terça-feira, 11 de abril de 2017

Invenções importantes criadas por mulheres

Bette Nesmith Graham inventou o muito útil corretor líquido


11 invenções importantes que foram criadas por mulheres

Utensílios e ideias inovadoras imaginados por inventoras que simplificaram tarefas básicas na rotina das pessoas

Sem sabermos, muitos dos utensílios e tecnologias que ajudam a salvar vidas ou que usamos todos os dias foram imaginados pelas mentes criativas de mulheres inventoras. Muitos apetrechos úteis nasceram a partir de ideias de engenheiras, cientistas e outras mulheres motivadas a facilitar a rotina das pessoas.

O corretivo líquido, material comum em escritórios e escolas hoje, foi pensado por uma datilógrafa, a fórmula desenvolvida em sua cozinha. O bote salva-vidas, hoje um equipamento resistente e prático de usar em situações de emergência, também foi criação de uma mulher e ajudou a salvar centenas de pessoas em tragédias como o naufrágio do Titanic. Desde o século 19, muitas patentes foram registradas por mulheres inovadoras e seus projetos até hoje simplificam certas atividades comuns dentro e fora de casa.

Conheça outros instrumentos e materiais que foram desenvolvidos por mulheres ao longo da história:

Bote salva-vidas

Pouco se sabe sobre a inventora Maria Beasley, apenas que queria criar um bote salva-vidas mais resistente, à prova de fogo e compacto. Sua versão, lançada em 1884 em uma exposição de Nova Orleans, era mais fácil de dobrar e armazenar: até 1870, o bote era basicamente uma tábua de madeira. Beaseley patenteou sua ideia e foi responsável por outras invenções, como aquecedores de pé e uma máquina de barril de madeira, útil para a preservação de alimentos. A inventora foi uma grande exceção entre as mulheres da época, ganhando cerca de 20 mil dólares por ano, e seu bote salva-vidas impediu centenas de mortes em um dos acidentes de navio mais trágicos da história, o naufrágio do Titanic.

Cama de gabinete dobrável

Em 1885, Sarah E. Goode foi a primeira mulher afro-americana a receber uma patente nos Estados Unidos. Por isso, sua invenção de cama com gabinete dobrável marcou história e ainda ajudou as casas americanas a ganharem mais espaço com uma cama que poderia ser “engavetada”.

Corretivo líquido

Batizado de Liquid Paper em inglês (Papel Líquido, em tradução livre), o corretivo líquido usado especialmente como material escolar foi inventado por , datilógrafa americana que começou a corrigir — em segredo — seus erros de digitação com tinta branca. Ela passou anos aprimorando uma fórmula na cozinha de casa até patentear a ideia em 1958. Por 47,5 milhões de dólares, a marca Gillette comprou sua empresa em 1979.

Fraldas descartáveis

Em 1951, a inventora americana Marion Donovan deu o primeiro passo para facilitar drasticamente a vida de futuros pais e seus bebês ao patentear a capa de fralda impermeável. Originalmente feita com uma capa de chuveiro, ela foi vendida pela primeira vez na loja de luxo Saks Fifth Avenue. Dois anos depois, a patente foi vendida para a Keko Corporation por 1 milhão de dólares e Donovan lançou, logo em seguida, um modelo totalmente descartável de fraldas.
.
Marion Donavan (foto: reprodução)
Kevlar

A química americana Stephanie Kwolek trabalhou durante mais de 40 anos na empresa DuPont, onde acidentalmente criou uma fibra sintética leve e super-resistente, mais tarde chamada de Kevlar. A invenção surgiu quando Kwolek tentava desenvolver uma fibra mais leve para pneus de carro e foi patenteada em 1966. A fibra é um polímero resistente ao calor e mais resistente que aço por unidade de peso. Atualmente, Kevlar é aplicado em cintos de segurança, construções aeronáuticas, coletes à prova de bala, linhas de pesca e vários outros produtos. Até alguns celulares usam a fibra, como o modelo Motorola RAZR i.
Stephanie Kwolek (foto: Wikimidia/Chemical Heritage Foundation)
Lava-louças

Patenteada em 1886, a primeira máquina de lavar louças automática foi desenvolvida pela americana Josephine Cochran, que apresentou sua invenção na Feira Mundial de Chicago, em 1893, e atraiu o interesse de restaurantes e hotéis. Apenas nos anos 50 o eletrodoméstico se tornou mais conhecido pelo público geral, com o aumento da disponibilidade de água quente nas casas, detergente para lavar louça e uma mudança de costumes em relação ao trabalho doméstico. Em 2006, seu nome foi incluído na lista de inventores da organização National Inventors Hall of Fame.

Lixeira com pedal

A psicóloga e engenheira industrial Lillian Gilbreth era conhecida por aperfeiçoar invenções com pequenos ajustes engenhosos. No início do século 20, ela projetou as prateleiras posicionadas nas portas da geladeira, melhorou o abridor de latas elétrico e lançou o pedal colocado em lixeiras para poder abri-las com o pé. Gilbreth e seu marido Frank Bunker tiveram doze filhos e inspiraram o livro Cheaper by the Dozen (sem edição no Brasil), escrito por dois de seus filhos e adaptado para filmes como Papai Batuta, de 1950, e Doze é Demais.

Lillian Gilbreth (foto: Wikimedia/Smithsonian Institution)
Escadas de Incêndio

As tradicionais escadas de incêndio, posicionadas ao lado de prédios com uma estrutura de grades, foram inventadas por Anna Connelly

em 1887. Por mais que a ideia já existisse e tenha passado por modernizações décadas mais tarde, a iniciativa de Connelly ajudou a aperfeiçoar a invenção na época em que construções começaram a ser renovadas e feitas com vários andares. Apartamentos, fábricas e prédios públicos ficaram maiores, mas suas estruturas ainda eram feitas de madeira e acidentes envolvendo incêndios poderiam ser devastadores, causando muitas vítimas — os moradores dos últimos andares eram, naturalmente, os que corriam mais riscos.

Equipamentos de combate a incêndios também não tinham a eficiência e qualidade necessárias para evitar que o fogo se espalhasse pelo prédio inteiro. Entre os anos 1877 e 1895, quando a população americana notou a urgência de criar alguma solução para o problema, pelo menos 30 patentes foram registradas por mulheres — possivelmente encorajadas pela alta taxa de mortalidade de mulheres e crianças em acidentes do tipo. Connelly foi uma das mulheres interessadas no assunto e projetou a “ponte de fuga” que logo faria parte do cenário externo de todos os prédios urbanos.

Seringa médica

Os primeiros tipos de seringa surgiram nos tempos romanos, mas sua evolução e melhorias podem ser creditadas a várias pessoas. Uma delas é Letitia Geer, que em 1899 recebeu a patente pela invenção de uma seringa com desenho adequado para ser usada apenas com uma mão, uma grande facilidade para a atividade médica.

Sinalizador noturno

Antes do surgimento de tecnologias mais inteligentes, a comunicação entre navios baseava-se apenas em bandeiras coloridas, lanternas e, quando possível, gritar mensagens bem alto. Os sinalizadores noturnos, lançados em 1859, não foram uma ideia concebida totalmente pela empreendedora Martha Coston: após a morte do marido, Coston encontrou projetos em um de seus cadernos e dedicou dez anos de trabalho ao lado de químicos e especialistas em pirotecnia para tornar os planos realidade. A patentedo produto, no entanto, creditou a invenção ao marido e citou seu nome apenas como “administradora”.

Tábua de passar

Sarah Boone foi uma costureira afro-americana responsável por aprimorar a estrutura da tábua de passar roupas. Ela recebeu uma patente pelo seu projeto em 1892, desenhado como uma superfície mais prática para passar mangas e roupas femininas. O objeto era curvo, estreito e feito de madeira.

Fonte: Revista Galileu, por Humberto Abdo, 22/03/2017

0 comentários:

Postar um comentário

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites