma democracia de fachada, mas ambos têm muito mais semelhanças do que sonham as vãs filosofias. Naturalmente também, como Lula e sua turma copiaram boa parte da estrutura do governo FHC (plano econômico, programas sociais), a economia até agora pode se manter estável e florescer, embora – graças ao que é de fato de autoria petista  – mesmo essas conquistas não estejam lá mais tão seguras. Dificilmente, com um Estado tão obeso como o atual, fora a corrupção, a gente vai escapar de outra crise, cedo ou tarde, ainda mais com o contexto internacional turbulento em que estamos vivendo.

Então, não vamos nos deixar engabelar pelo canto de sereia das viúvas nem de 64 nem do Muro de Berlim. No fundo, todos os autoritários são farinha do mesmo saco sujo de fezes e de sangue. Vamos lutar para manter e aperfeiçoar a democracia representativa brasileira, com respeito ao Estado de Direito, à liberdade de expressão e de mercado. Com todos seus defeitos (porque criação humana), a democracia permanece sendo o melhor sistema político que a humanidade já inventou para gerenciar a sociedade e as relações entre as pessoas, principalmente porque ela permite a diversidade de ideias, condição sine qua non para que as coisas evoluam. Quando ela se enfraquece, por qualquer razão, como a História nos ensina, o que sobrevém é a barbárie autoritária, geralmente de uniforme mas também às vezes à paisana, diga-se de direita ou de esquerda.

Ao contrário de outras grandes nações, como os EUA, o Brasil nunca teve tradição democrática. Pelo contrário, desde o início da República, temos vivido vários períodos autoritários entremeados de alguns curtos períodos democráticos. Precisamos impedir que essa alternância negativa continue ocorrendo para que só as liberdades democráticas, em seu mais amplo sentido, subsistam e se tornem uma regra inquebrantável em nosso país. Para tal, devemos, no momento, reforçar as marchas contra a corrupção, que ameaça as estruturas de nossa frágil democracia, e também apoiar o projeto do voto distrital

6 comentários:

Sarney, ladrão, devolve o Maranhão! Ouvi na marcha! Faz tempo que ele rouba, hem? Bem legal seu post.
Adriana

O governo de hoje é pior que os do regime militar. Naquela época tinha escolas boas e segurança pública. Hoje o povo chega na adolescência e não entende o que lê. E o Brasil é um dos países mais violentos do mundo e cheio de corrupto.
Quem não tem saudades daquela época ou não a viveu ou é um dos beneficiários do bolsa-ditadura.

Eu não recebo nenhuma bolsa-ditadura, embora tenha sido presa na malfadada invasão da PUC. Podia receber pelo menos uma pochete-ditadura pelo sufoco que passei. Mas enfim, não cobrei. Não sinto saudades da ditadura porque era uma ditadura. E não lembro que as coisas eram melhores do que hoje não. Talvez só o futebol com o Pelé, o Rivelino, o Tostão.

Sabemos que alguns passos precisam ser dados para a eliminação da corrupção, sabemos também que esses passos nunca serão dados pelos civis e a falta destes passos levarão o povo a pedir uma atitude dos militares, é apenas uma questão de tempo, interessante não? vejo um crescente movimento em prol dos militares, a parte chata dos militares é o povo da linha dura como em qualquer sociedade, a parte legal é o compromisso com a Pátria e os planos bem elaborados para o bom andamento da história. Hoje sabemos que esse regime mata por dia de forma dissimulada o que os militares mataram em 20 anos de forma franca, se eu pudesse escolher, escolheria os militares, essa pseudo democracia é uma grande falácia, ou você acredita que algo vai mudar depois da próxima eleição? ao meu ver a unica coisa que cabe ao estado é a Justiça e esse regime prega que quem quiser preservar os seus direitos que busque a justiça, pois bem, depois que um processo é aberto ele não termina nunca mais, estamos a 27 anos usufruindo da infraestrutura deixada pelos militares, imagine como estaríamos sem esses 20 anos... Venho de uma família de agricultores que saiu do sul para abrir fronteiras e gerar divisas, transformamos o centro-oeste e ajudamos a fazer um Brasil mais rico, o que veio depois? minha família foi destruída pelo golpe do banco do brasil, muitos agricultores, gente de bem, trabalhadores, pais de família exemplares, se suicidaram devido a este golpe, milhares de famílias destruídas, ministro disse que nem plantando droga a divida seria paga, nosso país esta se esfarelando com o tempo, no inicio acreditei que esse regime seria a melhor saída, hoje vejo com clareza que democracia funciona em países que vem dando educação de qualidade para o seu povo a mais de século, hoje vejo que o único setor a prosperar é o crime, uma pena, até tentei gostar de democracia, no inicio ficava tentando descobrir o que os candidatos tinham feito de bom no passado e essas idiotices que a midia prega, depois que a casa cai, colocam a culpa no pobre do eleitor que votou no inútil do candidato, o quê exportamos? soja ou computadores? Estou convicto que administração pública é assunto muito sério para deixar nas mão dos civis, enquanto isso vamos navegando neste barco sem rumo num mar de caos, haja esperança por dias melhores com essa realidade...

Também tenho muita indignação pelo que temos vivido no Brasil sobretudo nos últimos anos, mas lugar de militar é na caserna. Só devem ser convocados em último caso mesmo para evitar convulsões sociais. Os americanos têm uma democracia estável, onde político corrupto vai para cadeia, onde - apesar dos pesares - ainda há respeito pelo mérito e pelas liberdades individuais. Nós, civis, precisamos criar uma democracia de verdade em nosso país e não esse triste arremedo de democracia que temos, hoje um verdadeiro covil de bandidos. Ditaduras, nem pensar!

Democracia ou Demôniocracia?

Postar um comentário

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites