Mulheres samurais

no Japão medieval

Quando Deus era mulher:

sociedades mais pacíficas e participativas

Aserá,

a esposa de Deus que foi apagada da História

Intelectuais lançam manifesto

contra cultura do cancelamento da esquerda identitária

terça-feira, 7 de setembro de 2021

Com QI maior que o de Einstein e Stephen Hawking, Adhara Pérez (9) estuda engenharia na universidade e quer ser astronauta

Aos 9 anos, Adhara faz dois cursos de engenharia
Com apenas 9 anos a mexicana Adhara Pérez planeja ser astronauta quando crescer. E se a maioria de nós também sonhava em voar entre as estrelas na infância, o caso da jovem natural da cidade de Véra Cruz tem um importante diferencial: com um QI de 162 que supera o quociente de grandes gênios de todos os tempos como Albert Einstein e Stephen Hawking, ambos com índice estimado em 160, Pérez já é uma sensação nos círculos acadêmicos por seus feitos impressionantemente precoces – e pelo futuro promissor que se sugere: o sonho de se tornar astronauta possivelmente se tornará realidade nesse caso.

Ainda que o ofício esteja ainda em seu futuro, o caminho da mexicana para o espaço já começou, e não é por acaso que ela veste com todo orgulho um boné da NASA em algumas de suas mais recentes publicações: em novembro próximo ela irá participar do IASP, o Programa Internacional Aéreo e Espacial, ligado à Agência americana. Reunindo jovens promissores do mundo todo em Huntsville, no estado do Alabama, nos EUA, por cinco dias o programa irá reunir engenheiros da NASA e estudantes para um mergulho em temas como trabalho de equipe, solução e comunicação para a “adaptação e solução de qualquer problema inesperado”.

Material oficial de divulgação da IASP, programa para qual Pérez foi selecionada
A participação no programa é mais um passo rumo ao futuro que deseja sem conter suas ambições, e além de viajar ao espaço, Pérez pretende participar das missões colonizadoras de Marte. Para isso ela não economiza esforços e, após concluir a escola com 8 anos, ela atualmente se dedica a dois cursos universitários: Engenharia de Sistemas na CNCI, e Engenharia Industrial na UNITEC, ambas no México. Antes de chegar ao espaço, portanto, seus planos imediatos ainda são terrenos, e a garota prodígio sonha em migrar para os EUA a fim de estudar para justamente se tornar uma astronauta.

Como era de se esperar, o caminho para chegar à Marte não é fácil, e com Pérez não foi diferente: diagnosticada com um quadro leve de Síndrome de Asperger aos 3 anos, ela sofreu bullying intenso em sua escola antes de ter seu quadro compreendido e seu potencial verdadeiramente estimulado – a situação levou a jovem a desenvolver um quadro de depressão nos primeiros anos de estudo. Felizmente tudo mudou, e hoje Instituições importantes nos EUA, como a Universidade do Arizona e a Rice University já convidaram a futura astronauta para estudar: as dificuldades financeiras da família, porém, fazem com que cada passo seja devidamente planejado – até chegar às estrelas.⭐

Clipping Menina de 9 anos com QI maior que Albert Einstein e Stephen Hawking quer ser astronauta, por Vítor Paiva, Hypeness, 23/08/2021

quinta-feira, 2 de setembro de 2021

Tarsila do Amaral: um pouco da obra da mais renomada pintora brasileira

Tarsila do Amaral



A mais renomada pintora brasileira e um dos pilares do movimento modernista brasileiro, Tarsila do Amaral, nasceu em 1886 em Capivari, no interior de São Paulo. Filha de ricos proprietários de terra, terminou o ensino escolar em Barcelona, na Espanha, onde teve os primeiros contatos com a pintura. Sua obra-prima é o Abaporu, atualmente exposta em Buenos Aires, na Argentina, e com um valor de mercado inestimado. Mas suas outras pinturas também atraem o público em exposições e são desejadas por colecionadores, chegando a ser vendidas ou leiloadas por milhões de reais. Tarsila do Amaral morreu em 17 de janeiro de 1973, em São Paulo, de causas naturais. Relembre:

Início da carreira

A carreira de Tarsila nas artes plásticas começou em 1917, ao ter aulas com o pintor naturalista Pedro Alexandrino Borges. Em 1920, ela se mudou para Paris, onde estudou na Academia Julian e no ateliê de Émile Renard, recebendo uma vasta experiência vanguardista. De volta ao Brasil em 1922, aderiu ao modernismo. Apresentada por Anita Malfatti aos modernistas Oswald de Andrade, Mário de Andrade e Menotti Del Picchia, formou o “Grupo dos Cinco”, que nos anos seguintes influenciou a arte brasileira com o Manifesto Antropofágico. As reuniões do grupo eram realizadas no ateliê de Tarsila.

Operários, obra da fase Social da pintora -1933 (Foto: Wikimedia Commons)
Fases artísticas

O estilo de Tarsila tem influências do cubismo de Pablo Picasso e Fernand Léger, pintores que ela conheceu pessoalmente durante uma viagem à Espanha em 1923. O movimento influenciou a primeira fase de Tarsila, denominada “Pau Brasil”, em que a pintora buscou representar as paisagens do Brasil rural e urbano. A segunda fase, chamada de “Antropofágica”, começou com o Abaporu, em 1928. Com ela, Tarsila passou a usar cores mais vivas, como o amarelo, o vermelho, o roxo e o verde, para ilustrar obras mais oníricas. Por fim, veio a fase “Social”, inspirada pelos ideais comunistas e por sua passagem pela União Soviética em 1931. As obras têm cores sóbrias e acinzentadas para ilustrar a precariedade da vida operária.

Obra símbolo do modernismo

O Abaporu, obra mais conhecida de Tarsila, é o maior símbolo visual do Modernismo brasileiro, movimento cultural estabelecido na década de 1920. Foi mantida em segredo durante meses, até ser entregue como uma surpresa de aniversário para o escritor e então marido da artista, Oswald de Andrade, em 11 de janeiro de 1928. Perplexo, ele mostrou a tela para um amigo, o poeta Raul Bopp, e juntos eles começaram a ver na pintura a figura de um índio canibal, um antropófago que devoraria a cultura para em seguida reinventá-la. Daí surgiu o título da obra: com um dicionário de tupi-guarani, Tarsila encontrou as palavras “aba” e “poru”, significando “homem que come”.

O Abaporu, obra mais conhecida de Tarsila, é o maior símbolo visual
do Modernismo brasileiro (Foto: Wikimedia Commons)
De mão e mão

O casamento de Tarsila do Amaral e Oswald de Andrade terminou em 1929. Na partilha, a pintora acabou ficando com o Abaporu. Em 1960, o quadro foi vendido ao colecionador Pietro Maria Bardi, fundador do Museu de Arte de São Paulo (Masp). Em menos de um mês, o quadro foi revendido a Érico Stickel. Em 1984, foi adquirido pelo galerista Raul Forbes por US$ 250 mil. Até que, em 1995, Forbes decidiu leiloar a tela na casa de leilões Christie's, em Nova York. Quem a arrematou foi o empresário argentino Eduardo Constantini, que pagou US$ 1,35 milhão e a doou para o acervo do Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires (Malba), onde ela permanece até hoje.

A Caipirinha, leiloada por R$ 57,5 milhões
Recordista

Tarsila do Amaral é detentora do recorde de maior valor pago por uma obra de arte no Brasil. Em um leilão realizado em 17 de dezembro de 2020, a pintura “A Caipirinha” foi arrematada por R$ 57,5 milhões. O quadro entrou em disputa após ser penhorado judicialmente. Ao todo, recebeu 19 lances, e acabou adquirida por um colecionador. O recorde anterior de obra mais cara pertencia a “Vaso de Flores”, de Alberto da Veiga Guignard, comprada em 2015 por R$ 5,7 milhões.

No site oficial da pintora, pode-se encontrar sua biografia e completa. Clique aqui para seguir até lá.

Clipping Tarsila do Amaral: 5 curiosidades sobre a vida e a obra da pintora, por Marília Marasciulo, 12/01/2021, Galileu

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites