Jessica Jones 3:

por que mulheres ambiciosas e poderosas têm que acabar presas ou mortas?

Cordell Jackson:

pioneira do rock que lançou seu próprio selo musical em 1956

Agnès Varda:

10 filmes sobre sua obra cinematográfica

História do Futebol Feminino:

superando pobreza, preconceito e descrença

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Realidade














Em ti o meu olhar fez-se alvorada
E a minha voz fez-se gorgeio de ninho…
E a minha rubra boca apaixonada
Teve a frescura pálida do linho…

Embriagou-me o teu beijo como um vinho
Fulvo de Espanha, em taça cinzelada…
E a minha cabeleireira desatada
Pôs a teus pés a sombra dum caminho…

Minhas pálpebras são cor de verbena,
Eu tenho os olhos garços, sou morena,
E para te encontrar foi que eu nasci…

Tens sido vida fora o meu desejo
E agora, que te falo, que te vejo,
Não sei se te encontrei… se te perdi…

(Florbela Espanca )

terça-feira, 5 de agosto de 2008

SONETO DE DEVOÇÃO - Vinicius de Moraes

Sambesi - Joachim Schneider
Essa mulher que se arremessa, fria
E lúbrica aos meus braços, e nos seios
Me arrebata e me beija e balbucia
Versos, votos de amor e nomes feios.

Essa mulher, flor de melancolia
Que se ri dos meus pálidos receios
A única entre todas a quem dei
Os carinhos que nunca a outra daria.

Essa mulher que a cada amor proclama
A miséria e a grandeza de quem ama
E guarda a marca dos meus dentes nela.

Essa mulher é um mundo! — uma cadela
Talvez... — mas na moldura de uma cama
Nunca mulher nenhuma foi tão bela!

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites