sexta-feira, 13 de abril de 2012

Azar é não ter o amor de um gato preto

Cléo Pires e um lindo gato preto
Meu primeiro gato, melhor gata, foi preto. Eu a encontrei na calçada de uma galeria de artes que havia na esquina da rua Bela Cintra com a Av. Paulista. Era um bebê que fora largada ali ou tinha escapado de algum dos prédios. A primeira hipótese é a mais provável. 

Eu estava passando de carro quando a avistei. Não resisti a socorrê-la, embora não entendesse nada de gatos. Parei o carro onde pude e fui resgatar a gata. Eu a peguei sem jeito, inepta que era com felinos e, assustada, ela me arranhou, mas consegui colocá-la no carro e levá-la para meu apartamento. Escondeu-se sob um dos assentos do carro e deu um trabalhão para tirá-la de lá. Minha ideia era entregá-la para uma amiga que a levaria para casa da mãe que morava numa casa e tinha outros gatos.

Mas a amiga acabou me convencendo a ficar com a gata. Disse que gatos eram muito limpinhos. Bastava pôr uma caixinha com areia que lá eles iam fazer suas necessidades e depois cobri-las com todo o asseio. E que gatos dormiam a maior parte do tempo e consumiam pouco. Enfim, não davam trabalho nem grandes custos.

Assim fiquei com a pretinha, achando que ela seria apenas mais um enfeite das almofadas. Dei a ela o nome de Catarina. Para minha surpresa, contudo, Catarina se revelou bem mais do que um enfeite de almofadas e me introduziu no mundo maravilhoso desses pequenos felinos. Sobretudo, derrubou um dos mitos mais tolos a respeito dos gatos: o de que eles não são apegados aos donos e sim à casa. Pode ser que eles gostem das casas também, mas o que apreciam mesmo é o dono ou dona, ou melhor, os amigos humanos com que convivem.  Querem ficar no nosso colo, na nossa cama, e até nos acompanhar ao banheiro. Deitam-se no sofá, quando vemos TV, postam-se ao nosso lado,  ou em cima da mesa, se houver, quando trabalhamos em frente ao computador. 

Há 11 anos agora, moro em uma casa bem espaçosa com quintal, jardim, muito lugar para tomar sol, o que os gatos adoram. Quando cheguei, fiz um gatil para eles na garagem com toda privacidade e conforto. Nunca quiserem ficar por lá. Querem mesmo é estar junto da gente, e assim passaram a morar dentro de casa...rsss 

Quanto a serem dorminhocos, é fato. Principalmente depois de adultos, dormem um bocado, um sonho de anjos de largos bigodes. Mas também brincam, principalmente quando pequeninos. No primeiro ano de vida, os gatinhos são um azouge (palavrinha velha essa, hem?), super-agitados e brincalhões. Matam a gente de rir de tanto que aprontam com suas estrepolias e capacidades mágicas. Mas, mesmo depois de adultos, ainda se (e nos) divertem com qualquer pedaço de barbante, bolinhas de pingue-pongue, caixinhas de papelão.

E cada um tem sua personalidade e inteligência. Catarina era muito esperta e toda elegante, embora um pouco geniosa. Brincava com tanta graça que até lhe dediquei um versinho em que dizia: "Catarina quando brinca tem tanta graça que até penso que Deus existe". Aprendeu a abrir as portas dos cômodos das casas se pendurando nas maçanetas e ensinou a uma outra gata, que depois lhe arrumei de companhia, a fazer o mesmo. Foi necessário arrumar chaves para todas as portas a fim de evitar a invasão felina em momentos inadequados.

Catarina morreu aos 16 anos de câncer no pulmão. Tive que sacrificá-la, pois seu sofrimento era  muito intenso. Embora eu seja muito apegada à vida, nesse dia senti de fato vontade de morrer também. Racionalmente, sei que fiz o correto, pois ela já nem conseguia respirar direito, e os animais não tem o apoio médico que os humanos em estado terminal têm. Mas, emocionalmente, meu coração ficou em frangalhos, e a vida me pareceu sem sentido por um bom tempo.

Agora, em defesa dos bichos, celebridades estão promovendo uma campanha "fashion" (veja dados abaixo). Numa das imagens, a que veem no início do post, Cléo Pires aparece com um lindo gato preto. Na chamada da foto se lê: Azar é não ter o amor de um gato preto. É mesmo! Eu tive muita sorte.

A campanha é composta de exposição que será aberta hoje, no shopping Iguatemi, em São Paulo. São 12 fotos, 12 temas, com fotos de gente famosa e de integrantes da ONG Ampara Animal, que organiza e empresta o nome à mostra. Até o próximo dia 22, a exposição fica no Espaço Fashion do Iguatemi. Depois, segue para os shoppings Villa-Lobos e o Higienópolis. A mostra é aberta ao público. Uma caixinha estará à disposição para receber doações. Veja outras fotos e mais informações.

3 comentários:

Linda sua crônica. Também adoro gatos. Parabéns

claro adoro gatos sao a minha paixao eu tanbem tenho uma gata preta ela ee marvilhosa eu a amo e dou meu maior tempo a ela se querem saber de uma coisa gatos pretos nao dao azar e sim muita sorte kkkkkk

Tenho um gato preto chamado kairo... gatos são animais fabulosos...felinos são lindos e os gatos não são diferentes... animalzinho de muita personalidade... 😍

Postar um comentário

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites