segunda-feira, 19 de março de 2018

Jessica Jones: uma heroína à revelia e o amor entre mulheres


Terminei de assistir a segunda temporada da Jéssica Jones e gostei. A maioria achou a primeira temporada o máximo e vem criticando essa segunda. Pra mim foi o contrário. Detestei a primeira temporada, com exceção da cena em que ela mata o vilão da história (acho que não é mais spoiler passado tanto tempo).

Mas desta segunda gostei. Explica as origens dos poderes da Jessica, introduz a mãe dela supostamente morta e mais poderosa do que a filha, desenvolve mais os personagens coadjuvantes.

Pra quem gosta do binômio mocinha-vilão, vai ser meio decepcionante porque não há um vilão muito evidente e os aparentes vilões não são tão vilões quanto parecem. Todo mundo às voltas com seus defeitos e fraquezas, anseios e dramas, mas também com seu lado positivo e heroico, em particular a própria Jessica.

Gostei especialmente do amor entre mulheres da série. Tem o amor sexual da advogada Jeri Hogarth por mulheres, mas nada panfletário, graças a Zeus. Sexualmente, a maioria é hétero, faz sexo com homens, mas a história de amor é entre mulheres. Amor de mãe e filha, amor de irmãs, amor de amigas. A relação da Jessica com a mãe é conflitiva, mas intensa, bonita e triste. 😭Sua relação com a irmã adotiva, a Trish, também é intensa, e as duas estão dispostas até a morrer uma pela outra, mas nesta edição não tem happy end entre elas. Aliás, a personagem da Trish é a que sofre a maior reviravolta e promete bom desenvolvimento na próxima temporada.

Enfim, consegui desta vez sentir empatia pela rabugenta, alcoólica, meio autodestrutiva, mas muito humana e, à revelia, heroica Jessica Jones. Recomendo. 💗


0 comentários:

Postar um comentário

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites