"Neurosexismo":

contra o progresso da igualdade de gênero - e da própria ciência

O sequestro do termo "gênero":

uma perspectiva feminista do transgenerismo

Mulheres na Ciência

Estudantes criam bactéria que come o plástico dos oceanos

Mulheres na Ciência:

Duas barreiras que afastam as mulheres da ciência

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

No Brasil, há 13 feminicídios por dia



Combate à cultura da violência
No Brasil, há 13 feminicídios por dia — um crime de acentuada gravidade, a revelar a violência contra a mulher, que carrega um componente essencialmente cultural
Morta com golpes de martelo, tendo seu corpo carbonizado, Mayara Amaral, de 27 anos, teve sua vida brutalmente interrompida em 26 de julho. Era uma promissora e jovem violonista, pesquisadora e professora de música, em Campo Grande. Foi assassinada por ser mulher, com requintes de crueldade, vítima da violência por ser mulher, caracterizada como feminicídio.

No Brasil, dados registram 13 feminicídios por dia — um crime de acentuada gravidade, a revelar a violência de gênero, que carrega um componente essencialmente cultural, baseado em relações assimétricas de poder entre homens e mulheres. Para a ONU, a violência de gênero é uma forma de discriminação que afeta seriamente o pleno exercício de direitos e liberdades das mulheres.

Para a Corte Interamericana, o feminicídio constitui homicídio de mulher em razão de seu sexo, com um alto grau de violência (incluída a violência sexual), em um contexto de discriminação e impunidade. O feminicídio viola os direitos das mulheres à integridade física, psíquica e moral, à dignidade e à própria vida.

Em casos de violência contra as mulheres, destaca-se, ainda, a chamada “discriminação interseccional” (ou discriminação múltipla), quando à condição de mulher somam-se vulnerabilidades radicadas nas perspectivas étnico-racial, geracional, dentre outras — como é o caso da violência agravada que alcança as lésbicas, as afrodescendentes, as indígenas, as meninas, as idosas e as com deficiência.

No caso González e outras (caso “Campo Algodonero”, 2009), a Corte Interamericana condenou o México, em virtude do desaparecimento e morte de mulheres em Ciudad Juarez, sob o argumento de que a omissão estatal estava a contribuir para a cultura da violência e da discriminação.

No período de 1993 a 2003, estima-se que de 260 a 370 mulheres tenham sido vítimas de assassinatos, em Ciudad Juarez. A sentença demandou do México o dever de investigar as graves violações ocorridas, garantindo direitos e adotando medidas preventivas.

Este caso contribuiu para a adoção da lei que tipifica o feminicídio no Brasil (Lei nº 13.104/2015, que o prevê como circunstância qualificadora do crime de homicídio), bem como para a adoção do Protocolo Latino-Americano para Investigação de Mortes Violentas de Mulheres por Razões de Gênero.

Outro caso emblemático refere-se ao caso Maria da Penha, decidido pela Comissão Interamericana. Em 2001, a comissão recomendou ao Estado, dentre outras medidas, “prosseguir e intensificar o processo de reforma, a fim de romper com a tolerância estatal e o tratamento discriminatório com respeito à violência doméstica contra as mulheres no Brasil”. Adicionou que se tratava de uma tolerância sistemática, que perpetuava “as raízes e fatores psicológicos, sociais e históricos que mantêm e alimentam a violência contra a mulher”.

Em 7 de agosto de 2006, foi adotada a Lei 11.340 (a denominada Lei “Maria da Penha”), que cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar, estabelecendo medidas para a prevenção, assistência e proteção às mulheres em situação de violência.

A violência contra a mulher alimenta-se da “cultura da violência contra a mulher”. Por consequência, o efetivo combate à violência contra a mulher requer o combate à “cultura da violência contra a mulher”, fomentada pela injustiça cultural dos preconceitos, estereótipos e padrões discriminatórios, que constrói a identidade de homens e mulheres, atribuindo-lhes diferentes papéis na vida social, política, econômica, cultural e familiar.

Em face da crescente intolerância e fortalecimento do discurso do ódio, em que avançam doutrinas de superioridade baseadas em diferenças (sejam de sexo, origem, nacionalidade, raça, etnia, diversidade sexual, idade, dentre outras), a diferença passa a ser tomada como fator a aniquilar direitos. Daí a importância da educação em direitos humanos, inspirada nos princípios da igualdade, da dignidade, da inclusão e da não discriminação, conforme a Declaração da ONU sobre Educação em Direitos Humanos de 2011.

Para a Unesco, o processo educacional deve ser orientado por valores, atitudes e habilidades voltadas ao pleno desenvolvimento da personalidade humana, com vistas à criação de uma cultura de respeito aos direitos humanos; ao senso de dignidade; à promoção do diálogo, tolerância e igualdade de gênero.

Para a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, a educação é essencial para a promoção dos direitos humanos, da igualdade de gênero, da cultura da paz e da não violência e da valorização da diversidade.

Afinal, o combate à cultura da negação e violação a direitos requer o fortalecimento da cultura da afirmação e promoção de direitos, sobretudo do mais essencial direito ao respeito e à dignidade.

Fonte:  O Globo, por Flávia Piovesan e Silvia Pimentel, 17/08/2017 

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Funcionário do Google demitido por "perpetuar estereótipos de gênero"

James Damore demitido por justíssima causa
Funcionário do Google vomita estereótipos sexuais na tentativa de garantir clube do bolinha no Google e acaba demitido. Bem feito! 😄

Google demite funcionário que escreveu memorando contra diversidade de gênero

Engenheiro de software sênior James Damore confirmou à Bloomberg que foi demitido por 'perpetuar estereótipos de gênero'.A empresa dona do Google, Alphabet, demitiu o funcionário que escreveu um memorando interno de dez páginas na qual criticava as políticas de diversidade da companhia. O engenheiro de software sênior James Damore confirmou nesta segunda-feira (7) à agência de notícias da Bloomberg que foi demitido por "perpetuar estereótipos de gênero".

Na carta de 3 mil palavras, o funcionário, um engenheiro, afirma que "as opções e as capacidades de homens e mulheres divergem, em grande parte devido a causas biológicas, e estas diferenças podem explicar por quê não existe uma representação igual de mulheres (em posições) de liderança".

As aptidões naturais levam os homens a ser programadores de informática, enquanto as mulheres são mais inclinadas "aos sentimentos e à estética que às ideias", o que as leva a escolher carreiras nas áreas "social e artística".

"Não é um ponto de vista que a empresa e eu mesmo respaldemos, promovamos ou incentivamos", respondeu em um e-mail aos funcionários Danielle Brown, diretora da área de diversidade, que trabalhava na Intel e foi contratada pelo Google há apenas um mês.

De acordo com sua mensagem, o debate interno na empresa está estimulado pelos "princípios de igualdade no emprego, que podem ser observados em nosso código de conduta, nossas políticas e nossas normas antidiscriminatórias".

Mas ela destaca que o Google sempre defendeu "uma cultura na qual aqueles que têm pontos de vista diferentes, inclusive políticos, sintam-se seguros de poder expressá-los".

Fonte: G1, 08/08/2017

terça-feira, 8 de agosto de 2017

70% das adolescentes da Inglaterra se declaram feministas

7 em cada 10 adolescentes da Inglaterra se declaram feministas
Quase 70% das adolescentes da Inglaterra se declaram feministas
46% das inglesas, em geral, defendem a igualdade entre mulheres e homens no país.

O feminismo tem cada vez mais se aproximado de mulheres jovens na Inglaterra. Sete em cada dez inglesas entre 13 e 18 anos se declaram feministas, de acordo com nova pesquisa do instituto inglês UM.

O levantamento foi realizado para entender como está a representação das mulheres na publicidade do Reino Unido. A descoberta? Os estereótipos veiculados pelas mídias não tem nada a ver com a imagem que as mulheres tem sobre si mesmas.

As mulheres responderam que as mídias mais sexistas são os jornais (71%), os programas de televisão (58%), os shows de comédia (41%) e as revistas femininas (38%).

Três quartos (77%) das mulheres alegaram que a publicidade retrata as mulheres de forma pejorativa e 65% dos homens concordaram.

Quando questionadas sobre quais os estereótipos elas achavam que eram mais comuns, elas citaram as imagens da mulher como "dona de casa perfeita", "louca por compras", "infantilizada" e "neurótica".

Para 68% das inglesas, o pior deles é o de que a mulher "bonita" não é e não precisa ser "inteligente".

A pesquisa foi realizado entre 2.000 britânicos com mais de 13 anos e é uma resposta ao recente anúncio de que a Autoridade de Padrões de Publicidade (ASA) do país quer proibir os anúncios que reforçam os estereótipos de gênero.

O estudo, ainda, compartilhou dados sobre como as propagandas influenciam a vida dessas mulheres.

Metade das entrevistadas afirmaram se sentir pressionadas a seguir determinados padrões e agir de certa maneira para "se encaixar" no que a publicidade vende. Enquanto isso, 44% delas observaram que os anúncios faziam com que elas nunca se sentissem boas o suficiente.

Talvez seja por isso que o feminismo tem sido um movimento bastante defendido por essas mulheres.

O estudo mostra que 46% delas se autodefinem como feministas. Essa taxa aumenta drasticamente entre os grupos mais jovens. Sete em cada dez meninas de 13 a 18 anos defendem o feminismo.

Quando foram perguntadas sobre o significado do movimento, a resposta que prevaleceu era de que homens e mulheres precisam ter as mesmas oportunidades e os mesmos tratamentos.

Emma Watson, Beyoncé e Angelina Jolie foram eleitas as mulheres mais inspiradoras entre as feministas mais jovens. Enquanto para as mulheres de 35 anos ou mais, as figuras mais populares foram Emmeline Pankhurst, Germaine Greer e Michelle Obama.

Fonte: HuffPost Brasil, Ana Beatriz Rosa, 05/08/2017

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites