Jessica Jones 3:

por que mulheres ambiciosas e poderosas têm que acabar presas ou mortas?

Cordell Jackson:

pioneira do rock que lançou seu próprio selo musical em 1956

Agnès Varda:

10 filmes sobre sua obra cinematográfica

História do Futebol Feminino:

superando pobreza, preconceito e descrença

terça-feira, 24 de setembro de 2019

Mulheres são 58% do público de games no Brasil, mas ainda lutam por espaço profissional no mercado

Women Game Jam (2018)

Pesquisas mostram que as mulheres são 58% do público de games no Brasil, porém ainda lutam por espaço profissional neste mercado.

Até os dias atuais as mulheres a lutam por espaço e igualdade nos meios profissionais e buscam representatividade no âmbito social. No mundo dos games essa lógica se repete e é representada pelo aumento do consumo feminino de videogames, do número de mulheres que trabalham como desenvolvedoras e a busca por mais representatividade nas personagens dos jogos. Para entender como funciona a indústria de games para as mulheres conversamos com a professora e doutora Érika Caramello e a desenvolvedora Lia Fuziy.

De acordo com o 2º Censo da Indústria Brasileira de Games (2018), as mulheres apresentam cerca de 20% dos funcionários das desenvolvedoras consultadas pelo estudo. Isso aponta que, nos últimos anos, o número de mulheres por trás do desenvolvimento de games triplicou em relação ao resultado do Censo em 2013. O número de jogadoras também aumentou – hoje 58% do público de jogos no Brasil é dominado pelas mulheres.

A professora e doutora na área de games Érika Caramello percebeu que dentro das salas de aula o interesse das meninas em trabalhar com games vem crescendo.
Antes dava aula para turmas sem nenhuma menina, hoje consigo encontrar um número significativo de garotas. Mais meninas estão se interessando em se profissionalizar nas áreas de TI, jogos digitais e ciência da computação”, afirma. Porém, as mulheres ainda representam um número muito pequeno e a indústria continua sendo predominantemente masculina.
Lia Fuziy ingressou na faculdade de jogos digitais pela paixão que tinha pelos jogos, mas nunca pensou que o desenvolvimento deles viraria seu ganha pão.
Quando me formei na faculdade me apaixonei pela vertente dos jogos educativos, fiz um curso na Universidade Federal do ABC e me especializei em Objetos de Aprendizagem. Hoje dou aulas de programação de jogos e trabalho na área de desenvolvimento de interações para apostilas didáticas”, conta. Lia concorda que escolheu uma vertente da área onde existe mais demanda e menos competição, mas enxerga nas colegas de profissão as dificuldades que encontram dentro do mercado.
Women Game Jam (2018)
Coloca as minas ‘pra’ jogo

Algumas iniciativas, como a Change The Game e Women Game Jam, são importantíssimas para apoiar e incentivar o trabalho realizado por mulheres e dar visibilidade para as meninas que estão a ingressar na área dos games ou para as que já estão inseridas, mas buscam espaço. Outro ponto forte desses projetos é a oportunidade de interação entre as meninas para que surjam parcerias e se crie um ambiente mais harmonioso de trabalho.

A Google criou no segundo semestre de 2019 a Change The Game, um concurso para mulheres criarem jogos para as plataformas mobile. As vencedoras trabalharão em conjunto aos desenvolvedores da empresa para o planejamento e execução de um jogo que será lançado na Google Play. As inscrições vão até o dia 30 de setembro.

Já a Women Game Jam é uma inciativa criada por desenvolvedoras e para desenvolvedoras. O evento, que surgiu na Alemanha, teve a terceira edição em terras brasileiras no último final de semana e contou com mentoras experientes da indústria como Ana Ribeiro, Lia Fuziy, Érika Caramello, entre outras. O evento foi focado em mulheres e buscou ser um ambiente seguro e confortável para elas. “
As meninas tiveram 48 horas para desenvolverem um jogo sobre independência e identidade e se dividiram em grupos que tinham experiência na área, porém a grande maioria nunca tinha participado de uma game jam. Elas puderam programar e se conhecer num ambiente longe de julgamentos e críticas masculinas,” contou Lia.
Érika completa ao falar da importância desse tipo de evento para a consolidação das mulheres na indústria.
Algumas alunas minhas já deixaram de ir a game jams mistas pois os pais não gostavam da ideia delas dormirem no meio de vários caras, o que faz esse evento ser bem importante. Sem falar que ver mulheres como mentoras e líderes de execução de projetos é uma experiência bem diferente do que a gente costuma ver. É fantástico ver que iniciativas como essa estão se consolidando no Brasil,” finaliza.
Clipping Mulheres nos games: A busca por incentivo e visibilidade na indústria!, por Isadora Marques, 18/09/2019, em Freak

terça-feira, 17 de setembro de 2019

Hasbro lança "Ms. Monopoly", versão do famoso Banco Imobiliário onde as mulheres ganham mais

"Ms. Monopoly" também substitui as tradicionais propriedades do tabuleiro por invenções creditadas a mulheres
Para celebrar o empoderamento feminino e combater o grave problema de discriminação salarial que ainda acomete diversas mulheres no ambiente de trabalho nos dias de hoje, a Hasbro anunciou esta semana o lançamento de uma nova versão do Banco Imobiliário que promete enfim reverter a balança em favor do sexo feminino. Sim, em “Ms. Monopoly”, pela primeira vez na História do mundo – ou pelo menos na dos jogos – as mulheres poderão ganhar mais que os homens.

A versão “feminina” na verdade é uma repetição do modo de operação tradicional do jogo, com a diferença de que a cada vez se passa pela casa do pagamento as jogadoras ganham 240 unidades na moeda do Banco Imobiliário. Os jogadores do sexo masculino, porém, só recebem os 200 tradicionais, reforçando a ideia do “Ms. Monopoly” que a Hasbro define como “um mundo onde as mulheres tem uma vantagem que habitualmente é desfrutada pelos homens”.

Outra parte legal do derivado é que as “propriedades” do tabuleiro são todas invenções creditadas a mulheres, incluindo aí itens importantes como Wi-Fi e cookies de chocolate.

Esta também é a primeira edição do clássico jogo de tabuleiro que conta um mascote diferente do camarada milionário bigodudo de cartola (o tal Rich Uncle Pennybags). De acordo com a divulgação, a tal Ms. Monopoly do título é uma magnata do ramo imobiliário que advoca em favor das empreendedoras, concebida pela fabricante para inspirar mulheres de todas as idades.

O mais bacana, porém, é que a Hasbro aproveitou a concepção desta versão “feminista” do jogo para financiar inventoras e empresárias do sexo feminino. Aproveitando o valor de 20,580 unidades que estão disponíveis no jogo, a companhia investiu o mesmo número em dólares em três jovens cientistas moradoras no Canadá, Irlanda e Estados Unidos – e lançou o comercial abaixo para apresenta um pouco mais das invenções de cada uma ao público.
Pela introdução do ‘Ms. Monopoly’ e o dinheiro que estas jovens mulheres receberam para investir em seus futuros projetos, nós queremos reconhecer e celebrar as diversas contribuições que as mulheres fizeram a nossa sociedade e continuam a fazer diariamente” explica diretora sênior de marketing Jen Boswinkel sobre a campanha e o produto.
A primeira edição do “Ms. Monopoly” será lançado esta semana nas lojas dos Estados Unidos, mas ainda não tem previsão de ganhar uma versão em português no Brasil.




Clipping Contra discriminação salarial por gênero, Banco Imobiliário lança versão onde mulheres ganham mais que homens, por Pedro Strazza, 11/09/2019

terça-feira, 3 de setembro de 2019

Futuro Burger, hambúrguer que parece de carne, mas só tem vegetal

Não adianta chorar pelas queimadas na Amazônia, feitas para criar pastos para os chamados animais de corte, se você permanece sendo a rainha ou rei do grill. Nada destrói mais a natureza do que a pecuária, a indústria do matadouro. Comece a substituir a carne animal pelas chamadas carnes vegetais, cada vez mais feitas sob medida para mudar, nos corações e bocas, o ruinoso hábito de comer animais.+
Embarque, desde já, nessa tendência internacional, já presente no Brasil, experimentando, por exemplo, o Futuro Burguer.

Empresa brasileira quer conquistar carnívoros com hambúrguer vegano que promete sabor e textura de carne bovina

Quando se fala em hambúrguer vegano, a primeira reação de quem come carne geralmente é torcer o nariz com argumentos do tipo “não é a mesma coisa”. Pois acaba de chegar aos supermercados um produto feito exclusivamente de vegetais e que promete surpreender o paladar dos carnívoros.

Trata-se do Futuro Burger, primeiro lançamento da startup Fazenda Futuro, que se dedica a criar “carne” à base de plantas. Com aparência e textura e muito semelhantes à versão bovina, a novidade já está disponível em algumas lanchonetes de São Paulo e do Rio de Janeiro, e agora chegou a supermercados paulistas, cariocas e mineiros.

A ideia não é conquistar veganos e vegetarianos.
Estamos entrando no mercado de carnes. Queremos falar com quem procura uma alternativa saudável e sustentável sem deixar de lado o prazer em comer algo de que gosta”, explica Marcos Leta, fundador da Fazenda Futuro.
Para chegar no visual e sabor adequados, foram dois anos de testes. A receita final leva proteínas isoladas da soja, da ervilha e do grão-de-bico, além de beterraba para imitar a cor rosada e os sucos da carne. O produto não usa ingredientes transgênicos, tem menos gorduras saturadas do que a versão tradicional e contém fibras, por conta dos vegetais.

Onde encontrar

O Futuro Burger começou a ser vendido nas lojas do Carrefour, Pão de Açúcar, St. Marche e Quitanda, em São Paulo; La Fruteria e Zona Sul, no Rio de Janeiro; e Verdemar, em Minas Gerais.

Também é possível provar a novidade nas hamburguerias T.T. Burguer, na capital fluminense, e Lanchonete da Cidade, em São Paulo.

A meta da empresa é expandir a distribuição do hambúrguer nos próximos meses. No segundo semestre, uma versão de almôndega à base de plantas desenvolvida pela empresa deve chegar ao Spoleto, rede nacional de massas.

Tendência internacional

Buscar alternativas para driblar o consumo excessivo de carne é uma tendência que veio para ficar.
 “No Brasil, o número de gado é superior ao número de pessoas, e somos um dos países mais afetados pela agropecuária quando se trata de meio ambiente”, comenta Leta. “Este impacto ambiental faz com que as pessoas optem cada vez mais por mudanças na alimentação”, continua o empresário.
Lá fora essa movimentação é nítida. A marca Beyond Meat, de “carnes” à base de plantas, por exemplo, abriu seu capital neste mês nos Estados Unidos com alta de 163% em seu primeiro dia na bolsa de valores, chegando a um valor de mercado de 3,8 bilhões de dólares. Bill Gates e Leonardo Di Caprio, dois célebres entusiastas da causa do meio ambiente, investem na marca.

A Impossible Foods, nascida no ambiente tecnológico do Vale do Silício, abastece mais de 3 mil restaurantes norte-americanos com 226 toneladas de carnes vegetais todos os meses.

Elas, assim como a Fazenda Futuro, são consideradas foodtechs, ou seja, empresas que usam a tecnologia para criar novos produtos alimentícios.
O hambúrguer vegetal tupiniquim está sendo anunciado como a versão “1.0”. A 2.0 está sendo desenvolvida pela empresa atualmente e promete ser ainda mais parecida com a proteína animal.
Perfil nutricional

Veja o que encontramos em uma unidade (115 gramas) do Futuro Burger disponível hoje:

Calorias: 283 kcal
Proteínas: 15,8 g
Carboidratos: 14,3 g
Gorduras totais: 18,6 g
Gorduras saturadas: 6 g
Fibras: 4 g
Sódio: 684 mg

Clipping Conheça o Futuro Burger, que parece de carne, mas só tem vegetal, por Chloé Pinheiro, 24/06/2019, Saúde

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites