"Neurosexismo":

contra o progresso da igualdade de gênero - e da própria ciência

O sequestro do termo "gênero":

uma perspectiva feminista do transgenerismo

Mulheres na Ciência

Estudantes criam bactéria que come o plástico dos oceanos

Mulheres na Ciência:

Duas barreiras que afastam as mulheres da ciência

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Diante de um quadro econômico e político tão adverso, a permanência de Dilma no poder é opção pelo imobilismo

Fernando Gabeira, como todos os brasileiros minimamente conscientes do que se passa no Brasil, sabe da necessidade imperiosa da demissão de Dilma da presidência da República. O lulopetismo estabeleceu um estado fascista no Brasil, embora da boca pra fora socialista populista. Fascista porque em conluio com o capital financeiro (banqueiros), empreiteiros, empresários de várias áreas, inclusive das comunicações, para sua manutenção. Gente que hoje teme a perda de suas mordomias, de seus lucros, na contramão dos interesses do país.

A realidade, porém, é que a permanência de Dilma humilha os brasileiros, por seu envolvimento até agora impune na mais alta corrupção, e se configura como opção pelo imobilismo. Isso num momento em que urge a presença no governo de quem possa agir com firmeza diante do mar revolto criado pela própria presidente. Impeachment já é questão de sobrevivência da nação.

Destaque:
Os ventos legais conduzem ao impeachment, assim como os clamores da rua. O impeachment, dizem alguns, seria traumático: instrumento muito raro e já aparece duas vezes numa jovem democracia. Mas que outra maneira tem a jovem democracia senão aplicar a lei?
[...]
Diante de um quadro econômico, político e climático tão adversos, supor que uma presidente detestada pela maioria, sem apoio no Congresso, é a mais indicada para conduzir o País é a opção pelo imobilismo. E em termos nacionais é hora de se mover, não de ficar parado.
Banqueiros, empresários e colunistas

Banqueiros, empresários e colunistas têm se pronunciado contra o impeachment de Dilma. Faltam elementos, dizem alguns. Ainda faltam, dizem outros mais cautelosos.
O próprio New York Times chegou a essa conclusão, com o mesmo argumento: não há motivo. Creio que essa convicção possa evoluir quando analisarmos todas as pontas da investigação.
O quadro geral desenha um governo que utilizou um esquema criminoso para se manter no poder. Mas quadros gerais não bastam. O ministro Gilmar Mendes foi o primeiro a juntar as pontas que revelam o caminho do impeachment: contas de campanha. A vulnerabilidade de Dilma fica clara quando o turbilhão de informações fragmentadas começa a tomar corpo.

De fato, não basta ver a Petrobrás em ruínas, destroçada pelo governo petista nem saber que o partido recebeu milhões das empreiteiras da Lava Jato. O senso comum ligaria as propinas à campanha milionária de Dilma. 

Mas é preciso mais. Um dos empreiteiros, Ricardo Pessoa, da UTC, doou R$ 7,5 milhões à campanha de Dilma, por intermédio do tesoureiro, Edinho Silva. E não foi por amor à causa, mas medo de perder seu negócio milionário com o governo.

Nas anotações de Marcelo Odebrecht há menção às contas na Suíça que poderiam aparecer na campanha de Dilma. As contas existem e eram usadas para pagar propinas.

Descendo um pouco mais a escada, Gilmar Mendes encontrou inúmeros indícios de ilegalidades na campanha de Dilma. Só uma empresa que tem um motorista como sócio recebeu R$ 24 milhões da campanha de Dilma. A empresa chama-se Focal. Está sendo investigada e parece que uma cirúrgica troca de letra, pode definir melhor a natureza de seu negócio.

Por que todos esses fatos encadeados ainda não motivaram uma investigação do Ministério Público? Talvez fosse impossível para Rodrigo Janot viver a contradição de investigar Dilma e, simultaneamente, colocar sua própria confirmação como procurador-geral nas mãos dela. Como possivelmente será difícil investigá-la depois de ter seu nome confirmado por ela. Mas agora é diferente.

Janot está sendo acionado por um ministro do Supremo que, como o senso comum, acha que existe uma relação entre o assalto à Petrobrás e a campanha de Dilma. Só que Gilmar, como outros observadores, acha isso a partir de indícios, depoimentos, que só não convencem porque ainda são tratados fragmentariamente. Gilmar é ministro do TSE e aponta o caminho real, unificando os indícios, mostrando a leviandade de ignorar os dados da Lava Jato num julgamento desses.

Os ventos legais conduzem ao impeachment, assim como os clamores da rua. O impeachment, dizem alguns, seria traumático: instrumento muito raro e já aparece duas vezes numa jovem democracia. Mas que outra maneira tem a jovem democracia senão aplicar a lei?

Outro argumento é que duas quedas num curto espaço de tempo deformariam o eleitorado, que passaria a votar de forma irresponsável, contando sempre com o impeachment. É uma tese discutível. Ela serviria também para anular a utilidade do instituto do recall político, que existe desde o início do século 20 nos Estados Unidos.

A base legal do impeachment sairá da análise cruzada das contas de Dilma com os dados da Lava Jato e toda essa indústria de notas frias de gráficas inexistentes e empresas de fachada. Os fatos estão aí e a história de que foram doações legais não resolve o problema. Tornar legal dinheiro obtido em esquema de corrupção é pura lavanderia.

Quando todas as peças se encaixarem e a evidência emergir, pode ser ainda que muitos prefiram a continuidade de Dilma. Mas aí será outra discussão.

Estamos no auge de uma crise econômica e política. A realidade exterior nos surpreende com notícias negativas, como os sobressaltos na China, com possível repercussão aqui. E se olharmos para um quadro mais amplo, o clima, veremos que se espera-se um El Niño intenso este ano. Isso significa grandes problemas, como os que tivemos em 1988. Incêndios no Norte, inundações no Sul. O El Niño não tem o peso das questões urgentes do momento. Mas os analistas, quando Dilma assumiu, disseram que ela enfrentaria uma tempestade perfeita. Ainda não contavam com o El Niño, a tempestade das tempestades.

Diante de um quadro econômico, político e climático tão adversos, supor que uma presidente detestada pela maioria, sem apoio no Congresso, é a mais indicada para conduzir o País é a opção pelo imobilismo. E em termos nacionais é hora de se mover, não de ficar parado.

Não se fala mais que impeachment é golpe. Apenas que não há motivo para o impeachment. É positivo, porque esse debate popularizou o texto da Constituição, que prevê o impeachment.

O argumento de agora tem uma outra natureza: o impeachment é um instrumento legal, mas não há motivo para ele. Quando se der a ligação das evidências esparsas, o argumento de que não há motivo dará lugar ao medo de traumas para a estabilidade dos negócios. Aí talvez debate seja mais fácil. Nossa experiência histórica mostra que não dói tanto assim. Os que pedem um Fiat Elba de Dilma vão se deparar com verbas que dariam para comprar muitas Ferraris e Lamborghinis.

Será uma discussão simples: aplicar ou não aplicar a lei. A escolha de não aplicá-la, essa, sim, pode abalar os alicerces de nossa convivência democrática. E nos afundar numa crise desesperadora. O ministro Celso de Mello tem razão quanto aponta uma delinquência institucional mascarada de política. Conviver com a impunidade nesse nível é humilhante para os brasileiros. Eles saberão voltar às ruas, nos momentos adequados.

Nesta semana Dilma e Lula foram lembrados com frases de protesto no rodeio de Barretos. Não aprovo os termos do protesto, mas eles revelam como se espalha a rejeição.

Quem valoriza o equilíbrio no Brasil de hoje tem de perceber, como um ciclista, que ele depende do movimento. Parados, vamos todos cair no chão, embora uma queda de banqueiros e empresários seja suavizada pelos bolsos acolchoados.

Fonte: Estadão, 28/08/2015

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Dilma: mentindo sempre e queimando o Brasil

Artigo de Míriam Leitão demonstrando o quanto Dilma mentiu para os brasileiros nas eleições do ano passado e como continua mentindo hoje. Destaco:
Em todas as entrevistas, Dilma foi confrontada com os dados, em todas ela os negou e atacou adversários que apontavam a necessidade de ajuste, que defendiam o corte de ministérios e a redução dos gastos do governo. Era possível saber. Difícil era ignorar os abundantes indicadores antecedentes de que o Brasil estava entrando numa crise pelos erros cometidos pelo governo.
A distância da realidade continua, ainda agora. Na entrevista de segunda-feira, ela defendeu o ex-presidente Lula e disse que a oposição incentiva contra ele uma “intolerância inadmissível”. E acrescentou: “A intolerância é a pior coisa que pode acontecer numa sociedade, porque cria o “nós” e o “eles”. Isso é fascismo.” Quem mais incentiva essa divisão é o grupo político da presidente. Aliás, houve um comício em 2014 em que o ex-presidente Lula gritou do palanque: “agora é nós contra eles”. Isso depois de citar como sendo “eles” dois nomes de jornalistas: o de William Bonner e o meu.

Os antecedentes

Quem comparar o que a presidente Dilma falava há um ano e o que ela disse esta semana concluirá que são duas pessoas. O que dizia é o oposto do que diz. Os casos de divórcio entre a então candidata e os fatos foram muitos na campanha. No “Jornal Nacional” do dia 19 de agosto de 2014, Dilma afirmou que a inflação era zero e que pelos “indicadores antecedentes” o país estava retomando o crescimento.

Em entrevista aos três maiores jornais na segunda-feira, Dilma disse: “Fico pensando o que é que podia ser que eu errei”. Ela mesma respondeu que o erro foi ter demorado tanto a perceber a crise. Em seguida, justifica o erro. “Não dava para saber em agosto. Não tinha indício de uma coisa dessa envergadura.”

Exatamente naquele agosto, em que a presidente acha que não dava para saber, o jornalista William Bonner fez a seguinte pergunta para ela, com riqueza de dados e indícios de crise de grande envergadura:
A inflação anual, neste momento, está no teto daquela meta estabelecida pelo governo, está em 6,5%. A economia encolheu 1,2% no segundo trimestre deste ano e tem uma projeção de crescimento baixo para o ano que vem. O superávit deste primeiro semestre foi o pior dos últimos 14 anos. Quando confrontada com esses números a senhora diz que é a crise internacional. Aí, quando os analistas dizem que 2015 vai ser um ano difícil, um ano de acertos de casa, que é preciso arrumar a economia brasileira e, portanto, isso vai impor sacrifício, vai ser um ano duro, a senhora diz que isso é pessimismo. E aí eu lhe pergunto: a senhora considera justo, olhando para os números da economia, ora culpar o pessimismo, ora culpar a crise internacional pelos problemas? O seu governo não tem nenhum papel, nenhuma responsabilidade nos resultados que estão aí?”
Dilma respondeu:
Bonner, primeiro, nós enfrentamos a crise, pela primeira vez no Brasil, não desempregando, não arrochando os salários, não aumentando os tributos, pelo contrário, diminuímos, reduzimos e desoneramos a folha. Reduzimos a incidência de tributos sobre a cesta básica. Nós enfrentamos a crise, também, sem demitir. Qual era o padrão anterior...”
Bonner:
Mas o resultado, no momento, é muito ruim, candidata.”
Dilma:
Não, o resultado no momento, veja bem...”
Bonner:
Inflação alta, indústrias com estoques elevados, ameaça de desemprego ali na frente.”
Dilma:
Veja bem, Bonner. Eu não sei, eu não sei da onde que estão seus dados, mas nós estamos...”
Bonner:
Da indústria, candidata.”
Dilma:
Nós temos duas coisas acontecendo. Nós temos uma melhoria prevista no segundo semestre. Vou te dizer por quê.”
Bonner:
Isso não é ser otimista em contrapartida ao pessimismo que a senhora critica?”
Dilma:
Não. Não. Você sabe, Bonner, tem uma coisa em economia que chama os índices antecedentes. O que que são os índices antecedentes? A quantidade de papelão que é comprada, a quantidade de energia elétrica consumida, a quantidade de carros que são vendidos. Todos esses índices indicam uma recuperação no segundo semestre, vis-à-vis ao primeiro. Além disso, a inflação, Bonner, cai desde abril, e, agora, ela atinge, hoje, se você não olhar pelo retrovisor e olhar pelo que está acontecendo hoje, ela atinge 0%. Zero.”
Este é um exemplo. Em todas as entrevistas, Dilma foi confrontada com os dados, em todas ela os negou e atacou adversários que apontavam a necessidade de ajuste, que defendiam o corte de ministérios e a redução dos gastos do governo. Era possível saber. Difícil era ignorar os abundantes indicadores antecedentes de que o Brasil estava entrando numa crise pelos erros cometidos pelo governo.

A distância da realidade continua, ainda agora. Na entrevista de segunda-feira, ela defendeu o ex-presidente Lula e disse que a oposição incentiva contra ele uma “intolerância inadmissível”. E acrescentou: “A intolerância é a pior coisa que pode acontecer numa sociedade, porque cria o “nós” e o “eles”. Isso é fascismo.” Quem mais incentiva essa divisão é o grupo político da presidente. Aliás, houve um comício em 2014 em que o ex-presidente Lula gritou do palanque: “agora é nós contra eles”. Isso depois de citar como sendo “eles” dois nomes de jornalistas: o de William Bonner e o meu.

Fonte: Blog da Míriam Leitão, 26/08/2015

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Dilma, de fato, a bem-amada das elites


Em Recordar é viver: quando o PT defendia a renúncia ou o impeachment de FHC, resgatei duas notícias de 1999, para mostrar o discurso de dupla moral dos petistas que, hoje, comparam impeachment com golpe. Agora, reproduzo outro exemplo da dupla moral petista, do discurso da boca pra fora da máfia da estrelinha. Todo o mundo está careca de ouvir a ladainha de que a direita e as elites tramam contra o governo popular de Dilma Roussef, mas a verdade é que Dilma e o PT têm contado com o apoio de boa parte da elite brasileira mais preocupada com seus lucros e interesses vários do que com o futuro do país. No texto abaixo, Rodrigo da Silva, do site Spotniks, apresenta 7 exemplos de como a elite financeira e empresarial do Brasil se opõem ao impeachment da presidente.

7 exemplos de como a elite brasileira é contrária ao impeachment de Dilma


por Rodrigo da Silva

Vai dizer que você nunca ouviu isso por aí? O discurso é claro: há um golpe em vigor, organizado pela elite econômica do país. Grandes empresários e industriais, descontentes com o governo popular de Dilma Rousseff, tramam um processo ardiloso de impeachment. É uma luta dos ricos contra os defensores dos pobres.

A fórmula está presente de forma repetitiva nas defesas contundentes dos militantes governistas. Mas quanto disso realmente é verdade? Aparentemente, nada.

Alguns dos principais representantes da elite econômica brasileira já marcaram publicamente suas posições em relação ao impeachment de Dilma: são radicalmente contrários. Banqueiros, grandes empresários, donos de grupos de mídia, organizações industriais, todos convergem para o mesmo lugar. Não há possibilidade de um processo de impedimento.

Na lista abaixo, reunimos as figuras e organizações mais influentes do país e suas posições em relação ao impeachment. Ao fim, como diz Roberto Ellery, diretor da Faculdade de Economia da UNB, resta a pergunta: “quantos grandes empresários ainda terão de se manifestar a favor do governo para que alguns percebam de que lado está a elite?”.

1) ROBERTO SETÚBAL, PRESIDENTE DO ITAÚ UNIBANCO

Roberto Setúbal. Talvez você nunca tenha ouvido falar nesse nome, mas provavelmente já cruzou com a fachada de seu empreendimento, presente em milhares de esquinas do país. Roberto é presidente do Itaú Unibanco e membro de uma família com uma fortuna avaliada em mais de US$ 3,3 bilhões. Seu banco é a empresa de maior valor de mercado do Brasil e obteve um crescimento de 29% do lucro líquido no ano passado.

Numa entrevista concedida à Folha nesse final de semana, Roberto foi taxativo: é sumariamente contrário ao impeachment de Dilma Rousseff.
Nada do que vi ou ouvi até agora me faz achar que há condições para um impeachment. Por corrupção, até aqui, não tem cabimento. Não há nenhum sinal de envolvimento dela com esquemas de corrupção. Pelo contrário, o que a gente vê é que Dilma permitiu uma investigação total sobre o tema [corrupção na Petrobras]. Era difícil imaginar no Brasil uma investigação com tanta independência. A Dilma tem crédito nisso.”
Para o presidente do maior banco privado do hemisfério sul, tampouco as pedaladas fiscais seriam motivo suficiente para o impeachment:
Isso é grave e pode merecer algum tipo de punição. Mas não me parece ser motivo para tirar a presidente. Até porque presidentes anteriores a ela passaram por situações semelhantes. Seria um artificialismo querer tirar a presidente neste momento. Criaria uma instabilidade ruim para nossa democracia.”
 Apesar da crise, o lucro do Itaú Unibanco no segundo trimestre de 2015 teve um aumento de 22,1% em relação ao mesmo período de 2014.

2) JOÃO ROBERTO MARINHO, VICE-PRESIDENTE DO GRUPO GLOBO

A família Marinho é reconhecidamente a mais rica do país, com uma fortuna avaliada em mais US$28,9 bilhões. Todo esse dinheiro pode ser representado num único símbolo, presente na formação da vida brasileira há cinco décadas: o Grupo Globo.

Como noticia a Folha de São Paulo, João Roberto Marinho, vice-presidente da organização, fez lobby contrário ao impeachment de Dilma nas últimas semanas, reunindo líderes das principais forças políticas do país e integrantes do governo para pedir moderação. Marinho encontrou-se com o vice-presidente Michel Temer, com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e reservadamente com as bancadas do PT e do PSDB.

Segundo um integrante do governo, o empresário também esteve com Aloizio Mercadante, ministro da Casa Civil, com Edinho Silva, chefe da Secretaria de Comunicação Social e Henrique Alves, ministro do Turismo (que também é dono de uma afiliada da TV Globo no Rio Grande do Norte). Além disso, também esteve com Aécio Neves, Geraldo Alckmin e José Serra, três das principais figuras da oposição.

Para Michel Temer, Marinho pediu uma avaliação sobre as chances do Planalto conseguir recompor sua base no Congresso e questionou os caminhos que o PMDB vê para o país. Reservadamente, o vice-presidente de um dos maiores grupos de mídia do mundo foi categórico: é hora de acalmar os ânimos, conter a crise política e tocar o barco. Com Dilma.

Apesar da crise, o grupo Globo fechou 2014 com um faturamento de R$ 16 bilhões, um crescimento de 9,7% sobre o ano anterior.

3) O GLOBO

A posição da família Marinho é sustentada por um editorial publicado há algumas semanas no principal jornal impresso do grupo: O Globo. É dessa forma que o terceiro maior jornal do país anuncia sua posição contrária ao impeachment de Dilma.
Há momentos nas crises que impõem a avaliação da importância do que está em jogo. Os fatos das últimas semanas e, em especial, de quarta-feira, com as evidências do desmoronamento da já fissurada base parlamentar do governo, indicam que se chegou a uma bifurcação: vale mais o destino de políticos proeminentes ou a estabilidade institucional do país?”
O editorial é curto e objetivo: pede o fim imediato da crise política e condições para que a presidente governe. Para O Globo, a oposição ao governo Dilma é “inconsequente”.
É preciso entender que a crise política, enquanto corrói a capacidade de governar do Planalto, turbina a crise econômica, por degradar as expectativas e paralisar o Executivo. Dessa forma, a nota de risco do Brasil irá mesmo para abaixo do “grau de investimento”, com todas as implicações previsíveis: redução de investimentos externos, diretos e para aplicações financeiras; portanto, maiores desvalorizações cambiais, cujo resultado será novo choque de inflação. Logo, a recessão tenderá a ser mais longa, bem como, em decorrência, o ciclo de desemprego e queda de renda. Tudo isso deveria aproximar os políticos responsáveis de todos os partidos para dar condições de governabilidade ao Planalto.”
Com tudo isso às claras, vozes ligadas ao PT insistem em dizer que o Grupo Globo defende um “golpe midiático”. Nada que possua qualquer ligação com o mundo real.

4) FIESP E FIRJAN

No último dia 18, o governo federal aplicou um gesto de boa vontade para aproximar ainda mais o Planalto do setor empresarial brasileiro: orientou os bancos públicos a liberar crédito mais barato para empresas de diversos setores da economia. Durante a semana, Dilma pediu apoio explícito num encontro com representantes de alguns dos maiores grupos do país. Participaram da reunião, segundo a lista de presentes divulgada pela Secretaria de Imprensa da Presidência da República: Benjamin Steinbruch, da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Carlos Fadigas, da Braskem, Carlos Mariani, da PIN Petroquímica, Gunnar Nebelung e Waldemir Loto, da Amaggi, Ingo Plöger, do Conselho Empresarial da América Latina (Ceal), Marco Stefanini, da Stefanini, Paulo Tigre, da DHB Indústria e Comércio LTDA, Pedro Faria, da BRF, Pedro Wongtschowski, da Ultrapar, Ralph Lima Terra, da Abdib e Rubens Ometto, da Cosan.

Poucos dias antes, duas organizações empresariais saíram em apoio à presidente: a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), uma organização que representa 130 mil indústrias, e a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), que representa 10 mil indústrias.

Numa nota assinada em conjunto, após um pedido de unidade feito por Michel Temer, as duas organizações defenderam que o “momento é de responsabilidade, diálogo e ação para preservar a estabilidade institucional do Brasil”.
“O povo brasileiro confiou os destinos do país a seus representantes. É hora de colocar de lado ambições pessoais ou partidárias e mirar o interesse maior do Brasil. É preciso que estes representantes cumpram seu mais nobre papel – agir em nome dos que os elegeram para defender pleitos legítimos e fundados no melhor interesse da Nação.”
Em entrevista ao O Globo, Eduardo Eugênio Gouvêa Vieira, presidente da FIRJAN, disparou:
Os empresários não podem assistir a esse jogo vagabundo, de quinta categoria, da arquibancada. No fundo (a nota), é um grito para endossar o apoio ao Temer.”
As principais representantes das indústrias do Rio e de São Paulo marcaram suas posições. Sem impeachment.

5) CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA

FIESP e FIRJAN são filiadas à Confederação Nacional da Indústria, a CNI. Há poucos dias, em entrevista para a Folha de São Paulo, Robson Andrade, presidente da organização, também se manifestou contrário ao impeachment:
Escolhemos em outubro a liderança que gostaríamos de ter, mas escolhemos em cima de um programa de governo em que acreditávamos, de gestão, de crescimento. Por uma série de fatores econômicos e políticos, não se efetivou. Temos agora de ajudar a construir um país diferente. As instituições têm de ser respeitadas. Foi eleita, tem de respeitar e ajudar a construir o país dentro do sistema político que temos, com a liderança que escolhemos. Mas é necessário também que ela tome as decisões que o país precisa, não podemos ficar à mercê de problemas políticos.”
Questionado se era a favor do impeachment, foi taxativo:
Não sou a favor. Temos mecanismos da Justiça que têm de avaliar essas questões. Não acho que simplesmente o impeachment resolverá. O que vai resolver é ajudarmos a construir um Brasil diferente do que temos hoje. Não estou falando que tem de apoiar a presidente, mas que nós temos de achar um caminho para que nossos representantes, principalmente o Congresso, aprovem as medidas necessárias. A eleição da presidente é mais visível, mas, em 2014, as promessas dos candidatos aos governos, ao Senado e à Câmara, foram as mesmas, de que vão melhorar [o país]. Estamos esperando por isso e acho que temos de dar as mãos e ajudar a construir. Se a economia melhorar e o país voltar a crescer, a tendência é que a [impopularidade] mude completamente.”
Os grupos que representam as maiores indústrias do país têm suas posições bem definidas – a favor do governo.

6) LUIZ CARLOS TRABUCO, PRESIDENTE DO BRADESCO


Luiz Carlos Trabuco, presidente do Bradesco, recusou um convite de Dilma para ser Ministro da Fazenda no final do ano passado – cargo que acabaria ocupado por Joaquim Levy. Hoje, adota um tom apaziguador, apesar de não usar a expressão impeachment. Para ele, é preciso mudar a postura em relação ao Planalto e combater a crise política para gerar governabilidade à Dilma.
Precisamos sair desse ciclo do quanto pior, melhor. Melhor para quem? Para o Brasil, não é. As pessoas precisam ter a grandeza de separar o ego pessoal do que é o melhor para o país.”
Em entrevista recente ao O Globo, Trabuco manteve a posição de que é preciso diminuir o conflito político.
Os problemas econômicos se resolvem, porque são matematização de certas variáveis que podem ser consertadas. Mas os problemas políticos, não. Eles são de ideias, de ideologia, de postura. É uma energia usada para provocar calor, e hoje o país precisa de energia para provocar luz.”
Apesar da crise, o Bradesco teve o maior lucro da sua história no segundo trimestre de 2015, com um aumento de 18,4% do lucro líquido em relação ao mesmo período do ano passado.

7) BANQUEIROS, BANQUEIROS E BANQUEIROS.

A chamada da Folha é triunfante: grandes empresários ainda preferem evitar impeachment de Dilma. E não são os únicos. Os banqueiros, que Dilma apregoava à imagem de Marina Silva nas últimas eleições, também – e Luiz Carlos Trabuco e Roberto Setúbal não são exceções. Há poucos dias, o Ministro da Fazenda se encontrou com alguns deles. Além de Trabuco e Setúbal, participaram da reunião: Alexandre Abreu (Banco do Brasil), Miriam Belchior (Caixa Econômica Federal), André Esteves (BTG Pactual), José de Menezes Berenguer (JPMorgan), Manoel Felix (Indusval/ABBC), Rossano Maranhão (Safra) e Sérgio Agapito Rial (Santander).

Na reunião, Levy apresentou a chamada “Agenda Brasil”, o conjunto de ações e medidas econômicas apresentadas por Renan Calheiros para conter a crise. Segundo aponta a Folha, os banqueiros gostaram.
O mercado preferiria ficar onde está”, diz o diretor de um banco à coluna de Maria Cristina Frias, na Folha.
Sem crise política. Sem impeachment. Sem “golpe de elite”. Definitivamente, em time que está ganhando não se mexe.

Fonte: Spotniks, por Rodrigo da Silva, 24/08/2015

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Tecnicolor, o disco dos Mutantes pra inglês ouvir, que virou referência de produção experimental


Eles escondiam um fabuloso tesouro que só viria ao mundo quase 30 anos depois do lançamento de Jardim Eletrico:

Tecnicolor.

A história é simples: a Polydor inglesa queria editar um disco dos Mutantes, todo cantado em inglês, com a produção de Carlos Olmes.

O trabalho, cantado em inglês, francês, espanhol e português chegou a ser gravado e, infelizmente, engavetado até 2000.

Tecnicolor teve uma edição luxuosa com desenhos do encarte feitos por Sean Lennon, filho do eterno líder dos Beatles, John, e grande fã dos Mutantes.

Algumas faixas chegam a impressionar mais do que as originais como a versão, em inglês, para "Ando Meio Desligado", "I Feel a Little Spaced Out". Se em português o vocal era quase sussurrante, agora a voz de Rita era amplificada e o final ainda mais sensacional, com uma bela demonstração do apuro de Serginho na guitarra.

Algumas faixas ganharam versões hilárias, como "A Minha Menina", de Jorge Ben e que aparece no primeiro disco Os Mutantes, transformada em "She's My Shoo Shoo".

Ao ser lançado, o CD recebeu elogios nos quatro cantos do planeta, sendo uma das molas propulsoras para a volta do grupo no Século XXI.

À convite do produtor Carl Holmes, aproveitaram para gravar algumas canções no estúdio Des Dames, com a intenção era lançar um álbum principalmente em inglês para atrair público internacional. Mas a Polydor desistiria do projeto mesmo com um álbum inteiro já gravado. Somente em 1999, o disco seria lançado, chamado Tecnicolor.

No ano 1999 a gravadora Universal, dona do catálogo da extinta Polydor, finalmente resolveu lançar Tecnicolor, o álbum gravado pela banda durante sua passagem pela França em 1970. A ilustração e a caligrafia do álbum, na versão editada no ano de 1999, são da autoria de Sean Lennon. Na época, em 1970, a Polygram inglesa convidou o grupo a morar em Londres e pediu para que eles gravassem um álbum com canções em língua inglesa. Apenas Arnaldo Baptista sabia desse convite e só contou aos outros integrantes após regressaram ao Brasil.

Em fevereiro de 2005 a revista britânica Mojo incluiu o álbum Os Mutantes em sua lista de "50 Most Out There Albums of All Time" (algo como os "50 Discos Mais Experimentais de Todos os Tempos"). Eles obtiveram a 12ª posição na lista, à frente de nomes como Beatles, Pink Floyd e Frank Zappa. Ainda em 2005, a também britânica Q Magazine igualmente colocou o álbum em 12º lugar, em sua lista dos "40 greatest psychedelic albums of all time" ("Os 40 maiores discos psicodélicos de todos os tempos).

Faixas

Panis Et Circenses
Bat Macumba
Virginia
She's My Shoo Shoo (A Minha Menina)
I Feel A Little Spaced Out (Ando Meio Desligado)
Baby
Tecnicolor
El Justiciero
I'm Sorry Baby (Desculpe, Babe)
Adeus Maria Fulô
Le Premier Bonheur Du Jour
Saravah Panis Et Circenses (Reprise)

Fonte: Youtube

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Para de fato combater a corrupção, é necessário diminuir a concentração de poder e manter a liberdade de imprensa e de escolha das pessoas

Odemiro Fonseca
Bom texto do empresário Odemiro Fonseca em O Globo demonstrando que só a punição dos corruptos não vai resolver o problema da corrupção endêmica que temos no Brasil. É necessário uma reforma estrutural do Estado brasileiro, reduzindo-o generosamente para diminuir a concentração de poder e manter a liberdade de imprensa e de escolha das pessoas.

Destaque:

Ideologias e corrupção estão ligadas pela concentração do poder estatal. Das experiências comunistas aos capitalismos de Estado. Nos países desenvolvidos que viveram e vivem experiências liberal-democráticas, o poder político é descentralizado e estatais não existem ou são poucas, regulamentação sobre abrir e fechar empresas é simples e a transparência, refletida na imprensa livre, é grande e protegida. É nesses países que a corrupção é muito menor.
Ideologias e corrupção
O único caminho é diminuir a concentração de poder e manter a liberdade de imprensa e de escolha das pessoas

Por Odemiro Fonseca

Somos o que cremos, defendem economistas comportamentais, alguns filósofos e psiquiatras. Por exemplo, alguém que creia ser possível e louvável criar um mundo melhor somente ou prioritariamente através da ação do Estado precisa de uma ideologia. Quem crê o contrário não precisa. É uma clivagem fundamental, pois a busca por um mundo melhor através da ação do Estado requer (concentrar poder) criar burocracia estatal ativa, que desenvolve objetivos próprios e clientelas e que capturam o sistema político, entrincheirando-se com demandas crescentes. A aliança entre políticos, burocratas estatais (inclusive os de empresas estatais) e suas clientelas privadas, com benefícios concentrados e interesses alinhados, precisa minimizar (transparência) para passar do formalismo burocrata em servir todos os cidadãos igualmente, para a escolha seletiva, o patrimonialismo e a economia de compadrio (poder discricionário). Finalmente chegamos à corrupção. Prova-se fórmula de Robert Klitgaard C= CP+PD-T (corrupção = concentração de poder + poder discricionário – transparência).

Ao contrario das ideologias, sejam na forma de teocracias, socialismos, comunismos, capitalismos de Estado, a liberal democracia (liberalismo clássico que criou o Estado Democrático, fruto do iluminismo) não é uma ideologia, portanto nada de bandeiras, cores, flores, hinos, “homem massa”, “locomotivas estatais”, “modelos”, “planejamentos centrais”. Baseia-se numa razão crítica, inacabada, que pressupõe tolerância, que é a convivência pacífica entre pessoas diferentes e consciência de que o conhecimento e a ação humana são limitados, que o progresso humano vem da sua criatividade, por tentativa e erro. Talvez esse seja o problema do liberalismo, seu laicismo racional e o respeito pela democracia moderna, que gera uma “fraqueza motivacional” (Habermas) que as ideologias não demonstram.

Ideologias e corrupção estão ligadas pela concentração do poder estatal. Das experiências comunistas aos capitalismos de Estado. Nos países desenvolvidos que viveram e vivem experiências liberal-democráticas, o poder político é descentralizado e estatais não existem ou são poucas, regulamentação sobre abrir e fechar empresas é simples e a transparência, refletida na imprensa livre, é grande e protegida. É nesses países que a corrupção é muito menor.

Crenças ideológicas sempre trouxeram corrupção. O PT não é um ponto fora da curva. Mas, na fórmula de Klitgaard, não existe a variável “impunidade”. Se formos somente nesta direção, o esforço atual será desperdiçado. A corrupção se tornará mais cara, insidiosa, ousada. O único caminho é diminuir a concentração de poder e manter a liberdade de imprensa e de escolha das pessoas. Desconcentrar poder significa desestatização, regulamentação menos abusiva e no limite, concessões de serviços ao setor privado. E mais federação. Resolve-se de quebra enormes problemas políticos.

Fonte: O Globo, 20/08/2015

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Recordar é viver: quando o PT defendia a renúncia ou o impeachment de FHC

Em 1999, os mesmos que hoje dizem que impeachment é golpe
queriam a renúncia ou o impeachment de FHC
Há cerca de 16 anos, o PT e seus apoiadores da esquerda fóssil brasileira queriam a renúncia ou o impeachment de Fernando Henrique Cardoso por causa da denúncia de suposto envolvimento do presidente no leilão das teles. No dia 26/08/1999, fizeram uma manifestação em Brasília com faixas de Fora FHC e Impeachment Já. Hoje, essa mesma turma vai às ruas dizer que os pedidos de impeachment ou renúncia de Dilma são golpe. Como recordar é viver, nada como lembrar da dupla moral dessa turma e de sua canalhice congênita.


ESQUERDA
Partido admite posição do PDT
PT decide defender a renúncia de FHC

da Reportagem Local

A frente de partidos e entidades de esquerda que apoiou Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na última eleição presidencial passou a admitir a posição do PDT de pedir a renúncia do presidente Fernando Henrique Cardoso. A esquerda também decidiu cacifar o slogan "Fora FHC".

As decisões foram tomadas em reunião ontem, em São Paulo. Até agora, prevalecia na frente a posição do PT de só tentar uma campanha pelo impeachment de FHC, por causa principalmente da denúncia de envolvimento do presidente no leilão das teles.
Vamos engrossar o movimento pelo impeachment, mas apoiamos também movimentos alternativos como a tese do PDT de pedir a renúncia do presidente", disse Tarso Genro, coordenador da frente.
O deputado José Genoino, líder do PT na Câmara, disse que o acordo entre Ciro Gomes e Lula para o lançamento de uma candidatura de centro-esquerda à Presidência está em "banho-maria".
Segundo Genoino, o acordo "deu uma melada" depois que o PPS, partido de Ciro, e o próprio ex-ministro atacaram o PT na imprensa.

Fonte: Folha de São Paulo, 29/06/1999



PROTESTO
Segurança e oposição defendem calma na "Marcha dos 100 Mil""
FHC enfrenta maior ato contra o seu governo hoje

Fernando Henrique Cardoso enfrenta hoje, a partir das 11h, o maior protesto contra seu governo desde que assumiu pela primeira vez a Presidência, em 1995.

A "Marcha dos 100 Mil" chega hoje a Brasília pedindo a abertura de um processo por suposto crime de responsabilidade de FHC no processo de privatização das teles. Alguns setores vão pedir o impeachment do presidente.

Segundo a CUT (Central Única dos Trabalhadores), 93.420 manifestantes de todos os Estados já estão confirmados. O número, segundo a organização, vai passar dos 100 mil.

Até agora, a maior manifestação já feita contra o governo FHC, a marcha dos sem-terra de abril de 1997, reuniu entre 30 mil (segundo a PM) e 50 mil pessoas (segundo os organizadores).

O Gabinete Militar da Presidência e o governo do Distrito Federal estão prevendo entre 50 mil e 60 mil manifestantes.

A maior preocupação do governo FHC é com a pulverização do movimento, que está dividido e não conseguiu fechar um manifesto em comum -há apenas o abaixo-assinado pedindo a abertura do processo na Câmara.

Um contingente de 7.100 homens fará a segurança da Esplanada e regiões próximas ao local da manifestação.

O ministro-chefe do Gabinete Militar da Presidência, general Alberto Cardoso, disse que a orientação dos policiais responsáveis pela segurança na Esplanada é evitar "ao máximo" o confronto. Segundo ele, não há informações sobre a existência de grupos predispostos ao conflito. "A manifestação vai ser ordeira, pacífica."

FHC mantém hoje agenda normal no Palácio do Planalto. O porta-voz da Presidência, Georges Lamazière, disse ontem que a marcha "faz parte da democracia e do direito à livre manifestação" e que o presidente espera que ocorra "dentro da lei e da ordem".

"O próprio governo tem interesse em infiltrar provocadores para desgastar a manifestação",afirmou o líder do PC do B na Câmara, Aldo Rebelo (SP).

Desde ontem, os organizadores estão distribuindo um manual para orientar o manifestante, pedindo, entre outras coisas, que o participante não aceite provocações, denuncie qualquer problema à organização e mantenha a calma em qualquer situação.

O abaixo-assinado deverá ser entregue ao presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP). ""Temos mais de 1 milhão de assinaturas no abaixo-assinado", disse Sandra Cabral, secretária de comunicação da CUT.

Promovem a marcha o PT, PDT, PSB, PC do B, PCB, PMN, PSTU e 17 entidades -como CUT, MST e UNE.

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e a ABI (Associação Brasileira de Imprensa) estarão ausentes. A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) será representada por Pastorais Sociais da entidade.

O líder petista Luiz Inácio Lula da Silva vai encerrar o ato com o seu discurso. Prevendo atrasos, a organização da manifestação estabeleceu um limite para o término do ato: 16h. No cronograma da marcha, a previsão é encerrar às 14h30.

Os coordenadores da manifestação passaram os últimos dias em reuniões com as principais entidades inscritas na marcha, inclusive com lideranças da LOC (Liga Operária Camponesa) e do PCO (Partido da Causa Operária), organizações consideradas de extrema esquerda.
Conversamos com todas as lideranças dessas organizações e todos assumiram o compromisso de fazer um ato absolutamente pacífico. Ninguém está autorizado a desrespeitar o patrimônio público", disse o ex-deputado e presidente do PT do Distrito Federal, Chico Vigilante, coordenador da segurança da marcha.
Dados da CUT indicam que até agora foram gastos cerca de R$ 120 mil com a organização do evento. Alimentação, ônibus e material de propaganda estão sendo custeados pelas entidades.
(DENISE MADUEÑO, ABNOR GONDIM e PATRICIA ZORZAN) pág. 1-5 à pág. 1-8

Fonte: Folha de São Paulo, 26/08/1999

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Investigar a CUT é a melhor maneira de saber se era bravata ou não de seu presidente aquela história de pegar em armas

Presidente da CUT e a ameaça de pegar em armas para defender Dilma Roussef

Concordo com a posição do autor abaixo. Claro, as tristes declarações do presidente da CUT (ver vídeo abaixo) podem ser só bravata, mas, como seguro morreu de velho, o negócio é investigar e, a médio prazo, cortar a verba desses escroques que - eles sim - ameaçam a democracia brasileira.

Presidente da CUT pode estar estocando armas

por Jorge Oliveira


Brasília - Depois que o presidente da CUT, Vagner Freitas, ameaçou “pegar em armas” para impedir a deposição da Dilma da presidência, a Polícia Federal precisa urgentemente vasculhar a sede da entidade para saber se Freitas já tem realmente o arsenal à disposição dos seus filiados e militantes do PT. O presidente da CUT, na verdade, pensa como o Lula que também já se mostrou adepto da luta armada quando, numa manifestação na ABI, ameaçou acionar seu exército vermelho (os guerreiros vermelhos do Stédile, do MST) para garantir o mandado da sua companheira.

Estocar armas para Vagner Freitas não é um problema, pelo menos financeiro. Gigolôs do dinheiro público, as centrais sindicais – a do Freitas incluída – embolsaram do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador) no ano passado, 180 milhões de reais. Isso mesmo 180 milhões de reais!, resultado de uma manobra criada por Lula quando presidente para silenciar seus dirigentes e os sindicatos pelegos aliados que deixaram de defender a categoria para se juntar incondicionalmente ao PT na defesa desse governo corrupto.

As centrais sindicais unidas podem criar um verdadeiro exército com alto poder de fogo e sair às ruas como já fazem os bolivarianos que se armaram até os dentes no exercito criado pelo ex-ditador Hugo Chávez. Aliás, em novembro de 2014, entrou clandestinamente no território brasileiro o ministro venezuelano Elias Jaua para assinar acordos com o MST e a CUT para “fortalecer a revolução socialista do Brasil”, como ele mesmo informou nos atos dos convênios.

Quando diz que pode reagir a bala às manifestações populares, Freitas não está usando nenhum sentido figurado às suas palavras, como tentaram amenizar alguns para botar panos quentes na irracionalidade delinquente do presidente da CUT. É assim que pensa a escória sindical que quer ver o circo pegar fogo. Se a expressão de “pegar em armas” que usou era de desabafo deve ser punido pela bazófia. Afinal de contas, a central que preside agrupa milhares de sindicatos no Brasil e ele comete crime grave ao insuflar os filiados à luta armada.

Enquanto milhares de trabalhadores estão desempregados, Vagner Freitas não tem do que se queixar. A sua central e algumas outras que compõem o staff dos pelegos lulistas embolsaram nos últimos sete anos 1 bilhão de reais. Só entre janeiro e abril deste ano, foram irrigados para os cofres dessas entidades de classe 166 milhões de reais, como informou CH aqui no Diário do Poder. É assim, mantendo regularmente pagamentos milionários, que a república sindical se mantém ao lado do governo, desprezando a categoria a quem deveria proteger num caso de crise econômica como essa.

A Central Única dos Trabalhadores é o braço financeiro dos petistas. Lá não existe auditoria e o dinheiro é distribuído ao bel-prazer do seu presidente. A entidade financia encontros, viagens, manifestações, TVs, rádio e a mídia chapa-branca (os blogueiros oficiais) convocada para apoiar esse governo de aloprados e denegrir a imagem dos que pensam diferente deles. Como o dinheiro é do FAT, o Ministério Público deveria abrir investigação para apurar como ele está sendo usado e para que fins é destinado. A julgar pelas declarações do presidente da CUT, diante da Dilma, numa solenidade, a grana pode estar servindo para armar seus militantes e manter um grande arsenal à disposição da central.

Os primeiros indícios de que a CUT pode estar se preparando para um conflito armado, como alardeia seu presidente, podem aparecer já nas investigações que a Polícia Federal está fazendo sobre as bombas jogadas na porta do prédio do Instituto Lula. Os policiais não descartam a hipótese de que militantes petistas estariam por trás do atentado. Se isso de fato for comprovado, os ensinamentos dos bolivarianos começam a ser postos em prática no Brasil. Para evitar que atos como esses aterrorizem a população, a Polícia Federal deveria intimar o presidente da CUT para esclarecimentos e o Ministério Público promover uma devassa nas contas da central.

Nenhuma organização criminosa resiste a uma intervenção em suas finanças, como mostram investigações policiais recentes.

Fonte: Diário do Poder, Jorge Oliveira

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Depois das manifestações, Dilma pode continuar com o mandato na base do acordão, mas ela, Lula e o PT jamais serão os mesmos


Recado das ruas: sem acordo!

por Eliane Cantanhêde

O símbolo das manifestações de domingo, que faz sucesso nas redes e vai ficar, é o boneco inflável de Lula na Esplanada dos Ministérios, ao sabor do vento e da ira de milhares de pessoas que se dispuseram a sair de casa num lindo dia de sol e calor para gritar contra ele, Dilma e o PT. A sincronia é evidente: quanto mais a Lava Jato se aproxima de Lula, mais a ira popular o atinge.

Se os protestos de junho de 2013 eram difusos e confusos, eles foram ganhando discurso e organicidade e chegaram a este 16 de agosto com vigor, disseminados pelo país inteiro e principalmente com foco. Pouco importa se houve menos gente que no histórico março, o fundamental é que quem foi às ruas ontem sabia exatamente o que queria dizer e para quem.

Manifestações pelo País testam novo fôlego político de Dilma

Homens, mulheres, jovens, velhos e crianças, de verde e amarelo, ladeavam imensas faixas defendendo o “impeachment já” e gritavam “Fora Dilma”, “Fora PT, “Lula nunca mais”. Dez entre dez entrevistados se diziam exaustos com tanta corrupção e um novo personagem, um personagem a favor, passou a brilhar nas ruas empanturradas de gente no DF, em todas as capitais e em incontáveis cidades do interior.

Esse personagem não é político, não tem mandato e não tem partido. Trata-se do juiz Sérgio Moro, versão atualizada do então ministro Joaquim Barbosa. Joaquim entrou para a história como o menino negro e pobre que veio a presidir o Supremo Tribunal Federal justamente durante o bombástico julgamento do mensalão, que, pela primeira vez, não perdoou a “elite branca” e a elite política do país. É como se Moro, com a Lava Jato, desse continuidade ao serviço.

A população que rejeita maciçamente Dilma, o PT e o que Lula passou a representar é a mesma que aprova maciçamente Joaquim Barbosa e Sérgio Moro, que quebram paradigmas e ensinam aos poderosos e aos cidadãos comuns que a Justiça pode, sim, valer para todos. Um aprendizado e tanto, com presidentes de partidos do governo, diretores da Petrobrás e os maiores empreiteiros trancafiados ou presos a tornozeleiras eletrônicas.

De nada adiantam acordões políticos em Brasília, porque esse processo não vai parar. Como de nada adianta o governo se dizer feliz da vida porque as manifestações de ontem tiveram menos gente do que as de março. Tiveram mesmo, e daí? Elas ocorreram em todas as regiões, desde as mais ricas até as menores e mais pobres, deram nitidamente os seus recados e têm uma força política enorme.

Política é dialética, não cartesiana, e o valor e o peso de manifestações não podem ser medidos só pelo número de manifestantes, porque havia tantos a mais ou tantos a menos. A de domingo, a terceira num único ano, foi muito expressiva e já deixa engatilhada a próxima. A sociedade está mobilizada e é ela quem dá a Dilma o troféu de presidente mais mal avaliada da história pós-redemocratização.

Dilma ganhou um cerco de segurança na semana passada, com mãos amigas do Supremo, do TSE, do TCU, do Senado e da mídia, mas a irritação popular contra ela não esmaeceu, e uma coisa é certa: se tem a imagem de mulher honesta, que não passa a mão no dinheiro público, Dilma destruiu a economia e passou a ser indelevelmente vista como a presidente que mente, que vendeu um País maravilhoso na campanha e entregou um País ao cacos do primeiro para o segundo mandato.

Com acordão ou não em Brasília, a percepção da população não mudou: a corrupção chegou ao auge e há uma exaustão com a era PT, o governo Dilma e as mágicas de Lula. Ele escapou das primeiras manifestações, mas não passou incólume pelo tsunami e não tem mais força popular para resgatar Dilma. Talvez, nem mesmo para se resgatar. Seu prestígio está como o enorme balão com a sua cara na Esplanada dos Ministérios: ao sabor dos ventos – dos ventos da economia e da Lava Jato. Dilma pode até estar salvando o mandato, mas isso não é tudo. Ela, o PT e Lula nunca mais serão os mesmos

Fonte: O Estado de São Paulo, 17/08/2015

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Nova ferramenta do Waze para driblar o rodízio

Waze passa a mostrar rotas para driblar rodízio
A nova ferramenta mostra rotas alternativas ao motorista para driblar vias de São Paulo afetadas pelo rodízio

Foi anunciado na segunda-feira, 10, uma nova ferramenta do Waze para usuários da plataforma em São Paulo. Com ela, motoristas serão avisados das ruas da cidade que não podem receber tráfego de carros que estejam em dia de rodízio. Assim, multas por descumprimento da medida seriam evitadas.

Ou seja, o aplicativo irá mostrar um caminho alternativo fora da zona de restrição do rodízio. Segundo representantes do app do Google, o motorista que irá escolher se deve seguir ou não por um caminho que passe por zonas de restrição. Ao optar por driblar essa áreas, o Waze mostrará alternativas seguras e legais.

São Paulo é a primeira cidade do mundo a receber a novidade. A empresa, então, deverá ouvir a opinião dos usuários e, assim, implementar a nova ferramenta em outras cidades e países que possuam a restrição de circulação.

Para ativar a função, basta ir em Menu> Configurações> Navegação> Restrição veicular e cadastrar os dois últimos números da placa do veículo.

Fonte: Link, 11/08/2015

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

"The Only Thing Worth Fighting For", trilha sonora da segunda temporada de True Detective, foi o melhor da série


A segunda temporada de True Detective (HBO) terminou no domingo com a morte dos protagonistas e a sobrevivência das protagonistas (viés feminista?). Teve altos e baixos, com bons intérpretes prejudicados por um roteiro confuso e excesso de personagens. De tudo, destacou-se uma das canções da trilha sonora, The Only Thing Worth Fighting For, de Lera Lynn, cantora que mistura blues, pop e country numa levada bela e melancólica. A música foi feita especialmente para a série e ilustra bem o clima dark da história, das relações entre os personagens (incluindo o amor possível), seus conflitos, seu desamparo. Fica o registro, letra e música, porque triste mas linda.



The Only Thing Worth Fighting For

Waking up is harder
Than it seems
Wandering through these empty rooms of
Dusty books and quiet dreams
Pictures on a mantel
Speak your name
Softly like forgotten tunes just
Outside the sound of pain

Weren't we like a pair of thieves
With tumbled locks and broken codes
You cannot take that from me
My small reprieves your heart of gold
Weren't we like a battlefield
Locked inside a holy war
Your love and my due diligence
The only thing worth fighting for

Change will come to those who
Have no fear
But I'm not her, you never were
The kind who kept a rule book near
What I said was never
What I meant
And now you've seen my world in flames my
Shadow songs my deep regrets

Weren't we like a pair of thieves
With tumbled locks and broken codes
You cannot take that from me
My small reprieves your heart of gold
Weren't we like a battlefield
Locked inside a holy war
Your love and my due diligence
The only thing worth fighting for

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Entre a "corrupção pela causa" e a "corrupção pelo vil metal", Dirceu saqueou o estado brasileiro e terminou sozinho

Texto preciso de Demétrio Magnoli sobre a nova prisão de José Dirceu e as razões de seu abandono pelos "cumpanheiros"

Destaque 
O PT traçou uma linha na areia separando a "corrupção pela causa", virtuosa, da "corrupção pelo vil metal", pecaminosa. Corrupção virtuosa: no mensalão, intelectuais petistas produziram doutos textos consagrados à defesa da apropriação partidária de recursos públicos, e a relativa pobreza de Genoino tornou-se símbolo e estandarte. Corrupção pecaminosa: Dirceu, indicam as provas oferecidas pelos delatores, usou sua influência no governo para constituir patrimônio pessoal. O guerreiro caído cruzou a linha proibida. Seu degredo é uma desesperada tentativa de perenizar a fronteira que se apaga sob ação do vento.
[...]
A linha divisória riscada pelo PT reflete uma lógica religiosa, típica dos partidos autoritários. A corrupção virtuosa é aquela que serve à finalidade transcendente de salvação do Povo; a pecaminosa, pelo contrário, serve ao objetivo terreno de acumulação individual de bens materiais. Na política democrática, contudo, a oposição relevante é entre o público e o privado, não entre a salvação coletiva e o enriquecimento pessoal. Segundo essa lógica, cujo critério são os meios, o guerreiro não caiu sozinho. 

Guerreiro do povo brasileiro

Vão longe os tempos do braço erguido e do punho fechado. A novidade da prisão de José Dirceu encontra-se na esfera das narrativas. Mesmo para o PT, o "preso político" do mensalão reduziu-se a um político preso. A lacônica nota partidária assinada por Rui Falcão sequer menciona seu nome. Na declaração agourenta do ministro Ricardo Berzoini, um homem de Lula, "cabe aos investigados tomarem as providências que julgarem necessárias para se defenderem perante a Justiça". O celebrado "guerreiro do povo brasileiro" não perdeu apenas os andrajos de liberdade pendurados no mancebo da prisão domiciliar: foi condenado por seu partido ao degredo político. É uma forma de adiar a reflexão inevitável sobre as fontes ideológicas do apodrecimento ético do PT.

O PT traçou uma linha na areia separando a "corrupção pela causa", virtuosa, da "corrupção pelo vil metal", pecaminosa. Corrupção virtuosa: no mensalão, intelectuais petistas produziram doutos textos consagrados à defesa da apropriação partidária de recursos públicos, e a relativa pobreza de Genoino tornou-se símbolo e estandarte. Corrupção pecaminosa: Dirceu, indicam as provas oferecidas pelos delatores, usou sua influência no governo para constituir patrimônio pessoal. O guerreiro caído cruzou a linha proibida. Seu degredo é uma desesperada tentativa de perenizar a fronteira que se apaga sob ação do vento.

Não existe pecado do lado de cá do Equador. Se o país se divide entre Povo e Elite, e se o Partido é a ferramenta da emancipação popular de um jugo de 500 anos, então a "corrupção pela causa" não é corrupção, mas um expediente legítimo na jornada libertadora. A fórmula inflexível, refletida nos punhos cerrados do mensalão, tem suas próprias implicações. É em nome dela que Dirceu experimenta a condenação mais implacável. Numa ordem unida à qual só escapam cortesãos inúteis e vozes periféricas de aluguel, o Partido imprime-lhe na fronte o estigma do traidor. "Bode expiatório", disse seu advogado, numa referência aberta a interpretação.

Dirceu é Dirceu, a segunda face do PT, não um Duque qualquer, um Paulinho Land Rover ou um Vargas que só era André. Dobrando-se ao vil metal, o guerreiro traidor remexe a areia, desmarca um limite, desfaz uma certeza. Se até ele transitou de uma corrupção à outra, como separá-las nitidamente, sanitizando a primeira e satanizando a segunda? O degredo silencioso de Dirceu, que equivale a uma gritaria, destina-se a abafar a pergunta incômoda. Os juízes do Partido temem menos a hipótese improvável de uma delação premiada do guerreiro traidor que a exposição pública das conexões entre a corrupção virtuosa e a corrupção pecaminosa.

A linha divisória riscada pelo PT reflete uma lógica religiosa, típica dos partidos autoritários. A corrupção virtuosa é aquela que serve à finalidade transcendente de salvação do Povo; a pecaminosa, pelo contrário, serve ao objetivo terreno de acumulação individual de bens materiais. Na política democrática, contudo, a oposição relevante é entre o público e o privado, não entre a salvação coletiva e o enriquecimento pessoal. Segundo essa lógica, cujo critério são os meios, o guerreiro não caiu sozinho.

Revisito as fotografias do líder estudantil preso, com centenas de outros, no Congresso da UNE de Ibiúna, em 1968, e de sua partida para o exílio, na base aérea do Galeão, com 12 outros, em 1969. Vistas da torre de observação do presente, elas têm algo de profundamente melancólico: os sinais de um fracasso coletivo. Mas, na história que se encerra, há também a prova de um teorema: a "corrupção virtuosa" conduz, inelutavelmente, à "corrupção pecaminosa". O PT não deveria renegar seu guerreiro caído, nem defendê-lo, mas reavaliar a si mesmo no espelho de sua trajetória. Para nunca mais cerrar o punho contra as instituições da democracia.

Fonte: FSP, 08/08/2015

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

O colapso do governo Dilma e seus possíveis desdobramentos

Ao que tudo indica, o governo Dilma está mesmo na base do balança mais não cai (até agora). E a boataria come solta. Circulam rumores vários, desde a carta-renúncia que Dilma já teria escrito até as articulações em torno do vice-presidente, Michel Temer, para substituí-la, caso não apareça também denunciado em alguma delação premiada futura. Enquanto isso, os tucanos, para variar divididos, estão entre apoiar um possível governo Temer ou insistir na possibilidade de novas eleições. Seja como for, vale ler os três possíveis cenários do pós-Dilma que o Merval Pereira aponta no artigo abaixo intitulado Colapso Anunciado.
Acrescento também o vídeo, ao fim do artigo abaixo, do debate no Painel da GloboNews, do William Waack (08/08/05), com o historiador  Marco Antonio Villa, o cientista social Cláudio Couto e o economista Eduardo Giannetti da Fonseca. Também sobre a crise política e econômica em que se encontra o Brasil.
Colapso Anunciado

O governo Dilma caminha para um colapso, que pode desembocar no impeachment decretado pelo Congresso, ou na cassação da chapa pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

As duas situações têm soluções dentro da Constituição. No primeiro caso, assume o vice-presidente Michel Temer para completar o mandato, no segundo são convocadas eleições diretas, caso a impugnação ocorra nos dois primeiros anos do mandato.

Se ela se der nos dois últimos anos, isto é, a partir de 2017, haverá eleição indireta pelo Congresso.
  
É o que diz a Constituição:

“Art. 81. Vagando os cargos de Presidente e Vice-Presidente da República, far-se-á eleição noventa dias depois de aberta a última vaga.

§ 1º – Ocorrendo a vacância nos últimos dois anos do período presidencial, a eleição para ambos os cargos será feita trinta dias depois da última vaga, pelo Congresso Nacional, na forma da lei.

§ 2º – Em qualquer dos casos, os eleitos deverão completar o período de seus antecessores”.

Para escapar dessas ameaças, a presidente Dilma pode tomar medidas de reforma ministerial, redução do número de ministérios, e fortalecer o papel da coordenação política, dando mais poderes ao PMDB do vice Michel Temer.

Nos bastidores há negociações de todos os tipos, desde o apoio ao vice-presidente quanto a aposta nas próximas colaborações premiadas que podem inviabilizar tanto o PMDB quanto o PT.

O PSDB está nessa encruzilhada, com a maior parte de seus membros com um olho a longo prazo, à espera da decisão do TSE, mas o outro próximo do PMDB caso o Tribunal de Contas da União (TCU) impugne as contas do primeiro governo Dilma.

Caso o processo de impeachment se inicie no Congresso devido ao TCU, os tucanos darão apoio e participarão de um governo Temer de coalizão nacional. Mas a opção de uma nova eleição que legitime o novo presidente é a preferida do presidente da sigla, senador Aécio Neves.

A indefinição do PSDB pode reaproximar o PMDB do PT para garantir a continuidade do governo, mesmo aos trancos e barrancos. 

Partindo da premissa de que 2015 ficará marcado pelo colapso do ciclo econômico e político liderado nos últimos 12 anos pelo PT, o economista Claudio Porto, presidente da consultoria Macroplan, especializada em estratégia e cenários futuros, traçou três cenários para o 2º governo Dilma, todos apontando para conjunturas difíceis, dois deles já analisados na coluna de ontem (UTI e Recuperação).

No cenário de “Colapso”, avaliado como o mais provável, há três desdobramentos possíveis.
Terceirização - esvaziamento do poder da presidente com a ‘terceirização’ da economia para a equipe econômica e da coordenação e gestão da política para o vice Michel Temer, do PMDB.

Neste caso, ainda esse ano, haveria uma reconfiguração da equipe de governo com uma recomposição da base de sustentação parlamentar e redução de incertezas; resgate parcial do ajuste fiscal e financeiro abrindo-se perspectivas para uma retomada do crescimento, a partir de 2017, e declínio da inflação, em 2016. A operação “Lava-jato”, neste cenário, teria efeitos impactantes, porém diluídos no tempo.

Impeachment da presidente Dilma, com acentuação das expectativas econômicas negativas imediatas. O ajuste fiscal fracassa, as “pautas bomba” prosperam, as expectativas negativas dos agentes econômicos e a insatisfação da sociedade se acentuam ainda mais e a perspectiva de inflação supera os 10% ao ano. 

No campo político há total perda de confiança da presidente e a base de sustentação desaparece. Este cenário só se torna provável em três hipóteses: (a) se as contas da presidente forem rejeitadas no TCU e no Congresso por conta das “pedaladas fiscais” de 2014; (b) se o TSE reconhecer financiamento ilegal na campanha eleitoral da presidente e vice, em 2014; ou (c) se os efeitos da operação “Lava-Jato” alcançarem inequivocamente a pessoa da presidente.

Por enquanto, este cenário parece tão improvável quanto a de uma rápida recuperação da popularidade da presidente, mas uma mudança radical nas próximas semanas não pode ser descartada.

Renúncia da presidente Dilma por motivos semelhantes ao cenário de impedimento. Considerado o passado de militância da presidente ou os traços de sua personalidade, este também é, para a Macroplan, um cenário de probabilidade remota, mas que não deve deixar de ser considerado.

Fonte: Blog do Merval Pereira, O Globo, 09/08/2015

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Se a Justiça tiver provas que incriminem Lula, não há nada de errado em sua prisão

Os fatos se impõem

Em sua coluna de ontem no Estado Dora Kramer colocou o dedo na chaga: “Vamos ao ponto: José Dirceu só fez o que os investigadores da Operação Lava Jato dizem que ele fez na Petrobrás e cercanias da máquina pública porque a instância superior a ele deixou que fizesse”. De fato, o conjunto de evidências e provas fartamente apresentadas pelo juiz Sergio Moro na decretação da prisão preventiva do ex-ministro e ex-presidente do PT estimula a suspeita – que perdura há 10 anos, desde o estouro do escândalo do mensalão – de que José Dirceu não agiu por conta própria ao arquitetar e executar a trama criminosa pela qual foi condenado. Com a cautela que se exige de um profissional de imprensa responsável, Kramer observa: “Resta saber – e comprovar – se a instância superior a José Dirceu, a Presidência da República, à época ocupada por Luiz Inácio da Silva, detinha o domínio daqueles fatos”.

Domínio do fato – este é o ponto crucial da questão. Essa teoria, que embasou várias decisões no julgamento do mensalão, consagra, simplificadamente, o princípio de que, em determinadas circunstâncias, quando existe uma relação hierárquica, mesmo que não seja o mandante, é impossível que o hierarca superior ignore o delito praticado por seu subordinado, o que o torna corresponsável pela infração.

Até cair nas malhas da Justiça José Dirceu era o segundo no comando do governo e do PT. Foi ele, com a ousadia e o destemor que sempre marcaram sua atuação política, o articulador da estratégia de alianças que quebraram as resistências da ortodoxia petista e abriram caminho para a vitória nas urnas em 2002. Chegou ao governo com uma autoridade incontrastável que desde logo o guindou à condição de herdeiro presuntivo da coroa. Razão mais do que suficiente para que o rei do pedaço se mantivesse sempre muito atento a seus passos, até porque o elevara à condição de primeiro-ministro de fato.

Cabe, então, a pergunta: é plausível a hipótese de que Lula – que, definitivamente, de tolo não tem nada – não se tenha dado conta de que José Dirceu tramava sob seu nariz aquela que se revelou ser apenas a primeira fase de um processo de corrupção que evoluiu para o petrolão e ainda não se sabe onde vai chegar? Tratava-se, afinal, de uma conspiração para dar respaldo financeiro ao ambicioso projeto político do PT e, já que o dinheiro estava à mão, engordar a poupança de políticos, empresários e agentes inescrupulosos.

O retrospecto do episódio do mensalão demonstra que era de natureza essencialmente política o principal motivo pelo qual as investigações de então passaram ao largo da Presidência da República. A chefia do governo era exercida por um líder popular de origem humilde, com prestígio em ascensão dentro e fora do País, envolto pela aura de construtor de uma nova era de justiça social e de prosperidade. Até por conta de seu carisma, qualquer ameaça ao poder de Lula poderia ser interpretada pela maior parte dos brasileiros como golpismo da “elite” e pôr em risco o equilíbrio das instituições. A oposição partidária se deu conta desse risco e aliviou a pressão sobre o Planalto. Lula saiu ileso e fortalecido, mas hoje não é mais o mesmo.

Como comprovam as investigações da Lava Jato, o esquema criminoso ensaiado no mensalão ampliou-se em proporções gigantescas com o propinoduto da Petrobrás e, ao que tudo indica, espalhou-se pelo setor público numa extensão ainda desconhecida. De quebra, José Dirceu, o herói popular “injustiçado” pelo STF, surge desse enredo como um tipo muito diligente também quando se trata de encher o próprio bolso.

Reagindo à nova prisão do desmoralizado “guerreiro do povo brasileiro”, intelectuais “de esquerda”, alheios aos fatos, recorrem a qualquer argumento na tentativa de desmoralizar as investigações do Ministério Público e da Polícia Federal, bem como a integridade do juiz Sergio Moro. Um deles “denunciou” que a intenção dissimulada da “direita” é atingir Lula. É difícil de saber se a “direita” terá esse poder. Mas hoje a Justiça certamente o tem, se houver provas que o incriminem. E não há nada de sub-reptício nisso.

Fonte: O Estado de São Paulo, 06/07/2015

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Chegada de Zé Dirceu em Curitiba sob o coro de "ladrão, ladrão"

Ver a decadência do PT não tem preço. O resto eu compro com mastercard. :)

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Cresce a consciência sobre necessidade de desburocratizar o país



77% dos brasileiros dizem que excesso de burocracia prejudica o crescimento econômico
Na avaliação da maioria da população, a burocracia aumenta os preços dos produtos e dos serviços e afeta mais as empresas do que os cidadãos

Os brasileiros acreditam que o excesso de burocracia aumenta os gastos públicos, estimula a corrupção e a informalidade e é um dos principais entraves ao crescimento econômico. Por isso, a redução da burocracia deve ser uma das prioridades do governo.  As conclusões são da pesquisa Retratos da Sociedade Brasileira - Burocracia, feita pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), em parceria com o Ibope

De acordo com a pesquisa, 77% dos entrevistados consideram o Brasil um país muito burocrático ou burocrático, e 62% dizem que a redução da burocracia deve ser uma das prioridades do governo. Entre os entrevistados, 74% concordam total ou parcialmente que o excesso de burocracia desestimula os negócios, incentiva a corrupção e a informalidade e faz o governo a gastar mais do que o necessário.


A pesquisa mostra ainda que 60% das pessoas concordam totalmente ou em parte que a burocracia afeta mais as empresas do que os cidadãos. Além disso, 75% afirmam que o excesso de burocracia eleva os preços dos produtos e serviços. Na região Sul, esse número aumenta para 84% e, no Sudeste, alcança 80%.


Baseados na própria experiência ou no que já ouviram falar, os brasileiros acreditam que os serviços ou procedimentos mais complicados são: em primeiro lugar, encerrar uma empresa, em segundo, abrir ou constituir uma empresa, em terceiro, comprar um imóvel, em quarto, fazer um inventário e, em quinto lugar, requerer aposentadoria ou pensão. Na sequência, vem tirar passaporte, conseguir licenças para construção ou reforma da casa e alugar um imóvel.  Os procedimentos considerados menos difíceis são: tirar o CPF, tirar a carteira de identidade, tirar carteira de trabalho, fazer o registro de nascimento e o de casamento.


Ajuda de especialistas

Na opinião da população, fazer a declaração do Imposto de Renda é o procedimento que mais requer ajuda especializada: 29% das pessoas contrataram um profissional ou empresa especializada para prestar contas à Receita Federal, e 12% pediram ajuda de parentes ou amigos. Em seguida, aparece o encerramento de empresa, procedimento para o qual 27% contrataram empresa especializada. O mesmo ocorreu com as pessoas que abriram uma empresa.

Entre os procedimentos em que os entrevistados menos precisaram de ajuda estão limpar o nome na Serasa ou no Serviço de Proteção ao Crédito, pedir o desligamento de serviços de água e luz, e receber direitos trabalhistas, como FGTS e seguro desemprego. Nesses três casos, mais de 90% das pessoas afirmaram terem feito o trabalho sozinhas.


Na avaliação de 77% dos brasileiros, os documentos de identificação, como carteira de identidade, CPF, carteira de motorista, título de eleitor e cartão do PIS-Pasep deveriam ser unificados. "A medida reduziria o excesso de documentos exigidos para que os cidadãos possam exercer seus direitos e deveres", diz a pesquisa da CNI. Entre as pessoas com renda familiar superior a cinco salários mínimos, 81% defendem a unificação dos documentos de identificação. O número cai para 70% entre os que têm renda familiar de até um salário mínimo, informa a pesquisa feita entre 5 e 8 de dezembro de 2014.


Fonte: O Povo, 29/07/2015

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites