Westworld 5º episódio:

sob a inspiração dos samurais de Akira Kurosawa

A PM Katia Sastre

que matou o bandido e suas escolhas

Mulheres na Ciência

Estudantes criam bactéria que come o plástico dos oceanos

Mulheres na Ciência:

Duas barreiras que afastam as mulheres da ciência

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Universidade de Tóquio baixou nota de mulheres em vestibular de Medicina

Diretor-geral da Universidade de Medicina de Tóquio, Tetsuo Yukioka,
 durante coletiva de imprensa. Foto: REUTERS/Toru Hanai
Faculdade japonesa baixou notas de mulheres em vestibular de Medicina
Segundo investigações, pontuação de homens era aumentada sob a justificativa de que as mulheres seriam mais aptas a deixar a profissão após terem filhos; advogados afirmam que prática durou cerca de dez anos

TÓQUIO - A Universidade de Medicina de Tóquio, no Japão, reduziu deliberadamente as notas de mulheres que prestaram seus exames de admissão durante ao menos uma década, disse uma comissão de investigação nesta terça-feira, 7. Segundo o grupo, a prática é um caso "muito sério" de discriminação. As autoridades da universidade negaram ter conhecimento das manipulações.

As alterações foram descobertas a partir de uma investigação interna realizada após alegações de corrupção na prova, que causou protestos e revolta. Advogados investigaram o caso do exame de admissão prestado pelo filho de um funcionário do Ministério da Educação e disseram ter concluído que sua nota, assim como a de vários outros candidatos, foi aumentada "injustamente". Em um dos casos, os investigadores apontaram 49 pontos de diferença entre o número real e o número inflado.

O grupo concluiu que as notas foram alteradas para dar mais pontos a homens do que a mulheres, diminuindo o número de mulheres aceitas. A justificativa seria o fato de que mulheres estão mais inclinadas a deixar a profissão depois de ter filhos ou por outras motivações. 
Esse incidente é realmente lamentável", disse o advogado Kenji Nakai, em entrevista coletiva. "Por meio de procedimentos de recrutamento enganosos eles tentaram iludir os inscritos, suas famílias, autoridades da escola e a sociedade como um todo." O inquérito demonstrou que as notas dos homens, incluindo alguns que anteriormente foram reprovados uma ou duas vezes, foram melhoradas, enquanto as notas de todas as mulheres e a de homens que haviam sido reprovados ao menos três vezes não foram. 
Os advogados disseram não saber quantas mulheres foram afetadas, mas afirmaram que a prática parece ter durado ao menos dez anos. Durante a entrevista, autoridades da universidade se culparam e se desculparam, prometendo estudar possíveis indenizações, mas não confirmaram estar a par dos casos de manipulação de notas. / REUTERS

Fonte: O Estado de S.Paulo, 07 Agosto 2018

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Senado tipifica importunação sexual como crime

Senado tipifica importunação sexual como crime
Punição em caso de importunação sexual fica mais rigorosa

O Código Penal brasileiro define infrações e sanções nos casos de importunação sexual, estupro de vulnerável (quando a vítima tem menos de 14 anos) e divulgação de cenas. Porém, o substitutivo aprovado no último dia 7 no Senado altera a tipificação desses crimes e aumenta as penas.

O texto aprovado pelos senadores tipifica como crime a chamada importunação sexual, definida como a prática de “ato libidinoso, na presença de alguém e sem a sua anuência, com o objetivo de satisfazer a própria lascívia ou a de terceiro”.

A pena prevista para esse tipo de crime é de reclusão de um a cinco anos, se o ato não constitui crime mais grave.

O Código Penal também foi alterado pelo projeto de lei no sentido de ressaltar que as penas previstas para quem comete conjunção carnal ou ato libidinoso com menor de 14 anos devem ser aplicadas independentemente do consentimento da vítima ou do fato de ela já ter mantido relações sexuais antes do crime.

Divulgar cena de estupro, incluindo de vulnerável, e imagens de sexo ou pornografia também passa a ser crime.

O texto aprovado é claro no que se refere a atos dessa natureza. Diz o projeto: “Oferecer, trocar, disponibilizar transmitir, vender ou expor à venda, distribuir, publicar ou divulgar, por qualquer meio, inclusive por meio de comunicação de massa ou sistema de informática ou telemática, fotografia, vídeo ou outro registro audiovisual que contenha cena de estupro, ou estupro de vulnerável, ou que faça apologia ou induza a sua prática, ou sem o consentimento da vítima, cena de sexo, nudez ou pornografia”.

A violação desse artigo pode levar à reclusão de um a cinco anos. A pena pode ser aumentada em até dois terços se a agressão for cometida por pessoa que tem relação íntima de afeto com a vítima. Em caso de motivação por vingança ou humilhação, também cabe aumento de pena.

O projeto ressalva que imagens desse tipo, divulgadas em publicações de natureza jornalística, científica, cultural ou acadêmica que impossibilitem a identidade da vítima e que tenham sua prévia autorização, não incorrem em crime.

Incitar também é crime

Sob pena de detenção de um a três anos, o ato de induzir ou instigar alguém a praticar crime contra a dignidade sexual, assim como incitar ou fazer apologia a esse tipo de prática, também foram incluídos na legislação penal.

O projeto prevê que os crimes sexuais possam ser denunciados pelo Poder Judiciário por ação penal pública incondicionada. Ou seja, o projeto dispensa o Ministério Público de agir somente se manifestado o desejo da vítima. Atualmente, no Código Penal, não há exigência de representação para a ação penal. Antes, era aplicada somente para casos que envolviam vítimas menores de 18 anos.

Além do aumento de pena, os crimes de estupros coletivo e corretivo, se o projeto for sancionado como foi aprovado no Congresso, ainda prevê agravamento da punição em um terço, se os crimes forem cometidos em local ou transporte público, à noite, com emprego de arma ou outro meio que dificulte a defesa da vítima. A pena é agravada pela metade se o agressor tiver alguma relação familiar ou de autoridade com a vítima.

Fonte: Correio do Estado, via Agência Brasil, 12/08/2018

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Westworld impacta ao simular samurais de Akira Kurosawa no 5º episódio da segunda temporada

Atriz japonesa Rinko Kikuchi como a gueixa Akave
Nosso patrício Rodrigo Santoro acertou quando disse que o quinto episódio da segunda temporada de Westworld, Akane No Mai, seria o melhor da temporada. Homenagearam o grande diretor japonês Akira Kurosawa, resgatando o Japão feudal e seus samurais e ninjas, no Shogun World, com produção caprichada e a linda atriz japonesa Rinko Kikuchi fazendo uma gueixa que é uma espécie de alter ego da protagonista Maeve. Botaram até o samurai dos samurais, o Musashi, na história, que, por sua vez, vira alter ego do Hector (personagem do Rodrigo Santoro). É que - ficamos sabendo - os criadores das narrativas dos androides repetem as histórias nos diferentes mundos do parque.

Mais violento do que o parque do faroeste, o Shogun World esbanja sangue e pedaços decepados pra lá e pra cá, em cenas de muita ação, mas os dois pontos altos do episódio são a dança que a gueixa Akane (Rinko Kikuchi) faz para o Shogun ou xogum em português (chefe militar e senhor feudal) e as questões existenciais dos androides em seu processo de tomada de consciência. As falas da Maeve, a ex-cafetina, com a gueixa Akane, em torno do amor das duas respectivamente por suas filha e protegida, foram pura emoção.

Música da cena da dança:C.R.E.A.M. - Ramin Djawadi,
Gravada originalmente por Wu-Tang Clan

A saga das duas androides Dolores e Maeve por poder, amor e liberdade
O episódio deixa claro também a consolidação da saga das duas androides que tomam consciência de sua condição e se rebelam contra o domínio humano:

Dolores que, quando programada, era a boazinha de plantão, vive agora com o desejo de vingança e poder. Sabe-se superior aos humanos e quer dominar os parques e o mundo fora deles. Nesse processo vem se abrutalhando e exigindo o mesmo dos que a seguem.

Maeve que, quando programada, era a cafetina do bordel de Westworld, hoje é movida pelo desejo de amor e liberdade. Busca a filha nos mundos dos parques e, a cada episódio, se torna mais consciente de suas capacidades e poder. A atriz Thandie Newton está dando show na pele da Maeve.

O episódio do Shogun World, recriando o Japão feudal, com atores japoneses, falado em japonês, mostra que, tanto na produção quanto no roteiro, Westworld ganha de outras séries em sofisticação visual e de conteúdo. A manada, acostumada com os clichês das outras séries e suas obviedades, não entende o que vê e acha chato.

P.S. No vídeo abaixo, os produtores da série falam do sangrento mas sofisticado episódio Akane No Mai inspirado na obra do grande diretor japonês Akira Kurosawa.

quinta-feira, 17 de maio de 2018

A PM que matou o bandido e suas escolhas


A história todo o mundo já sabe, pois o vídeo que registrou a façanha da policial viralizou na Internet. O bandido Elivelton Neves Moreira, de 20 anos, resolveu assaltar mães e crianças em frente a uma escola em Suzano (SP), onde haveria festinha dos dias das mães (dia 12/05). Como se soube depois, Elivelton já havia sido indiciado em 2017 por latrocínio (roubo seguido de morte), ocultação de cadáver e associação criminosa. Elivelton foi inclusive apontado como chefe de uma quadrilha que roubou, matou e queimou o aposentado Renato Brígido, de 58 anos, e ocultou seu corpo.

Com essa ficha, Elivelton seguramente supôs que roubar mães e crianças na frente de uma escola seria a moleza das molezas. No máximo se preocupou em revistar o porteiro da escola, o homem de camisa branca que se vê no canto direito do vídeo (ver abaixo). O que ele não podia imaginar é que, entre as mães presentes, houvesse uma policial disposta a correr o risco de deter o assalto e impedir um mal maior.

Com coragem e destreza, a cabo da PM Katia da Silva Sastre, 42, conseguiu neutralizar o agressor sem ferir mais ninguém a seu redor. Esperou o bandido terminar sua revista do porteiro da escola, aproximou-se dele e lhe desferiu 3 tiros à queima-roupa, ou seja, a curta distância. Ele caiu de imediato e  já largou a arma que ela recolheu. Fim de papo.

Apesar da pronta e corajosa ação da PM, não faltaram críticas à sua atuação. Nessas críticas, juntaram-se um pouco de machismo, falta de empatia pela policial e, por incrível que pareça, empatia com o criminoso. Segundo os críticos, Kátia teria agido de forma impulsiva, expondo as outras mães e crianças a risco, atirado no bandido havendo criança em sua linha de tiro, dado as costas ao bandido (o que demonstraria seu despreparo) e simplesmente executado o bandido sem tentar outras linhas de ação. Se tudo terminou bem, foi pura sorte. Entretanto, uma boa olhada no vídeo desmonta essas críticas sem fundamento.


Kátia não foi impulsiva (por ser mulher, não poderia ser racional?). Só atirou no ladrão quando estava bem perto dele, à queima-roupa, para exatamente maximar o efeito dos tiros e neutralizar o assaltante de imediato, evitando dessa forma também errar o alvo e vitimar algum circundante (não haveria como errar de tão perto). O agressor já caiu desarmado, como se pode constatar pelo vídeo, em decorrência dos ferimentos. Kátia seguiu um procedimento policial padrão e foi bem-sucedida.

Ela também não tinha outras linhas de ação a seguir naquele momento. Como policial, tinha obrigação de agir. Se tivesse optado por deixar o assalto prosseguir, corria o sério risco de, no arrastão das bolsas, ser identificada como policial e executada em frente da filha que também estava com ela na porta da escola. Talvez a própria criança acabasse pagando por ter uma mãe policial. E tinha que atirar de forma a neutralizar o agressor o mais rapida e definitivamente possível de modo a impedir o início de um tiroteio. Se tivesse atirado na mão do sujeito ou na perna, como alguns sugeriram, corria não só maior risco de errar o tiro como também de manter o sujeito armado e atirando. Sua decisão de atirar no peito do bandido foi de fato a melhor opção do momento. Se tivesse querido executá-lo, atiraria em sua cabeça nos primeiros tiros, à queima-roupa, ou quando ele já estava no chão. 

A verdade é que, em nosso país, vivemos uma grande inversão de valores, o que leva muitos brasileiros até a acreditar que "direitos humanos" são defesa de bandidos. O entendimento - equivocado, claro - de que "direitos humanos" são defesa de bandido deriva da real empatia que certos grupos de opinião têm por marginais em detrimento de suas vítimas. Esses grupos multiplicam suas opiniões tortas através da mídia, dando a impressão de que representam mais do que de fato representam. O caótico sistema legal brasileiro também colabora para essa visão dos direitos humanos como defesa de bandido.

O caso da PM Kátia demonstra bem isso. Em vez de se solidarizar com a policial e a agrura porque passou, viu-se um bocado de gente, como comentei anteriormente, a lamentar a perda da vida do agressor e questionar a ação da mulher. Questionamentos são válidos, mas faltou aos questionadores a capacidade de se colocar no lugar da PM em primeiro lugar, que fez o que tinha que fazer simplesmente.

Direitos humanos são para todos os humanos, inclusive os bandidos, o que significa apenas que, mesmo eles, têm direito a passar pelo devido processo legal em vez de ser executados sumariamente. Isso é bem diferente de se tratar bandidos como meros coitados frutos da desigualdade social e vê-los com a benevolência que não merecem.

A PM Kátia Sastre foi sim heroína, não por ter matado o bandido que ameaçava os pertences e a vida de mulheres e crianças em frente a uma porta de escola. O ideal seria mesmo que tivesse podido render o bandido sem feri-lo letalmente como ocorreu. Situações ideais, contudo, raramente existem. Kátia foi heroína porque agiu profissionalmente, com coragem e destreza dignas de uma cena de filme onde a mocinha vence o bandido para alegria geral de uma nação exausta de ver exatamente o oposto acontecer quase sempre. 💖

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites