"Neurosexismo":

contra o progresso da igualdade de gênero - e da própria ciência

O sequestro do termo "gênero":

uma perspectiva feminista do transgenerismo

Mulheres na Ciência

Estudantes criam bactéria que come o plástico dos oceanos

Mulheres na Ciência:

Duas barreiras que afastam as mulheres da ciência

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Prostituição: regular ou abolir, eis a questão!

É proibido pagar por sexo na Suécia, França e outros seis países
Modelo nórdico, que castiga o cliente para lutar contra as redes e o proxenetismo, ganha força
Na Suécia, quem paga para ter relações sexuais é um delinquente. O país nórdico foi pioneiro, em 1999, em penalizar os clientes da prostituição, que podem pegar até um ano de cadeia. Esse modelo, apoiado no princípio de que a prostituição é uma forma de violência contra as mulheres – elas são uma esmagadora maioria – e um sinal de desigualdade dos gêneros, tem se expandido pelo mundo. O mais recente país a adotá-lo foi a França, que dias atrás aprovou, após um longo trâmite parlamentar, uma lei que prevê multa de até 3.750 euros (cerca de 15.000 reais) para quem pagar por sexo.

A lei francesa reacendeu o debate sobre a prostituição e a conveniência de regulá-la ou aboli-la. A Suécia e a França apostam num novo modelo de abolicionismo, que em vez de penalizar as prostitutas – consideradas vítimas sem liberdade de escolha – propõe acabar com o comércio sexual fechando o cerco sobre sua clientela. Em outras palavras, sem demanda não há oferta. No lado oposto estão as correntes pela legalização, para as quais o trabalho sexual é uma atividade que pode ser exercida livremente, e por isso precisa ser regulamentada. É o que acontece na Holanda, onde as profissionais do sexo pagam impostos e obtêm contrapartidas sociais, e também na Dinamarca e na Alemanha.

Nos últimos tempos, o chamado modelo sueco – ou nórdico, já que os primeiros a copiá-lo foram alguns de seus vizinhos escandinavos – está ganhando impulso. Depois da Suécia, a criminalização dos clientes da prostituição já foi aprovada na Islândia, Canadá, Cingapura, África do Sul, Coreia do Sul, Irlanda do Norte e agora na França. A medida vigora também na Noruega, com o detalhe de que esse país pune também cidadãos seus que fizerem turismo sexual. Além disso, o Parlamento Europeu insistiu em 2014 para que os Estados membros da UE adotassem fórmulas semelhantes, e Bélgica, Irlanda e Escócia debatem atualmente projetos de lei baseados nesse novo abolicionismo. Outros países, como a Finlândia, apostaram num sistema híbrido: castigam a compra de serviços sexuais, mas só se a prostituta for vítima das redes de tráfico humano.

Mas, segundo partidários do neoabolicionismo, esse vínculo entre prostituição e escravidão sexual é praticamente automático. Os defensores do modelo nórdico afirmam que quem vende seu corpo nunca o faz livremente – ao invés de ser uma escolha, seria uma imposição feita por redes de tráfico ou exploração sexual, ou pela pressão da pobreza ou de outro tipo de desigualdade.
A lei se baseia em que é vergonhoso e inaceitável que, numa sociedade com igualdade sexual, os homens obtenham relações sexuais casuais com mulheres em troca de dinheiro”, afirma Kajsa Wahlberg, diretora da unidade de combate ao tráfico humano da polícia sueca, acrescentando que a legislação local enviou um “sinal” importante a outros países. Hoje, o neoabolicionismo se transformou em parte importante da política externa sueca, uma espécie de marca do país. “A prostituição causa um grave dano, tanto aos indivíduos como à sociedade”, argumenta a agente, salientando que pessoas que pagam por sexo não só ferem a dignidade das mulheres como também estão contribuindo para a proliferação dessa arquitetura criminal.
Duas mulheres em uma vitrine do Red Light em Amsterdã, em 2015.  CORBIS
Wahlberg diz que a lei funciona bem. Dez anos depois de ela entrar em vigor, o número de compradores de sexo caiu de 13,6% para menos de 8% da população, segundo dados do Instituto Sueco.
A norma tem um objetivo dissuasivo sobre os potenciais compradores de sexo. Também serviu para reduzir o interesse de diversos grupos ou indivíduos em estabelecer atividades organizadas de prostituição na Suécia”, acrescenta. Desde a adoção das medidas, 6.600 pessoas – todos homens, salvos raríssimas exceções – foram detidas por comprar ou tentar comprar sexo. Destes, aproximadamente metade foi condenada (os dados sobre os julgamentos de 2015 ainda não estão disponíveis). Mas ninguém foi preso, já que todos pagaram a multa, equivalente a um terço da renda pessoal obtida durante dois meses.
E essa falta de condenações graves é uma das principais críticas a uma lei que, segundo as pesquisas, tem grande aceitação social no país. Outra é que, na verdade, o sistema não acaba com a prostituição, apenas a esconde, deixando assim as prostitutas em situação ainda mais perigosa e vulnerável.

Esse é também o argumento fundamental dos críticos da nova lei francesa.
A penalização do cliente não beneficia as trabalhadoras do sexo, apenas as expõe mais à violência – tanto das quadrilhas como da polícia – e ao isolamento”, afirmam integrante do coletivo Strass, que reúne prostitutas na França e se mobilizou contra a nova lei. A medida também enfrenta restrições de ONGs como a Médicos do Mundo, que argumenta que o abolicionismo leva as prostitutas à clandestinidade e as deixa à mercê do cliente ou das máfias, e que a rede de proteção prevista para ajudar as mulheres a deixar a prostituição é precária demais. As entidades sociais estimam que haja entre 30.000 e 40.000 meretrizes na França
Este modelo legal obriga as trabalhadoras sexuais, sobretudo as da rua, a trabalharem nas periferias, em zonas menos visíveis e acessíveis, onde a polícia não possa surpreender os seus clientes”, argumentam integrantes do Tampep, um coletivo europeu de trabalhadoras do sexo, para o qual a penalização do cliente impede a autodeterminação das prostitutas, reforçando o estigma e a discriminação contra elas.
À luz das estatísticas, a policial Wahlberg tem razão: estreitar o cerco sobre o cliente reduziu a prostituição na Suécia, ao menos a sua parte visível. Antes da lei, 600 mulheres vendiam sexo nas ruas de Estocolmo, segundo a polícia. Atualmente são menos de 10. Entretanto, os bordéis e as calçadas se transferiram para a Internet. Um campo muito mais difícil de controlar.

ABOLIR, PROIBIR OU REGULAR
Há vários modelos na Europa
Legalista. Holanda, Alemanha, Dinamarca. Na Holanda, a prostituição é regulamentada como um trabalho desde 2000. A lei obriga os proprietários dos bordéis a pagarem impostos e a contribuição previdenciária das prostitutas. Estas, que precisam de uma licença municipal, têm direito a Previdência Social e seguro-desemprego. A mesma situação se dá na Alemanha. Na Dinamarca, as prostitutas pagam impostos, mas não têm direito a benefícios previdenciários ou seguro-desemprego.
Novo abolicionismo. Suécia, Noruega, Islândia. A Suécia foi pioneira, em 1999, na adoção de uma lei contra a compra de serviços sexuais. A norma proíbe pagar pelo sexo e penaliza o cliente com multas ou prisão. É um modelo atualmente em expansão.
Limbo jurídico. Espanha, Itália. A prostituição na Espanha está num limbo jurídico – embora sua exploração seja crime. Dois em cada dez homens espanhóis admitem que já pagaram pelos serviços de uma prostituta, segundo estudo da Universidade de Comillas para o Ministério da Saúde. Entretanto, alguns regulamentos municipais proíbem a prática e multam tanto os clientes como as profissionais. Uma situação similar ocorre na Itália, onde nos últimos anos proliferaram as situações que penalizam tanto a compra quanto a venda de sexo.
Proibicionista. Na Hungria a prostituição é ilegal. Pune-se com multa ou mesmo com prisão a meretriz que exercer a prática em “zonas protegidas”, ao passo que o cliente só é penalizado se “aceitar” os serviços de uma menor.

sábado, 13 de maio de 2017

13 de Maio: Dia da Vitória do Movimento Abolicionista no Brasil

Em 13 de maio de 1888, a princesa Isabel, primeira senadora brasileira e primeira mulher a assumir uma chefia de Estado no continente americano, exercendo por três vezes a Regência no Brasil, sancionou a chamada Lei Áurea que aboliu a escravatura em todo o território nacional. Antes disso, a princesa Isabel já demonstrara sua posição como abolicionista convicta, financiando tanto a alforria de escravos quanto até quilombos (Quilombo do Leblon, onde se cultivavam camélias brancas, flor-símbolo da abolição). Seu empenho na abolição da escravidão lhe custou caro inclusive, já que os donos de escravos, sobretudo dos grandes cafezais paulistas, deixaram de apoiar a monarquia em represália à luta dos nobres pela abolição, bandeando-se para o lado dos republicanos, o que, segundo alguns estudiosos, teria apressado a instituição do regime republicano.

Luís Gama
O papel da princesa Isabel na efetivação da abolição da escravatura no Brasil não deve, portanto, ser subestimado, mas não foi ela, na qualidade de branca sensível de bom coração que botou fim a uma das páginas mais infames de nossa história. Seu gesto foi de fato fruto não só de suas crenças pessoais mas também da pressão de um movimento social de grande abrangência, comparado por alguns com as Diretas Já!, que uniu gente de várias classes sociais e várias etnias na luta contra a escravidão, juntando desde políticos e intelectuais brancos como Joaquim Nabuco, o teatrólogo Artur Azevedo e o poeta Castro Alves até negros como o advogado Luís Gama e o engenheiro André Rebouças e ainda mestiços como o jornalista José do Patrocínio. Também estudantes universitários, que começavam a se evidenciar no período, se engajaram na luta em prol da abolição bem como o exército brasileiro, formado à época por bom número de ex-escravos que haviam lutado na guerra do Paraguai. Isso para ficar em alguns exemplos, embora existam outros, pois o movimento abolicionista foi um dos maiores movimentos populares da história brasileira.

Não obstante esse histórico glorioso, movimentos negros confusos – para dizer o mínimo – passaram, a partir da década de 70, a rejeitar a data do 13 de maio sob a desculpa de que ela representaria uma efeméride das elites brancas brasileiras, pois teria sido um gesto de generosidade (sic) dos brancos, tendo a princesa Isabel como principal protagonista – o que não é verdade como vimos acima – e, além disso, uma abolição para inglês ver, já que os cerca de 700 mil escravos libertos na ocasião não foram de fato integrados à sociedade brasileira, como devido, acabando livres dos grilhões de ferro mas prisioneiros das senzalas da pobreza. Em substituição ao 13 de maio, inventaram o dia da consciência negra, em 20 de novembro, como homenagem a data da morte de Zumbi dos Palmares, líder negro que teria lutado contra a escravidão, o que simbolizaria a resistência e a bravura dos negros contra o cativeiro.

Joaquim Nabuco
Curti essa história do Zumbi por um bom tempo, pois, me amarro num herói ou heroína, como todo mundo aliás, haja vista a quantidade enorme deles e delas nas revistas em quadrinhos e nos cinemas. Curti até conhecer a verdade histórica sobre esse personagem mitologizado. Zumbi foi de fato um negro foragido que formou um quilombo, como estrutura de resistência a seu cativeiro pelos brancos, mas não era nenhum herói da luta contra a escravidão. Em Palmares, assim como em outros quilombos, havia escravos também e escravos negros. Sim, o herói da luta contra a escravidão era um escravocrata também. Simplesmente não queria ser escravo, mas não se incomodava de escravizar outros homens, pior, outros homens negros. É que, de fato, o sistema escravagista era onipresente na África, na época do tráfico negreiro, encontrando-se presente também em outros continentes. Na África, os vencidos das eternas guerras tribais, entre as diversas etnias existentes, eram escravizados pelos vencedores que por sua vez os vendiam para árabes e europeus. Então, a escravidão era um sistema comum no período, que a maioria das pessoas aceitava como natural, e que os vencedores em qualquer tipo de batalha aplicavam aos vencidos. Em Palmares, Zumbi era vencedor e, portanto, escravizava outros negros, geralmente negros que não queriam ter saído das fazendas dos brancos. De repente, as senzalas dos brancos ofereciam melhores condições de vida do que as galés dos quilombos.


Pois, é! Então, a maioria dos ativistas do movimento negro rejeita uma data fruto de um movimento social popular, multi-étnico, multiclassicista e, portanto, pra lá de democrático, para afirmar uma outra data que celebra a existência de um personagem supostamente heróico contra a escravidão mas que também escravizava?!!! Arrisco uma explicação para esse paradoxo. O atual movimento negro – em sua maioria – tem um viés nitidamente racista, tanto que todo o seu programa de atuação é calcado na afirmação do conceito de raça (uma ideia já sepultada pela ciência), onde a raça negra teria sido subjugada e oprimida pela raça branca que lhe deveria consequentemente uma reparação pelos maus-tratos oriundos da escravidão. Toda a estrutura desse programa de ação é assentada no antagonismo racial que, por sua vez, é alimentado pelo vitimismo. É preciso descrever os negros como vítimas dos brancos, os negros como vítimas e os brancos como algozes, assim tudo na base do preto ou branco, sem nuances.

André Rebouças
Para alimentar essa ideologia, inclusive brutais distorções históricas têm sido feitas. Na historinha da carochinha dos racialistas negros, os negros viviam numa África paradisíaca, correndo apenas dos leões, quando os europeus, brancos e malvados, chegaram e os levaram escravizados para seu continente e para outros, submetendo-os a exploração e a brutais agressões físicas. Como já disse acima, a verdade é outra. Os africanos viviam às voltas com suas guerras tribais (até hoje, aliás) e vendiam seus cativos para quem os comprasse, no caso, os europeus que, por acaso, eram brancos. No Brasil, com o passar dos anos, mesmo antes da Abolição, muitos negros começaram a ser alforriados e, por sua vez, passaram a ter terras também e a comprar escravos, seus irmãos de “raça”. Nos próprios quilombos, os negros fugidos das senzalas brancas também escravizavam outros negros, portanto, não existem bandidos e mocinhos nessa história como, aliás, raramente existem em qualquer período da sombria história humana. A escravidão foi um sistema nefasto – que até hoje existe embora proscrito – de que todos os povos e etnias participaram.

Mas a política do movimento negro atual, em sua grande maioria, rejeita a verdade histórica por uma leitura altamente ideologizada dos fatos, maniqueísta e perigosa, baseada no antagonismo racial. O 13 de maio, como descrevi acima, foi um movimento onde brancos, negros e mestiços, de diferentes classes, lutaram juntos contra a escravidão e venceram a batalha juntos. A Abolição foi uma conquista de pessoas de bem, e pessoas de bem não têm cor. O fato de a inserção dos negros libertos na sociedade brasileira, pós-Abolição, não ter sido realizada como deveria ter sido não invalida a conquista do movimento abolicionista. O que aconteceu após a Abolição é uma outra história, uma história que passa de um regime monárquico para um regime republicano, igualmente negligentes quanto à situação social dos ex-escravos negros. As conseqüências dessa negligência jogaram a população negra na pobreza, mas nunca impediram a miscigenação, nunca promoveram o apartheid racial no Brasil, tanto que somos essencialmente um país de mestiços, sendo a população negra -propriamente dita – minoritária. Mesmo a pobreza não é só desprivilegio de negros e pardos, havendo também um razoável número de brancos pobres. Deveriam estar todos, como nos tempos dos abolicionistas, lutando juntos para tirar a todos da pobreza através de uma revolução educacional, através do resgate da sucateada educação brasileira e de sua melhoria e universalização, pois é ela que permite democraticamente a ascensão social de qualquer um(a). Mas, ao contrário, o movimento negro, em sua maioria, tem preferido o caminho das cotas e do malfadado Estatuto da “Igualdade” racial, em análise pelo Senado no momento, que promovem coisas inacreditáveis como a divisão da população em negra ou branca, tribunais raciais em universidades, para julgar quem é de fato negro ou não (inspiração nazista), e a destruição do critério de mérito, um dos pilares da democracia. A picaretagem chegou a ponto de estarem propondo 60% de vagas para cotistas em universidades, o que, na realidade, praticamente acaba com o vestibular.

José do Patrocínio
O 13 de maio mostra brancos, negros e mestiços lutando juntos contra um sistema absurdo e não se encaixa na visão do atual movimento negro porque este quer brancos e negros separados, brancos e negros antagônicos, o mulato inzoneiro Brasil se definindo como negro ou branco, embora sempre tenha sido mestiço e continue sendo mestiço. Por isso, prefere o dia que homenageia Zumbi e os quilombos, pois representariam uma luta só de negros, protagonizada por um negro herói, mesmo tendo sido esse "herói" um escravista. Por isso, hoje, o 13 de maio, não apenas por ter entrado no calendário das datas oficiais do país, merece ser lembrado como um dia de celebração da união de todos, independente da cor da pele, contra sistemas injustos e crenças equivocadas.

Fotos na sequência: Princesa Isabel, Luis Gama, Joaquim Nabuco, André Rebouças e José do Patrocínio, brancos, negros e mestiços pela Abolição.

Fontes: Divisões Raciais: políticas raciais no Brasil contemporâneo. Editora Civilização Brasileira; Dossiê Abolicionismo; Monstros Tristonhos (excelente texto de Demétrio Magnoli sobre os tribunais raciais que vêm sendo instalados nas universidades brasileiras); Zumbi: Símbolo da Consciência Negra?

P.S. A propósito, sou mestiça e bisneta de um abolicionista, Martinho Rodrigues de Souza, que como advogado, deputado e jornalista, lutou, em sua terra natal, Fortaleza (CE), pela abolição da escravidão no Brasil.

Atualização 13/05/2013
: O racialismo continuou avançando no Brasil, desde a publicação deste artigo, com mais cotas em universidades (até em nível de pós-graduação) e agora também cotas no funcionalismo público.

Publicado originalmente em 13/05/09


quarta-feira, 10 de maio de 2017

Sheryl Sandberg: "A batalha do feminismo ainda não acabou"

Sheryl Sandberg: "A batalha do feminismo ainda não acabou"
 ( Erin Lubin/Bloomberg/Getty Images )


Publiquei, em junho de 2011, uma matéria, de março daquele ano, intitulada Executivas 'neofeministas' dos EUA pregam ascensão agressiva. Nela, duas executivas americanas, Sheryl Sandberg (Facebook) e Marissa Mayer (Yahoo) foram destaque no debate sobre o avanço da mulher no mercado de trabalho e os obstáculos que permanecem à sua ascensão. No dia 09/11, a VEJA publicou entrevista com a Sheryl Sandberg dando conta de que o livro da executiva Faça Acontecer – Mulheres, Trabalho e a Vontade de Liderar está na lista dos mais vendidos nos EUA e também no Brasil.

O feminismo de Sandberg busca, no comportamento das próprias mulheres, sem negar os fatores externos naturalmente, a origem dos problemas femininos de ascensão no trabalho. Sem mimimi, procura incentivar as mulheres a serem mais assertivas em busca do sucesso profissional. Naturalmente, faltou falar, na entrevista, da raiz do problema das desigualdades entre os sexos: a educação diferenciada, uma educação mutiladora da individualidade de mulheres e homens desde o berço. Mas também aí já é querer demais.

Entretanto, apesar de ser um livro que busca a melhoria das condições de vida das mulheres na área do trabalho, neste ano de 2017,  organizadoras da marcha comemorativa do 8 de março, nos EUA, resolveram se opor a ele e seu feminismo empresarial que representaria apenas 1% das mulheres. O título do manifesto foi exatamente Para além do “faça acontecer”: por um feminismo dos 99% e uma greve internacional militante em 8 de março. Porque o feminismo que não é anticapitalista seria fauxminismo (feminismo falso) e outros blá-blá-blás.  

Entretanto, fauxminismo, feminismo falso, é somente aquele que fica apenas paparicando homem na Internet e alhures, passando pano para macho, no jargão atual das jovens feministas, e metendo o pau em outras correntes feministas, sem efetivamente fazer nada de concreto pelas mulheres. Infelizmente, é o caso de muitas feministas ditas liberais em nosso país, mas não o de Sandberg, uma mulher rica que tem a vida ganha e não precisaria estar se incomodando com a ascensão profissional de outras mulheres. Fora que essa história de que seu feminismo empresarial só representaria 1% das mulheres não corresponde aos fatos. Aqui no Brasil mesmo, as mulheres já são donas de 43% das empresas, e o número de empreendedoras não para de crescer. Então, mesmo neste nosso fim de mundo machista, Sandberg não está falando para somente 1% das mulheres. 

As brigas entre correntes feministas são um pé no peito descomunal e só demonstram que, mesmo feministas, não conseguem superar a educação para a rivalidade feminina que lhes é incutida desde o berço pela nossa cultura machista. Este caso da marcha do 8 de março americano mostra bem isso, refletindo inclusive uma grande incoerência das organizadoras. Enquanto resolviam fazer marcha atacando uma corrente feminista particular, de uma mulher de fato, convocavam mulheres de fachada, de fato homens (as tais trans), para participar do evento. Diga-se de passagem as mesmas trans que, na marcha anterior feita em protesto contra a eleição de Trump, deram um verdadeiro show de sexismo, querendo que as participantes não usassem cartazes com imagens de órgãos femininos porque isso as ofenderia.

Então, outra boa definição para fauxminismo é "aquele que tem mais solidariedade com homens personificando mulheres do que com mulheres de fato e de direito". Pessoalmente, sou totalmente favorável ao empreendedorismo, uma forma bastante concreta de empoderamento das mulheres reais dentro da realidade em que vivemos. 

Segue abaixo a entrevista e vídeo com palestra de Sandberg sobre o tema de seu livro.


Sheryl Sandberg: a paladina das mulheres

Em entrevista exclusiva, a COO do Facebook diz que as mulheres deveriam ocupar metade dos postos de liderança de governos e empresas. Esse é o tema de seu livro 'Faça Acontecer'

A executiva americana Sheryl Sandberg se consagrou neste ano como a principal porta-voz de uma espécie de feminismo revisado. Em seu best-seller Faça Acontecer – Mulheres, Trabalho e a Vontade de Liderar (Companhia das Letras; 272 páginas; 34,50 reais, ou 24 reais na versão digital), ela apresenta o problema:
“Faz mais de vinte anos que estou no mercado de trabalho, e muita coisa continua igual. É hora de encarar o fato: nossa revolução empacou. Promessa de igualdade e igualdade de fato são coisas diferentes.” E a solução? “Um mundo de fato igualitário seria aquele em que as mulheres comandassem metade dos países e das empresas e os homens dirigissem metade dos lares.”
Ela dá cara autobiográfica ao livro para mostrar como mulheres podem e devem alcançar a liderança em empresas. Além de suas palavras, o currículo de Sheryl, que há pouco completou 44 anos, é exemplar por si só. Formada em administração pela Universidade Harvard, ela trabalhou no Banco Mundial, foi chefe da equipe do secretário do Tesouro americano e vice-presidente do Google. Mas ganhou fama mesmo – e se tornou uma das mulheres mais influentes dos Estados Unidos –, ao assumir como COO (chefe do departamento de operações, na sigla em inglês; um dos cargos mais altos da companhia) do Facebook em 2008. Tornou-se uma famosa advogada dos direitos das mulheres dois anos depois, em 2010, ao apresentar uma inspiradora palestra sobre o assunto (confira o vídeo abaixo). Papel que se fortificou com a publicação de seu livro neste ano – que figurou nas listas de mais vendidos nos Estados Unidos e no Brasil. Na entrevista que Sheryl concedeu a VEJA, ela não quis se aprofundar nos negócios do Facebook, mas muito disse sobre o papel das mulheres como líderes globais.

Por que é importante ter mais mulheres em cargos de liderança?
Não há país no mundo com mais de 5% de suas empresas sob o comando de mulheres. Na América Latina, o porcentual é ainda menor, de menos de 2%. Mas temos 50% da população mundial de mulheres. Isso mostra o quanto não sabemos aproveitar o potencial e o talento dessa população. Warren Buffet [investidor americano e quarto homem mais rico do mundo] uma vez disse que só foi tão bem-sucedido por ter competido apenas com metade da população, a formada pelos homens. Imagine o aumento em produtividade que teríamos se homens e mulheres trabalhassem como iguais, dividindo postos de liderança. Também veríamos ambientes familiares mais saudáveis se homens repartissem com mulheres as tarefas domésticas.

No passado havia mais feministas, como você. O que mudou?
Na geração anterior à minha a batalha pelos direitos das mulheres era intensa. Mas minha geração começou a sentir, de forma falsa, que o trabalho estava feito. A vida me fez uma feminista quando vi que as mulheres ainda não são iguais no mercado de trabalho. Foi aí que reparei que a batalha não acabou.

O que as mulheres podem fazer para conquistar mais cargos de liderança?
Homens costumam se sentir mais confiantes no trabalho do que as mulheres. Vi isso em todos os lugares onde já fui fazer negócios no mundo. Em uma reunião, homens tendem a se sentar no centro da mesa ou na ponta dela. Mulheres, mesmo as de mesmo nível hierárquico que eles, escolhem cadeiras em posições desfavoráveis. Nas reuniões, homens falam mais e são mais ouvidos. Mulheres são interrompidas continuamente. Minhas dicas para as mulheres são: sente-se no melhor lugar da mesa, você merece, e fale com confiança. Para homens, digo: se você notar que a fala de uma mulher foi interrompida, pare a reunião e explique que ela deve continuar a falar. Nesse cenário, as empresas também têm de se adequar para compreender os desafios que as mulheres têm pela frente.

No Facebook as mulheres são mais participativas do que os homens. Isso pode indicar que elas são mais ouvidas agora do que no passado?
Esse não é o ponto. A questão é que mulheres têm de ser ouvidas no poder, no corpo executivo de uma empresa, em governos. Vemos muito mais homens do que mulheres nessas mesas. O Brasil tem uma mulher na presidência. E Dilma Rousseff conseguiu multiplicar por três a presença de mulheres em cargos de comando do governo, se comparado com a administração anterior. É algo bom, mas as mulheres ainda representam apenas um terço do gabinete de Dilma. Por que não 50%? Nos Estados Unidos foi tido como uma grande notícia o anúncio de que 20% do Senado seria composto por mulheres. Isso não é ideal. Novamente, precisamos de 50%.

O mundo digital é muitas vezes visto como sexista. No livro The Boy Kings (Os Reis Garotos, em tradução livre), Katherine Losse, uma ex-funcionária do Facebook, conta como se sentia num ambiente hostil às mulheres dentro da empresa e como via Mark Zuckerberg como um machista. Você sente isso no Facebook?
Não vou comentar esse livro. Mas considero o Facebook um grande lugar para as mulheres. Temos direitos de licença maternidade e paternidade iguais para mulheres e homens que trabalham no Facebook. E, o principal, falamos abertamente dos problemas que envolvem as questões de gênero. Trabalho com o Mark faz cinco anos e ele me dá todo o apoio para debater esse assunto.

Alguns podem achar que é mais fácil para você, uma executiva de sucesso, falar sobre o assunto do que para uma mulher pobre em um país como o Brasil ou de uma nação muçulmana onde reprimem as mulheres.
Sou sortuda por ter tido boas oportunidades na vida. Mas também tive de encarar problemas. Certa vez falei que escolho sair do trabalho às cinco e meia da tarde para ficar com meus filhos. A reação foi extremamente negativa por parte de muitos executivos. Mas eu ter mostrado que isso é possível e saudável agora ajuda muitos a poder tomar a mesma decisão. Por ter tido sucesso, vejo que tenho a responsabilidade de ajudar as mulheres a perceber as oportunidades pelas quais elas devem lutar.

Qual é sua opinião sobre mulheres que abandonam suas carreiras para se dedicar à família?
Acho que as mulheres têm de ter o poder de decidir sobre suas vidas. Se elas querem trabalhar, devem trabalhar. Se elas querem cuidar da família, é isso que devem fazer. Se querem fazer os dois, há essa opção. Temos de acabar com estereótipos. Mulheres podem trabalhar e chegar à liderança. Assim como homens devem ter a opção de abandonar suas carreiras para administrar tarefas domésticas. Ou ambos podem dividir ambas as responsabilidades.

Fonte: Veja, Vida Digital, 09/11/2013


Publicado originalmente em 11/11/2013

terça-feira, 9 de maio de 2017

Nazismo se apresentava como uma "terceira via" entre o liberalismo e comunismo

Em meio a crise econômica e política na Alemanha, nazismo trazia ideia de "revolução social". mas só para os "arianos"
Artigo muito interessante sobre a definição política do nazismo, identificando-o como uma terceira via entre a esquerda e a direita, com uma perspectiva racista e ultranacionalista. De fato, tanto o nazismo e o fascismo quanto o comunismo tinham em comum um profundo antiliberalismo, embora empresários tenham contribuído com os dois primeiros, um apreço por regimes totalitários e a criação de bodes-expiatórios (como os judeus para os nazistas) e a burguesia (para os comunistas) a serem eliminados em campos de extermínio e nos paredões da vida. Tinham mais em comum do que sonham as vãs filosofias, daí também ser complicado rotulá-los de esquerda ou de direita simplesmente. Conhecer suas diferenças, como apresentadas pelo texto abaixo, ajuda a esclarecer o fenômeno nazista.

O nazismo era um movimento de esquerda ou de direita?

"Cara, cai na real! Ser de esquerda é ser a favor de milhares de mortes causadas pelo comunismo e nazismo no mundo. Reflita!", diz uma mensagem de janeiro no Twitter. "O socialismo/comunismo é uma ideologia de esquerda irmã do nazismo", diz outra do final de abril. Outro participante da rede social pergunta: "Quantas pessoas será que estão em grupos de libertários no Facebook discutindo se nazismo é esquerda ou direita neste exato momento?".

A discussão sobre se o movimento nazista alemão - cujo governo matou milhões de pessoas e levou à Segunda Guerra Mundial - teria as mesmas origens do marxismo ferve nas redes sociais há alguns meses, com a crescente polarização do debate político no Brasil.

Mas historiadores entrevistados pela BBC Brasil esclarecem o que dizem ser uma "confusão de conceitos" que alimenta a discussão - e explicam que, na verdade, o movimento se apresentava como uma "terceira via".

Tanto o nazismo alemão quanto o fascismo italiano surgem após a Primeira Guerra Mundial, contra o socialismo marxista - que tinha sido vitorioso na Rússia na revolução de outubro de 1917 -, mas também contra o capitalismo liberal que existia na época. É por isso que existe essa confusão", afirma Denise Rollemberg, professora de História Contemporânea da Universidade Federal Fluminense (UFF).
Não era que o nazismo fosse à esquerda, mas tinha um ponto de vista crítico em relação ao capitalismo que era comum à crítica que o socialismo marxista fazia também. O que o nazismo falava é que eles queriam fazer um tipo de socialismo, mas que fosse nacionalista, para a Alemanha. Sem a perspectiva de unir revoluções no mundo inteiro, que o marxismo tinha."
O projeto do movimento nazista, segundo Rollemberg, previa uma "revolução social para os alemães", diferentemente do projeto dos partidos de direita da época, "que vinham de uma cultura política do século 19, de exclusão completa e falta de diálogo com as massas".

Mesmo assim, ela diz, seria complicado classificá-lo no espectro político atual. 

Eles rejeitavam o que era a direita tradicional da época e também a esquerda que estava se estabelecendo. Eles procuravam um terceiro caminho", afirma.

Nacionalismo

A ideia de uma "revolução social para a Alemanha" deu origem ao Partido Nacional-Socialista alemão, em 1919. O "socialista" no nome é um dos principais argumentos usados nos debates de internet que falam no nazismo como um movimento de esquerda.

Me parece que isso é uma grande ignorância da História e de como as coisas aconteceram", disse à BBC Brasil Izidoro Blikstein, professor de Linguística e Semiótica da USP e especialista em análise do discurso nazista e totalitário.
O que é fundamental aí é o termo 'nacional', não o termo 'socialista'. Essa é a linha de força fundamental do nazismo - a defesa daquilo que é nacional e 'próprio dos alemães'. Aí entra a chamada teoria do arianismo", explica.
De acordo com Blikstein, os teóricos do nazismo procuraram uma fundamentação teórica e filosófica para defender a ideia de que eles eram descendentes diretos dos "árias", que seriam uma espécie de tribo europeia original.
Estudiosos na Europa tinham o 'sonho da raça pura' nessa época. Quanto mais próximos da tribo ariana, mais pura seria a raça. E esses teóricos acreditavam que o grupo germânico era o mais próximo. Daí surgiu a tese de que, para serem felizes, tinham que defender a raça ariana, para ficar longe de subversões e decadência. (Alegavam que) a raça pura poderia salvar a humanidade."
A ideia de uma defesa do povo germânico ganhou popularidade em um momento de perda de territórios, profunda recessão e forte inflação após a Primeira Guerra Mundial - e tornou-se o centro do movimento nazista.
Era preciso recuperar a moral do pobre coitado, que não tinha dinheiro e era 'massacrado pelos capitalistas'", explica Blikstein. Nesse contexto, afirma, o nazismo vendia a ideia de "reeguer o orgulho da nação ariana. O pressuposto disso seria eliminar os não arianos. E essa teoria foi aplicada até as últimas consequências".
Segundo especialistas, judeus eram perseguidos por simbolizarem dois "inimigos" do nazismo: o capitalismo liberal e o socialismo marxista
'Marxistas e capitalistas'

Mesmo propagando a ideia de que o nazismo planejava uma revolução que garantiria justiça social na Alemanha - o que incluía, por exemplo, maior intervenção do Estado na economia -, o partido fazia questão de deixar clara sua oposição ao marxismo.

Os comícios hitleristas eram profundamente antimarxistas", disse à BBC Brasil a antropóloga Adriana Dias, da Unicamp, que é estudiosa de movimentos neonazistas.
O nazismo e o fascismo diziam que não existia a luta de classes - como defendia o socialismo - e, sim, uma luta a favor dos limites linguísticos e raciais. As escolas nacional-socialistas que se espalharam pela Alemanha ensinavam aos jovens que os judeus eram os criadores do marxismo e que, além de antimarxistas, deveriam ser antissemitas."
Os judeus, aliás, tornaram-se o ponto focal da perseguição nazista porque representavam tanto o socialismo como o capitalismo liberal, mesmo que isso possa parecer antagônico nos dias de hoje.
Havia uma simbologia do judeu como representante, por um lado, do socialismo revolucionário - porque Marx vinha de uma família judia convertida ao protestantismo, assim como muitos bolcheviques", diz a historiadora Denise Rollemberg.
Por outro lado, os judeus eram associados ao capitalismo financeiro porque os judeus assimilados (que assumiram as culturas de outros países, para além da nação religiosa) que viviam na Europa tinham uma tradição de empréstimos de dinheiro e de negócios."
'Precisão científica'

A "precisão científica" do extermínio de judeus na Alemanha nazista também dificulta as comparações com a perseguição política no regime socialista soviético, na opinião de Izidoro Blikstein.
Há muitos genocídios pelo mundo, mas nenhum igual ao nazismo, porque este era plenamente apoiado por falsa teoria científica e linguística e levada até as últimas consequências. A União Soviética também tinha campos de trabalhos forçados, mas não existia uma doutrina para justificar isso", afirma.
Mas há traços comuns entre o nazismo o regime (soviético) de Stálin. A propaganda, por exemplo, e o fato de que ambos eram regimes totalitários, que controlavam e legislavam sobre a vida pública e também privada do cidadão", admite.
Além dos judeus, o regime nazista também perseguiu democratas liberais, socialistas, ciganos, testemunhas de Jeová e homossexuais - algo que, nos dias de hoje, associa o movimento a partidos de extrema-direita que pregam contra a comunidade LGBT, contra imigrantes e contra muçulmanos, por exemplo.
Todo esse projeto de repressão, censura, campos de concentração e extermínio nazista era direcionado a quem estava fora do que eles chamavam de 'comunidade popular', o povo alemão. Mas alemães que eram democratas liberais e socialistas também eram excluídos por serem contrários ao projeto nazista e colocarem em risco a comunidade popular", explica Denise Rollemberg.
No entanto, para Blikstein, a ideia de raça é tão central ao nazismo que, assim como não se pode usar o projeto de revolução social para classificá-lo como "esquerda", também é difícil defini-lo como "direita".
Dizer apenas que Hitler era um político de direita é apequenar o nazismo. Foi mais do que direita ou esquerda. Foi uma doutrina arquitetada para defender uma raça, embora esse conceito seja discutível e pouco científico", diz.
'Crise de referências'

Uma recapitulação do projeto e do regime nazista, de acordo com os especialistas no assunto, aumenta a confusão: deveria haver igualdade social e distribuição de renda, mas imigrantes, judeus, opositores políticos e até filhos "não talentosos" de alemães seriam excluídos dela por serem "menos puros"; o Estado prometia interferir mais na economia para benefício dos cidadãos, mas empresas privadas tiveram os maiores lucros com a máquina de extermínio e de guerra nazista; o movimento dizia defender os trabalhadores, mas sindicatos trabalhistas foram extintos, assim como o direito de greve; o socialismo marxista era considerado ruim, mas o liberalismo também.

Como seria possível defender todas estas ideias ao mesmo tempo?
Quando o partido foi constituído, ele tinha uma vertente mais à esquerda e uma mais à direita. No início, tinha um discurso bastante antiburguês. Mas ao assumir o poder na Alemanha, o grupo à direita foi fazendo mais alianças com a burguesia e expulsando o grupo à esquerda", diz a historiadora da UFF.
Além disso, o nazismo nasce no meio de uma crise de referências muito grande após a Primeira Guerra. Muitos passaram de um lado para outro. Os valores muitas vezes vão se embaralhar, e esses conceitos de direita e esquerda atuais não resolvem bem o problema."
Entre historiadores, a tentativa de traçar paralelos entre o nazismo e o fascismo europeus e o regime stalinista na União Soviética também não é nova, segundo Rollemberg.
Todos eles eram regimes totalitários, mas o totalitarismo pode estar de qualquer lado. Hoje entendemos que há o totalitarismo mais à direita, como o nazismo e o fascismo, e o de esquerda, como o da União Soviética."
Fonte:  BBC Brasil, por Camilla Costa, 07/05/2017

segunda-feira, 8 de maio de 2017

As sufragistas: de como as mulheres tiveram que verter sangue, suor e lágrimas pelo simples direito de votar

Cena do filme 'As Sufragistas', que aborda a luta das mulheres
por igualdade de direitos no Reino Unido. Divulgação

Nenhuma conquista social foi obtida de mão beijada. Mulheres, negros, homossexuais e tantos outros segmentos marginalizados tiveram que verter muito sangue, suor e lágrimas para conseguir os direitos mais básicos (vale assistir também o filme Selma sobre a luta dos negros americanos para poder votar). Importante ressaltar isso atualmente. Hoje, vemos, com tristeza, mulheres, negros e gays reproduzindo o discurso cínico dos conservadores, muito interessados em jogar fora o bebê junto com a água suja da bacia, de que os movimentos sociais não são mais necessários porque instrumentalizados por partidos de extrema-esquerda e outras falácias do gênero. A instrumentalização dos movimentos sociais realmente precisa acabar, mas não os movimentos sociais porque ainda falta muito o que fazer.

'As Sufragistas': metade da humanidade (no mínimo)

'As Sufragistas' é um filme que cospe na nossa cara a vergonha com verdade, raiva e paixão

por Javier Ocaña


Que duas democracias supostamente gloriosas do mundo ocidental mais avançado como o Reino Unido e a França não deram o direito de voto às mulheres, nem que fossem eleitas, até 1928 e 1944, respectivamente, deveria nos enraivecer a tal ponto que o melhor resultado seria, sem dúvida, um verdadeiro exame de consciência. E não sobre o passado, mas sobre o presente. Metade da humanidade, pelo menos, ficava à margem das decisões, e As Sufragistas, filme britânico composto principalmente por mulheres, cospe na nossa cara essa vergonha. Com raiva, com delicadeza, com elegância, com justiça, com verdade, com paixão. Porque ainda resta muito a ser feito.

Sarah Gavron é a diretora, Abi Morgan, renomada dramaturga, a roteirista, enquanto um grupo de sensacionais intérpretes, liderada pela sempre perfeita Carey Mulligan, coloca rosto naquelas mulheres com coragem suficiente para enfrentar o pior vilão, e não de quadrinhos: o homem que se acredita superior.

Gavron e Morgan relatam o processo de conversão ideológica e política de uma mulher comum. Comum? Aparentemente comum, porque essas trabalhadoras do ativismo arriscaram tudo até as últimas consequências. Até o martírio, a morte, até perder seus filhos. A imprescindível mão de obra de uma revolução que tinha seus rostos brilhantes, e necessários, em mulheres que passaram para a história por seus discursos, e que claro que se arriscaram, mas precisavam das imprescindíveis ações das que estavam na base. 

Com excelente produção, música de Alexandre Desplat, fotografia de Eduard Grau de Barcelona, já instalado confortavelmente no cinema internacional, As Sufragistas é mais do que um filme: é a configuração de uma vitória esmagadora. A encenação sem fissuras, mas sem alardes, de Gavron, entre os tons amarelados, de névoa física e tempestade moral da fotografia de Grau, que pode parecer um pouco fria em alguns momentos, mas nunca chega a rachar pela emoção do tema e das situações. Quem não ficar gelado com as imagens documentais no final, é porque tem problemas.

AS SUFRAGISTAS
Direção: Sarah Gavron.
Elenco: Carey Mulligan, Ben Whishaw, Anne-Marie Duff, Meryl Streep, Helena Bonham Carter.
Gênero: drama. Reino Unido, 2015.
Duração: 106 minutos

Abaixo o filme em baixa definição. Para assistir numa imagem melhorada clique aqui, depois em auto para subir a definição para 360. Dá pra ver legalzinho.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Bertha Lutz lutou 10 anos para instituir o voto feminino no Brasil

Bertha Lutz
Bertha Lutz seguiu carreira na política (foto US Library of Congress)

A bióloga e feminista Bertha Maria Júlia Lutz foi a responsável pela conquista da instituição do voto feminino no Brasil.

Nascida em 1894, em São Paulo, em uma família abastada, Bertha estudou Biologia na prestigiada Universidade Sorbonne, na França. Na Europa, conheceu o movimento sufragista das mulheres inglesas.

Em 1918, retornou ao Brasil e se tornou a segunda mulher a ingressar em concurso público no país, assumindo o cargo de bióloga no Museu Nacional. No ano seguinte, fundou, junto de outras mulheres, a Liga para a Emancipação Intelectual da Mulher, iniciando as campanhas pelo direito ao voto feminino.

Bertha lutou mais de dez anos até que, em 1932, por decreto-lei do presidente Getúlio Vargas, as mulheres conquistaram o direito ao voto no Brasil. Ainda na década de 1930, organizou o primeiro congresso feminista e fundou a União Universitária Feminina, a Liga Eleitoral Independente, a União Profissional Feminina e a União das Funcionárias Públicas.

Em 1933, elegeu-se primeira suplente do deputado federal Cândido Pereira. Após a morte do deputado, assumiu a cadeira de deputada federal em 1936. Porém, a carreira política de Bertha se encerrou em 1937, quando Getúlio Vargas decretou o Estado Novo.

A passagem de Bertha pela Câmara Federal foi marcada pela luta por mudança na legislação referente ao trabalho da mulher e do menor, igualdade salarial, redução da jornada de trabalho - então de 13 horas diárias - e pela proposta de licença maternidade de três meses.

Com informações de As (outras) mulheres brasileiras sobre quem deveríamos aprender na escola, BBC Brasil, por Laís Modelli, 01/04/2017

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Mulheres com a mão na (arga)massa ensinam como reformar e pintar sua casa


Quem são as youtubers que empoderam mulheres na construção civil.
As minas que usam o YouTube para ensinar a assentar azulejo e rebocar parede 

A primeira vez que Paloma Cipriano trabalhou com argamassa na vida foi aos 16 anos de idade. A menina de Sete Lagoas, em Minas Gerais, estava cansada. Não aguentava mais ver sua casa em obras. O local estava em construção desde que havia nascido e sua mãe não conseguia dar sequência aos reparos. Foi aí que Paloma decidiu ajudar. Mais que acostumada a viver sem uma figura masculina — nunca viu a cara do pai —, a jovem não esperou pedreiro algum para meter a mão na argamassa.

Inscreveu-se em um curso de alvenaria, pesquisou o que precisava na internet, instalou o piso do seu quarto e não parou mais. Sete anos depois, Paloma segue reformando a casa. Só que agora filma e compartilha o que sabe com outras pessoas. A jovem de 23 anos é uma força na web, principalmente para as minas. Mostra que elas não precisam depender de pedreiro nenhum.

Paloma não é a única. Além do seu canal no YouTube, não faltam iniciativas empoderadoras. São diversos os canais, coletivos e produtoras de conteúdo que seguem a ascendente linha do faça você mesmo, também conhecido por do it yourself e bricolagem. Mesmo assim, a mineira segue uma temática nem tão explorada por outras garotas. Ela se especializou em construção civil, e a resposta tem sido ótima. São 100 mil inscritos em seu canal.
Vejo o pessoal falar que é diferente uma menina assentando cimento. Para mim, é normal. Sempre fiz na minha casa", conta.

Quem acessa os seus vídeos encontra de tudo: "como aplicar massa corrida", "como assentar azulejo", "como rejuntar piso" e muito mais. Seu vídeo mais assistido, "como rebocar parede", tem mais de 2 milhões e 300 mil visualizações.
Esse vídeo ainda faz muito sucesso. Depois de um tempo comecei a receber mensagens de mulheres que estavam reproduzindo em suas casas. Me inspirou a continuar gravando", diz.
A resposta positiva fica ainda mais clara nos comentários dos vídeos no YouTube. Apesar dos dizeres machistas e misóginos, não faltam mulheres expressando o apreço pelo trabalho que realiza.
Talvez não tenha noção de quanto isso muda a vidas das pessoas. Mas fico feliz e surpresa pelos comentários que recebo."
Sobre o seu feminismo, no entanto, Paloma afirma estar digerindo a informação que recebe. Sente-se orgulhosa por ajudar "mulheres que antes esperavam o marido para fazer uma coisa e agora não esperam mais".
Isso não vai fazer com o que o mundo mude, mas pode ajudar um pouquinho. Só de algumas mulheres sentirem vontade de tomar à frente o que antes era quase que completamente feito por homens eu já me sinto feliz", conta.
 Animada com a resposta, hoje foca toda a sua atenção no canal. Largou o estágio para produzir mais vídeos e já conta com alguns patrocinadores. "Agora quero terminar a reforma em casa", diz.

Faça você mesma

Na mesma pegada de Paloma também está bombando o canal Diycore, criado por Karla Amadori, catarinense de Lebon Régis. Mais fiel ao estilo faça você mesmo, Karla ensina seus mais de 500 mil assinantes a fazer uma porrada de coisa. Desde pintura básica e baús estofados até racks e painéis de madeira.

Formada em design de interiores, a jovem teve a ideia do canal em 2015, quando quis reformar seu quarto. A ideia era fazer um rack com caixotes de feira, mas não sabia nem como começar. Foi ao YouTube em busca de ajuda para o manuseio de ferramentas e não achou nada muito específico sobre os tais caixotes. Quando foi montar a peça decidiu gravar e publicar no site. O vídeo bombou — hoje conta com mais de 1 milhão de visualizações — e o sucesso a fez lançar o canal.

Com a resposta positiva do primeiro vídeo, ela começou a gravar outros trampos, tipo construir o armário do seu quarto e os móveis que queria colocar lá. Logo de cara, várias mulheres começaram a se manifestar sobre o conteúdo do canal: as minas adoraram e começaram a sugerir outros temas.


Karla também diz que não iniciou o seu projeto com o pleno objetivo de ajudar outras mulheres a se sentirem mais seguras para adentrar na área de marcenaria e decoração. Foi natural.
Quando viram uma mulher mexendo com ferramentas, fazendo o que na grande maiorias das vezes é feito por homens, elas se inspiraram. Fui alimentando essa coragem e hoje muitas falam que que querem encarar esses desafios", conta.

Nos seus comentários também não faltam mulheres de diferentes idades agradecendo as dicas. O Diycore, curiosamente, também é um puta sucesso entre os homens. Segundo Karla, eles já começam a crescer e muito nos comentários dos vídeos.
Mulher predomina um pouco mais, mas agora está bem masculino. Não sei se eles são mais quietos e só comentam depois de assistirem vários vídeos, mas sei que é um público que cresce."
Independentemente de quem é maioria, Karla está feliz em incentivar pessoas a colocarem a mão na massa.
Elas se sentem capazes de fazer e produzir e isso é muito legal da corrente faça você mesma", diz.
Ela também recebe contato de gente do Brasil inteiro para mostrar a sua influência na vida delas.
Recebo mensagem de mulher que não tinha coragem de mexer em nada e agora se sente mega feliz ao instalar um chuveiro ou pintar uma parede. Isso é muito bom. Estão se inspirando no meu trabalho."
Por que uma mina não sonha em ser marceneira quando criança?

Por causa de mulheres como Paloma e Karla, o YouTube está chamando a atenção de iniciativas como a Lumberjills, uma marcenaria fundada e tocada por duas minas feministas que lutam para mostrar que não há profissão que elas não possam dominar. O curioso é que a empresa não nasceu com o intuito de ser feminista. Tornou-se depois de tanto machismo e assédio que as fundadoras sofreram dentro do setor.

Criado pelas paulistanas Leticia Piagentini e Fernanda Sanino, o negócio se especializou em marcenaria customizada. O cliente pede e as minas fazem. As duas largaram tudo para abrir o negócio. Elas nunca tinham trampado com marcenaria antes na vida. Tinham na conta um curso básico e a vontade de abrir um negócio juntas. Encararam o machismo em suas tradicionais famílias italianas, que não viram sentido em duas mulheres bem-sucedidas largarem tudo para construir móveis, e meteram a cara a pau.
A gente não começou na militância, mas em pouco tempo deu pra perceber o quanto ela seria importante. Começamos a sofrer muito preconceito entre família e amigos e vimos que a empresa tinha que abraçar essa bandeira", diz Fernanda.
Além do núcleo familiar, ela fala que o foda é ainda ter que lidar com o machismo do setor, mesmo depois de três anos de empresa.
Quero um dia falar que sou marceneira e não causar espanto em ninguém", conta.
Menos pior seria se fosse só o espanto. Fernanda conta que já passou por situações de assédio assustadoras. Uma vez, quando foi realizar o trabalho em um imóvel, se viu sozinha junto com outros 20 homens trabalhando na reforma da casa. Em pouco tempo, pelo menos 15 deles pararam seus trabalhos para assistir a marceneira realizar o seu.
Em um quarto fechado, com esse bando de cara encarando. Eu tava fazendo uma cabeceira e os caras começaram a falar de usar a cama. Foi horrível. Eu estava completamente rendida. Não aguentei, saí para almoçar e pedi para retornar um dia que não tivesse mais ninguém trabalhando na casa", diz a jovem.

Mesmo assim, Fernanda está muito feliz com o sucesso do negócio. E mais contente ainda com o impacto entre as mulheres. "O mundo está mudando. Devagar, mas está. Estamos lutando contra o machismo. E o nosso trabalho vai mostrar que as mulheres podem ser marceneiras se elas quiserem." E é exatamente por isso que elas já começam a dar seus passos no YouTube. O canal da Lumberjills já conta com alguns vídeos próprios. 

A dupla diz que falta tempo para fazer mais vídeos. Passam o dia inteiro na oficina trabalhando nos pedidos dos seus clientes. Mesmo assim, acreditam no empoderamento que passam quando compartilham conhecimentos específicos como os que têm.
A gente quer muito produzir mais desse conteúdo. Já compramos a câmera e temos uma parceira para editar os vídeos. Queremos fazer a mulherada colocar a mão na massa", diz. Além disso, a empresa também realiza aulas para mulheres que querem aprender sobre o setor. "Estamos fazendo de tudo para as minas quebrarem essa barreira e entrarem no mercado. Afinal, por que uma menina não sonha em ser marceneira quando é criança? Está na hora disso mudar."
Fonte: Motherboard, por Rennan A. Julio, 31/03/2017 

terça-feira, 18 de abril de 2017

"Ensinem as meninas a serem corajosas, não perfeitas, e a aprender programação



"Ensinem as meninas a serem corajosas, não perfeitas", por Reshma Saujani 

 A advogada americana Reshma Saujani aponta como meninos são ensinados a ser corajosos, enquanto meninas são ensinadas a buscarem a perfeição. Fundadora do Girls Who Code (Garotas que programam), Saujani assumiu a tarefa de socializar jovens a assumir riscos e aprender a programar, duas habilidades que elas necessitam para fazer a sociedade avançar. Para inovar realmente, não podemos deixar metade da população para trás, ela afirma. 
Preciso que cada um de vocês diga para as jovens que se pode conviver com a imperfeição.
O vídeo está legendado, ao que tudo indica, em português de Portugal, daí umas palavras um pouco estranhas para nós, mas bem acessível. A chave para o fim da desigualdade entre os sexos está na educação. Boa audiência!

segunda-feira, 17 de abril de 2017

ONU classifica 'Escola sem Partido' como 'censura'

Resultado de imagem para escola sem partido macartista
Relatores da ONU classificam 'Escola sem Partido' como 'censura'

Em protesto enviado ao governo, peritos das Nações Unidas alertam para as violações que os projetos podem representar e os impactos negativos na educação; coordenador do movimento diz que críticas são 'absurdas'
GENEBRA – Em documento enviado nesta quinta-feira, 13, ao governo brasileiro, relatores da Organização das Nações Unidas (ONU) denunciam as iniciativas legislativas no País com base no Programa “Escola sem Partido” e alertam que, se aprovadas, as leis podem representar uma violação ao direito de expressão nas salas de aulas e uma “censura significativa”. A manifestação foi enviada ao governo de Michel Temer pelos relatores da ONU para Liberdade de Expressão, David Kaye, pela relatora para a Educação, Boly Barry, e pelo relator de liberdade religiosa, Ahmed Shaheed.

O centro do alerta são dois projetos de lei que estão no Congresso e que, se forem aprovados, os relatores da ONU consideram que representarão uma “restrição indevida ao direito de liberdade de expressão de alunos e professores no Brasil”, com um impacto no ensino no País em diversos temas.

A ONU já acompanhava o assunto há meses. Mas decidiu agir depois que o vereador de São Paulo Fernando Holiday (DEM) passou a visitar escolas para "inspecioná-las", temendo que a iniciativa ganhasse força e impulsionasse os projetos de lei. ONGs brasileiras alertaram para o caso e os relatores decidiram enviar a carta ao governo, pedindo medidas e esclarecimentos. Na prática, o poder da ONU se limita ao de constranger um país. Se não ficar satisfeita com a resposta, a relatoria da ONU pode levar o caso ao Conselho de Direitos Humanos para criticar o País em público.

Para os relatores, se aplicadas, as leis serão ainda consideradas como uma “censura significativa”. Na avaliação deles, os projetos vão “restringir o direito do aluno de receber informação” e abrem brechas “arbitrárias” para que autoridades e os pais interfiram nas escolas. Os relatores pedem que os projetos sejam revistos para que atendam aos padrões internacionais de direitos humanos.

Os representantes da ONU ainda deram um prazo de 60 dias para que o governo responda se existe algum tipo de evidência empírica que sugira a necessidade da aplicação da lei da “Escola sem Partido” no Brasil. O grupo também deixa claro que, se aplicado, o programa representará uma "violação" dos compromissos assumidos pelo País em educação e liberdades.

O princípio do projeto é o de incluir os fundamentos do “Escola sem Partido” nas diretrizes e bases da educação nacional. O intuito é que as leis sejam estabelecidas para impedir que professores promovam suas crenças políticas ou religiosas em sala de aula e mesmo que incitem estudantes a participarem de protestos.

Orientação sexual. Outro fato que chamou a atenção da ONU foi a retirada, no dia 6 de abril, do termo “orientação sexual” dos textos dos currículos escolares que foram entregues ao Conselho Nacional de Educação.

Para os relatores ONU, os projetos de lei “geram preocupações com relação à interferência no direito à liberdade de expressão de professores e educadores”. Na avaliação dos relatores, o projeto não traz definições sobre o que seria “neutralidade religiosa e política” e apenas apresenta conceitos, sem qualquer tipo de esclarecimento.

De acordo com os peritos, os textos, portanto, podem impedir qualquer tipo de discussão sobre gênero e diversidade sexual, o que é “fundamental para prevenir estereótipos de gênero e atitudes homofobias por estudantes”.

No campo religioso, alguns dos projetos abrem a possibilidade para que os pais possam determinar como outras religiões que não as suas sejam ensinadas. Cerca de nove estados brasileiros tinham projetos sendo debatidos em suas câmaras legislativas, além dos dois textos também no Congresso em Brasília.

Outro alvo de críticas é a falta de definição sobre o que seria “doutrinação ideológica”, que deixa margem para interpretação e permite que “virtualmente qualquer prática educacional de um professor possa ser classificada como doutrinação e fará a escola uma continuação do ambiente doméstico, e não uma instituição de educação”.

O documento ressalta que, sem definição, a lei permite que “virtualmente qualquer prática pode ser condenada” e pode “prevenir o desenvolvimento de um pensamento crítico entre estudantes e a habilidade de refletir, concordar ou discordar com o que é exposto em aulas”.

Procurado pelo Estado, o coordenador do movimento Escola sem Partido, o procurador Miguel Nagib diz que as críticas são "absurdas". "Convidamos a ONU para expor seus pontos de vista na comissão especial do Escola sem Partido, mas não foram e não mandaram ninguém no lugar. E agora, aparecem esses relatores, que dão opiniões absolutamente desinformadas sobre o projeto?", disse.


Nagib destacou que "não faz sentido" dizer que o projeto vai contra os direitos humanos, já que parte do texto foi inspirada na Convenção Interamericana de Direitos Humanos que diz, em um dos artigos, que "os pais, e quando for o caso os tutores, têm direito a que seus filhos recebam a educação religiosa e moral que esteja em acordo com suas próprias convicções". "O projeto repete isto com praticamente as mesmas palavras. Como podem dizer que ele (o projeto) viola direitos humanos? Acho muito estranho uma coisa dessas". Ele disse ainda que o documento da ONU "desinforma" a opinião pública ao dizer que o projeto censura o professor. "O texto ainda está sendo debatido na comissão especial e sendo aprimorado. Na versão atual do nosso anteprojeto, a expressão doutrinação nem aparece mais, porque chegamos à conclusão de que era uma expressão ampla demais, para o bem da clareza e segurança jurídica. Tudo está sendo debatido ainda. Não é correto atacarem o parlamento dessa maneira sendo que tiveram a oportunidade de participar do debate".

No campo religioso, alguns dos projetos abrem a possibilidade para que os pais possam determinar como outras religiões que não as suas sejam ensinadas. Cerca de nove estados brasileiros tinham projetos sendo debatidos em suas câmaras legislativas, além dos dois textos também no Congresso em Brasília.

Os relatores também criticam os artigos que tratam de “propaganda política-partidária” e a responsabilidade dos professores. Segundo eles, sem uma definição, o texto poderia levar a uma “restrição aos direitos de liberdade de expressão dos professores”. “Um professor poderia estar violando a lei apenas por conta de consideração subjetiva de pais e autoridades sobre a prática de propaganda política”. Isso pode impedir, segundo a ONU, o debate de temas como diversidade e direito de minorias.

Os peritos denunciam ainda o fato de que o projeto de lei prevê punições, uma vez mais apontando para os riscos para liberdade de expressão. Ao não trazer definições sobre seus conceitos, os projetos de lei podem criar uma “arbitrariedade” em sua aplicação.

“Educadores podem ser punidos por ensinar assuntos que sejam controversos, incluindo política, ciência, história, religões e educação sexual”, alertou a carta dos relatores ao governo.

Os relatores defendem que crianças sejam de fato protegidas de uma indoutrinação. Mas as opções políticas sugeridas pelo projeto limitariam a informação a qual as crianças nas escolas estão expostas e, de fato, podem “restringir direito a liberdade de expressão”.

Na avaliação dos relatores, a aprovação da lei pode impedir que estudantes brasileiros tenham uma educação ampla e apontam que, numa sociedade livre, a educação precisa apresentar “diversos fatos e perspectivas”. Para eles, se aprovadas, portanto, as leis “violariam” as regras internacionais e “limitariam informação e ideias que educadores podem trazer aos estudantes sobre culturas, governos, políticas, religião, normas sociais, evolução e educação sexual”.

Reações. A carta da ONU ao governo foi comemorada por entidades que faziam oposição aos projetos de lei. "O Escola Sem Partido, ao limitar a liberdade de cátedra e ao tentar submeter a educação escolar à moral dos pais, ofende o princípio da liberdade de expressão, alimenta preconceitos e torna as aulas medíocres, pois os professores não se sentem tranquilos para ensinar sob verdadeiros tribunais pedagógicos”, disse Daniel Cara, coordenador geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação.

“Um tribunal pedagógico tentou ser estabelecido pelo vereador Fernando Holiday em São Paulo e o mesmo fez o MEC recuar ao tirar da Base Curricular as questões de gênero e orientação sexual. E corremos o risco desses tribunais pedagógicos dominarem a educação brasileira. Por isso, é essencial e oportuna a manifestação da ONU", disse.

Fernanda Lapa, coordenadora executiva do Instituto de Desenvolvimento e Direitos Humanos (IDDH), ao discursar na ONU na semana passada apontou para o fato de que “problemas éticos e jurídicos do Programa Escola sem Partido já foram inclusive reconhecidos pelo Ministério da Educação dizendo que viola diversos artigos da Lei de Diretrizes e Bases da Educação, assim como pelo próprio Supremo Tribunal Federal do Brasil que afirmou a inconstitucionalidade da lei (inspirada no Escola sem Partido) aprovada em Alagoas”.

“O ministro Barroso afirmou que o direito humano à educação visa ao pleno desenvolvimento da personalidade humana e à capacitação para a vida e cidadania, o que também está previsto em tratados internacionais que o Brasil é parte. Com isso fica evidente que esses projetos violam as nossas leis tanto no âmbito interno como no internacional”, disse Fernanda.

Maria Rehder, coordenadora de projetos da Campanha Nacional pelo Direito à Educação e vice-presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores e Profissionais em Educomunicação (ABPEducom), também destaca a importância do posicionamento dos relatores da ONU.

“Desde a emergência do projeto Escola sem Partido temos realizado as denúncias junto à ONU e OEA, mas os fatos anunciados na última sexta-feira no Brasil geraram grande repercussão em Genebra nas reuniões que realizei para a atualização de dados nesta semana junto às relatorias especiais da ONU e também diplomatas”, disse.

“O mais grave e impactante foi o anúncio da retirada pelo MEC das questões de gênero e orientação na base curricular, o que foi na contramão das recomendações feitas ao Brasil pela ONU por meio do Comitê sobre os Direitos da Criança - órgão máximo de monitoramento do direito da infância no mundo - que explicitamente recomenda ao Brasil decretar legislação para proibir a discriminação e a incitação de violência com base na orientação sexual e na identidade de gênero e dar sequência ao projeto “Escolas sem Homofobia”, justamente o oposto do Escola sem Partido”, afirmou.

Contatado pelo Estado, o MEC informou que tanto o ministro Mendonça Filho como a secretária executiva Maria Helena Guimarães já se manifestaram publicamente contrários o Escola Sem Partido. Sobre a retirada do termo orientação sexual, o MEC “lamenta que a ONU tenha confundido o documento da BNCC com textos dos currículos escolares”.

Ao Estado, o vereador Holiday rebateu as críticas, por meio de sua assessoria de imprensa. "'Tribunal pedagógico' é uma definição tola, mas muitos preferem falar antes de ouvir ou conhecer. Se o proposto não for o ideal, procuraremos aperfeiçoar o projeto, mesmo sabendo que a ONU não costuma valorizar a liberdade e a autoridade da família, ao contrário de mim".

Sobre suas ações em escolas paulistanas terem motivado o envio da carta, o vereador afirmou ainda que isso mostra que seu mandato "é influente e trabalha" e diz esperar, com isso, "chamar atenção da ONU para casos importantes, como o abuso de crianças e adolescentes".

Maioria de projetos baseados no ‘Escola sem Partido’ é de autoria de políticos ligados a igrejas

Escola Sem Partido: Macartismo renasce no Brasil

A doutrinação mais perigosa é a conservadora pois tenta se passar por algo natural

Fonte: O Estado de S.Paulo, por Jamil Chade e Luiz Fernando Toledo, 13/04/2017

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites