"Neurosexismo":

contra o progresso da igualdade de gênero - e da própria ciência

O sequestro do termo "gênero":

uma perspectiva feminista do transgenerismo

Mulheres na Ciência

Estudantes criam bactéria que come o plástico dos oceanos

Mulheres na Ciência:

Duas barreiras que afastam as mulheres da ciência

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Tucanos, virando oposição de fato, pedem auditoria especial na eleição presidencial ao Tribunal Superior Eleitoral


Também ver abaixo vídeo da entrevista do professor de computação Diego Aranha, no programa do Danilo Gentili, sobre as urnas eletrônicas e seus problemas. Precisamos exigir o comprovante impresso de nossos votos. Ver ainda:

Risco de fraude nas eleições: a OAB não referenda as urnas eletrônicas! (2010)
Clipping legal: Outra vez em foco as discutíveis urnas eletrônicas do Brasil (2011)
Clipping legal: Pesquisadores da UnB apontam fragilidade na urna eletrônica (2012)
Apoie o projeto de lei que reivindica o voto impresso (2012)

PSDB pede auditoria especial na eleição presidencial ao Tribunal Superior Eleitoral

Partido ressaltou que confia no sistema e só tomou a medida atendendo a dúvidas levantadas nas redes sociais

Superior Eleitoral (TSE) de auditoria especial nas eleições deste ano. A solicitação foi protocolada nesta quinta-feira pelo deputado Carlos Sampaio, coordenador jurídico da campanha presidencial de Aécio Neves. A intenção é formar uma comissão de especialistas indicados pelos partidos políticos para verificar a lisura do processo. O resultado proclamado pelo TSE foi de 51,64% dos votos válidos para Dilma Rousseff (PT) e 48,36% para o tucano, uma diferença inferior a 3,5 milhões de votos.

No pedido, há a ressalva de que o partido confia no sistema e só tomou a medida atendendo a dúvidas levantadas nas redes sociais, onde há até a defesa da recontagem dos votos. O partido argumenta que a credibilidade do sistema brasileiro precisa ser reafirmada.
A legitimidade da representação popular, em qualquer país democrático, está diretamente relacionada com a confiança do povo brasileiro no processo eleitoral e nas instituições públicas. Neste momento, as manifestações de uma parte considerável da sociedade brasileira não estão em consonância com esta esperada confiança, o que exige dos órgãos responsáveis pelo processo eleitoral e dos agentes que participaram das eleições, ações concretas para que quaisquer dúvidas sejam dissipadas”, argumenta.
O pedido é que a comissão tenha acesso a cópias dos boletins de urna e demais documentos gerados em todas as sessões eleitorais, dos arquivos eletrônicos com a memória dos resultados, além dos logs originais e completos das urnas eletrônicas e de transmissão e recebimento dos dados da apuração. Solicita-se ainda acesso a todas as ordens de serviço e registros técnicos sobre manutenção e atualização dos serviços técnicos relativos ao segundo turno, aos programas de totalização de votos e aos programas e arquivos de urnas utilizadas, que seriam escolhidas aleatoriamente em todos os estados e em pelo menos dez cidades de cada um.

O documento ressalta que a impressão do voto, que seria uma forma de auditoria automática, foi considerado inconstitucional. Por isso, na visão do partido, seria necessário formar a comissão para dissipar quaisquer dúvidas sobre a lisura do processo.

PUBLICIDADE

Em nota divulgada junto com o pedido, o PSDB afirma que as formas de fiscalização atuais “têm se mostrado ineficientes para tranquilizar os eleitores quanto a não intervenção de terceiros nos sistemas informatizados”. Diz ser seu objetivo buscar garantir certeza de que os eleitos são mesmos os escolhidos pela população.
Reiteramos nossa confiança na Justiça Eleitoral. Portanto, o que pretendemos com essa medida judicial é garantir que todo e qualquer cidadão também possa ter a certeza de que nossos representantes políticos são, de fato, aqueles que foram escolhidos pelo titular da soberania nacional: o povo brasileiro”, diz a nota.
Fonte: O Globo, por Eduardo Bresciani, 30/10/2014

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Governo Dilma dando passe livre para terroristas islâmicos entrarem no Brasil?

Ministério das Relações Exteriores permite livre ingresso ao Brasil de cidadãos de países com longo histórico de atuação de grupos terroristas islâmicos. O deputado Onyx Lorenzoni (DEM) pede explicações ao ministro da pasta sobre o assunto. Como se não bastassem os bolivarianos, os petistas querem também importar a Al Qaeda ou o Estado Islâmico para o país?

terça-feira, 28 de outubro de 2014

No Brasil de Dilma, a igualdade de gênero recuou 9 posições, mas "feministas" ajudaram a reelegê-la

Nada fiz pelas mulheres, mas "feministas" me amam
Brasil cai nove posições e fica em 71º entre 142 países em igualdade de gênero
País seria mais desigual na representação no Congresso, onde há quase uma parlamentar para cada 10 homens

RIO - O Brasil caiu nove posições em um ranking global de igualdade de gênero produzido anualmente pelo Fórum Econômico Mundial. De acordo com o estudo “Global Gender Report 2014”, o país ficou na 71ª posição em um total de 142 nações analisadas. 

O recuo interrompe uma escalada brasileira na tabela desde 2010, quando ocupávamos o 85º lugar dentre 135 países. O ranking procura avaliar como está a distribuição de riqueza e oportunidade para homens e mulheres de acordo com cada economia nacional.

Para isso, economistas observaram o país segundo quatro variáveis: participação econômica e oportunidades (questões salariais e condições trabalhistas); desempenho educacional (alfabetização, número de matrículas); saúde (taxa de natalidade por sexo e expectativa de vida) e poderio político (representatividade de homens e mulheres nas diferentes instituições públicas nacionais).

E foi justamente neste último quesito que o Brasil teve o pior desempenho no relatório de 2014, ocupando a 74ª posição. O país que reelegeu pela primeira vez uma mulher para a presidência da República tem uma das piores representações do gênero feminio no Congresso Nacional: uma parlamentar para cada 10 homens, aproximadamente. É uma das piores proporções nos 142 países analisados.

No geral, o Brasil recebeu 0,694 pontos numa escala em que o 1 é a igualdade máxima de gênero.

No ranking somente de questão de salários e trabalho, o país caiu para 81º lugar. No Brasil, segundo o estudo, a participação das mulheres em posições de chefia de administração é quase metade da masculina. Comparando apenas a diferença entre salários, nós ficamos lá embaixo da tabela, na 124ª posição.

Já nos itens “saúde” e 'educação”, o Fórum Econômico Mundial colocou o Brasil ao lado de outras nações desenvolvidas como absoluta igualdade de gênero.

Em geral, o relatório classificou a Islândia como o país mais "igual" do mundo, seguido de perto pela Finlândia, Noruega e Suécia. No outro extremo da escala, o Iêmen é o país menos igual, à frente do Paquistão e do Chade.

Os autores do estudo disseram que, na média global de 2014, mais de 96% da diferença de de saúde, 94% da diferença de escolaridade e 60% da diferença na participação econômica haviam sido superadas desde o primeiro gênero relatório, publicado em 2006. Mas o painel de especialistas advertiu: "nenhum país no mundo alcançou a plena igualdade de gênero."

De acordo com o relatório, vai levar 81 anos para a diferença de gênero em todo o mundo ser superada, se o progresso mantiver o ritmo atual. "O relatório continua a destacar a forte correlação entre a diferença de género de um país e seu desempenho econômico", escreveram eles.

"Como as mulheres representam metade da base potencial de talentos de um país, a competitividade de uma nação a longo prazo depende significativamente de como se educa e se utiliza a mão de obra feminia."

Confira os primeiros 20 países do ranking:

Islândia

Finlândia

Noruega

Suécia

Dinamarca

Nicarágua

Ruanda

Irlanda

Filipinas

Bélgica

Suíça

Alemanha

Nova Zelândia

Holanda

Látvia

França

Burundi

África do Sul

Canadá

Estados Unidos

Fonte: O Globo, 28/10/2014

domingo, 26 de outubro de 2014

Aécio Neves já ganhou. Só precisamos entregar-lhe o prêmio por sua luta que também é nossa


O presidenciável tucano Aécio Neves já se tornou moralmente o grande vencedor deste eletrizante pleito. Só falta receber o prêmio de fato. Passou de liderança regional, pouco conhecida no Brasil, à liderança nacional em condições de chegar ao Palácio do Planalto. Encarnou um pouco o mito do herói que, desde os gregos até aos americanos, cativa o imaginário das pessoas. 

O herói, ou a heroína, se impõe um desafio ou se vê forçado pelas circunstâncias a enfrentá-lo porque algo lhe foi usurpado ou algo lhe falta, e ele, ou ela, busca recuperar ou conquistar esse algo. Inicia-se então sua aventura, contando às vezes com a ajuda de um conselheiro, alguém mais velho e mais sábio para orientá-lo(a). Em sua trajetória, encontra vários obstáculos a transpor e um momento de crise maior que o/a leva perto da morte ou mesmo à morte da qual, contudo, ressurge, para surpresa geral. Ao renascer, após o momento de crise maior, representado pela derrota temporária diante de uma tragédia, um inimigo (monstro, diabo ou vilão), ele, ou ela, reafirma sua fé na vitória, mesmo quando ninguém mais crê nela. Com determinação, contudo, dá a volta por cima e segue em busca do prêmio por sua luta. Nesse ponto, ele ou ela já mobiliza outras pessoas com sua coragem, mensagem e realização. Ao fim de sua missão, retorna à sua condição inicial, mas transmutado em alguém melhor, elevado a um nível superior. E sua saga passa a servir de exemplo, de caminho de esperança e reconstrução passível de ser trilhado por todos.

Aécio se impôs o desafio de ser presidente do Brasil, colocando-se como agente de mudança diante de um cenário de crise e desalento. Encontrou no presidente de honra de seu partido, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o conselheiro mais velho e mais sábio para orientá-lo, digamos, politicamente. No meio do caminho, deparou-se com a morte de um colega (um amigo, segundo dizem) que, além da perda pessoal, trouxe-lhe uma rival inesperada que o botou temporariamente de escanteio. 

A construção de sua candidatura, que passava pela necessidade de se fazer conhecido no Brasil, sofreu um enorme baque e até mesmo seus correligionários esmoreceram. Muita gente chegou a dizer que deveria desistir de sua campanha para apoiar a de Marina contra o vilão maior dessa nossa história em quadrinhos, o famigerado PT. Outros tantos chegaram a declarar sua morte e a de seu partido. Mas o tucano ressurgiu dessa morte e, com fé e determinação, reafirmou que passaria ao segundo turno. E passou. No segundo turno, diante de um inimigo baixo, vil e muito poderoso, porque de posse do estado brasileiro, o qual usa inescrupulosamente, chegou par a par com a candidata-vilã à linha de chegada da corrida presidencial, inclusive em condições de vencê-la.

Nesse ponto, ele já conseguiu mobilizar boa parte do eleitorado por sua realização e em torno de sua pessoa que nele identifica o agente de mudança, a esperança da reconstrução de um país dividido, em crise moral, política e econômica. Só falta, para completar a saga desse nosso herói improvisado, a recompensa final por sua luta. Depois, ele retornará ao seus status original, mas elevado a um nível superior, no caso a presidente da República.

Vamos ajudar o candidato tucano a terminar seu périplo, dando-lhe a recompensa por sua coragem e determinação em lutar contra inimigo tão poderoso quanto sórdido. Moralmente, Aécio já é vencedor. Só falta torná-lo vencedor de fato para que possamos, todos nós que queremos de volta um Brasil livre, democrático e fraterno, sermos vencedores. Vote 45.


terça-feira, 21 de outubro de 2014

Reescrever a História é coisa de autoritários como o PT

Ataques à História

Deveria ser a safra dos debates profundos sobre o país, sobre suas dificuldades reais e a procura de solução para os inúmeros problemas que já existem e os que podem ser previstos. Mas os marqueteiros vestem a realidade com frases de fantasia, confortáveis para os candidatos, e afiam armas. Alguns fatos são deturpados e a história recente é reescrita até ficar irreconhecível.

É óbvio que foi o ex-presidente Fernando Henrique quem venceu a hiperinflação. Foi ele quem levou para o governo Itamar Franco os economistas com a tecnologia e a destreza para montar um plano que atendia a dois pedidos dos cidadãos: ser feito às claras, sem sustos e perdas, e matar o dragão que sobrevivera a cinco planos e devorava as finanças das famílias. Foi FH quem superou os desafios para consolidar o real e começou a reorganizar o estado. Acusar aquele governo de inflação alta é desonestidade.

Na distopia de George Orwell, 1984, os poderosos reescrevem a história. Quem viu a longa luta do Brasil para ter uma moeda estável sabe quem liderou a vitória sobre a inflação e lembra dos benefícios dessa conquista para as pessoas.

As ideias do PT sobre o combate à inflação eram toscas e perigosas. Seus economistas defenderam teses que nunca deram nem dariam certo; ou, o que é pior, um plebiscito sobre pagar ou não a dívida interna. Não pagá-la seria tomar o dinheiro de quem investiu em títulos públicos, como fez o ex-presidente Collor. O plebiscito e uma auditoria nas aplicações dos brasileiros foram defendidos pelo PT dois anos antes de assumir o poder. Se aplicasse o programa em 2003 teria destruído o real. Cotejar números descarnados dos fatos é um desrespeito à memória do país.

O PT não faria a estabilização e hoje a ameaça. Não são “choques de preços” que explicam a inflação estar acima do teto da meta. Inesperados sempre ocorrem e é por isso que existe a margem de flutuação. O governo atual aceitou uma inflação mais alta. A taxa passou o mandato inteiro arranhando ou furando o teto, porque perdeu o espaço para acomodar os choques. O PT deve a Antonio Palocci e à ajuda de Arminio Fraga ter vencido as naturais desconfianças sobre a capacidade do partido de conduzir a economia. Arminio socorreu o país em dois momentos-chave: ao assumir o Banco Central no meio da crise cambial, em 1999, e na transição política, em 2002. Ninguém é obrigado a gostar dele, mas esses são os fatos.

Da mesma forma que o PSDB tem o mérito de ter atendido a demanda do país por uma moeda estável; o PT tem o mérito de ter atendido a demanda do país por redução da pobreza e da miséria, e por ter ampliado os programas de renda mínima. Quem começou a defendê-los como política pública foi o senador Eduardo Suplicy. Repórteres iam ouvi-lo sobre qualquer assunto, e tinham uma aula sobre as políticas de transferência de renda.

Estudos foram feitos por especialistas em combate à pobreza. A política foi testada em municípios dirigidos por partidos diferentes: Campinas, PSDB; Brasília, PT; Belo Horizonte, PSB. Quando chegou ao governo federal, o valor da bolsa era pequeno. Mas aquela experiência trouxe dois avanços: iniciou a montagem de um cadastro dos beneficiários e vinculou o benefício à presença na escola. Outra preocupação do governo FH é que a bolsa não fosse vista como uma concessão partidária, mas um direito do cidadão.

A ideia inicial do PT, o Fome Zero, seria um retrocesso: era entregar selos para serem trocados por comidas, como os “food stamps", política testada nos Estados Unidos na Depressão e que virou programa social a partir dos anos 1960. O Fome Zero não saiu do papel, o governo corrigiu a rota e criou o Bolsa Família. A presidente Dilma colocou os focos nos mais pobres e o governo dedicou-se à busca ativa, que é procurar os que mais precisam. Prisioneiros das armadilhas do Brasil profundo, eles não tinham sequer noção dos seus direitos. A estabilização e a redução da pobreza são conquistas do país que nenhum governo deve ameaçar.

O combate à corrupção é uma demanda do Brasil e a presidente Dilma a enfraquece quando bate no peito e diz “a minha Polícia Federal”. Lembra muito a frase: “o Estado sou eu”.

Fonte: Blog da Míriam Leitão, 20/10/2014

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Cotidiano Petista ou Zoando Chico Buarque


Tucanos gravam vídeo em resposta a apoio de Chico Buarque à campanha de Dilma Rousseff
Turma do Chapéu fez versão de “Cotidiano”, clássico da MPB

BRASÍLIA - Para responder ao apoio de Chico Buarque, os integrantes do grupo Turma do Chapéu distribuíram hoje na internet e em grupos de Whatsapp um clipe com a paródia de um dos sucessos do compositor “Cotidiano”. Na versão tucana, a letra da música trata dos quatro anos da administração da presidente Dilma Rousseff e do embate com seu adversário Aécio Neves, do PSDB.

Citando a letra do clássico da MPB, os músicos dizem que todo dia Dilma faz tudo sempre igual. “Como pode errar tanto a cidadã? Presidir dando perda total, essa dona não pode estar sã”. Fala também que a presidente tem 39 ministros pra governar, mas não conhece nenhum. Ainda ironiza a declaração do secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Holland, que sugeriu a troca de carne e ovos na dieta do brasileiro.

O clipe foi gravado com o criador do grupo Gabriel Azevedo nos vocais e por os outros integrantes, Marcel Beghni, Sam Joavana, Alberto Lage e Guilherme Henrique nos instrumentos. O coordenador de web da campanha, Xico Graziano faz participação especial na banda.

O cantor e compositor Guarabyra, da dupla Sá e Guarabyra, também fez um clipe para “pacificar” a guerra entre petistas e tucanos. A música se chama “O Brasil te chama”. O clipe foi postado pelo compositor e é encerrado com discurso de Aécio no dia do lançamento de sua candidatura, em São Paulo, dizendo que vai governar para todos os brasileiros.


Cotidiano Petista - Turma do Chapéu from Turma do Chapéu on Vimeo. Fonte: O Globo, por Maria Lima, 19/10/2014

sábado, 18 de outubro de 2014

Você quer mais 4 anos disso?

Veja tudo o que Dilma fez, ou melhor, não fez para entregar um país pior do que recebeu ao seu sucessor. Não é por acaso que a maioria dos brasileiros quer mudança. Quer um governo que valorize a ética e a eficiência em vez de um projeto de poder. Agora, vamos todos juntos com Aécio!

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Conforme Lula, o Bolsa Família é junção de programas de FHC proposta pelo tucano Marconi Perillo

Há quatro anos, na última eleição, eu já havia publicado postagem sobre a autoria do Bolsa Família (E não é que até o Bolsa Família saiu da cabeça de um tucano?).

Ontem, durante o debate da Band, quando a Dilma negou que o Bolsa Família tivesse origem nos projetos iniciados pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, tuitei e postei no facebook o vídeo onde o próprio Lula confirma ser o Bolsa Família junção dos programas do tucano e, mais ainda, que a ideia da junção é de outro tucano, Marconi Perillo (de Goiás). Repito, pois, nesta postagem, o vídeo acompanhado da imagem do decreto que une os citados programas do governo FHC no chamado Bolsa Família!

A presidente do país desconhece a história do Brasil e de seu próprio partido. Aécio precisa trabalhar mais essa questão e retornar ao tema do Petrolão. Ele foi naturalmente superior a Dilma no debate, mas ela não foi tão mal como se previa, o que deu a impressão de empate. E o tucano não pode marcar bobeira porque a diferença dele para sua adversária, nas pesquisas, é pequena, e o inimigo, vil, contando ainda com o poder do Estado, pros petistas, a casa da mãe Joana petralha.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Eduardo Jorge: quando a esquerda é honesta!

Eduardo Jorge contra as velhas esquerdas

Em entrevista à Bruno Torturra (aquele da Mídia NINJA, que representou o coletivo no Roda Viva ao lado de Pablo Capilé), do Estúdio Fluxo, Eduardo Jorge admitiu que o Marxismo é uma religião.
Eu, praticamente, saí de uma formação católica cristã muito rigorosa e, com 17, 18 anos, me converti a essa outra religião, ateia, que era o marxismo-leninismo. Na época eu não sabia que era uma religião, depois é que eu fui descobrir. [Bruno: Você acha que é uma religião?] É uma religião total, tem santos, tem profetas. Tem fé. Depois (rindo), com o tempo é que eu fui descobrir que tinha saído de uma religião e entrado noutra.”
De quebra, o ex-deputado constituinte ainda admitiu o que muitos outros ex-revolucionários não admitem. Afirmou que na época da oposição à Ditadura, ele e seus colegas do PCBR (Partido Comunista Brasileiro Revolucionário, enfase no “revolucionário” – Jorge participou da luta armada) não defendiam a democracia, mas sim uma outra ditadura, a do proletariado. E não ache você que somente os integrantes do PCBR o faziam. Eduardo Jorge, assim como Gabeira, conta com sinceridade pelo que lutava e esse é o único diferencial entre ele e outros ex-guerrilheiros e revolucionários. Quem militou pela VPR, ALN e outros grupos e partidos comunistas queria o mesmo, uma ditadura do proletariado.

Como o ex-candidato do PV bem disse na entrevista, não acreditavam na Democracia.

Mas sua posição mudou, ele diz ter reformulado seus conceitos em relação a democracia e a entende hoje como um bem primordial. Independente disto, ainda se assume um homem de esquerda. À Torturra, que desonestamente chamou-o de kassabista, disse mais. Para irritar de vez a esquerda brasileira, ou o restante dela, falou na entrevista que Stalin concorre com Hitler pela medalha de ouro de maior genocida de todos os tempos. E Mao Tsé Tung vem logo atrás, com a medalha de prata.

O hoje socialista verde, que frisa o todo tempo que o PV e o verdismo/ambientalismo são o que há de vanguarda na política, enquanto os demais são ideologias e partidos do Século XX, atrasados, não teme criticar as demais esquerdas.

Este é Eduardo Jorge, que recebeu quase 700 mil votos no último domingo (05/10/2014), para à presidência da república, e acaba de, junto a seu partido, declarar apoio oficial à Aécio Neves (PSDB) no segundo turno.

Assista a primeira parte da entrevista, quando Eduardo faz tais afirmações:



Fonte: Feedback Magazine, 09/10/2014

Ver também:
Integrante da luta armada afirma que muitos de seus companheiros até hoje não assumem que lutavam para impor uma ditadura de esquerda

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Depois da versão de Rolling in the Deep de Adele, Aretha Franklin apresenta “I Will Survive”, de Gloria Gaynor


Quem é rainha nunca perde a majestade. Depois Rolling in the Deep de Adele,  a grande dama do soul, Aretha Franklin, faz um mix de “I Will Survive”, de Gloria Gaynor, com um pedacinho de “Survivor”, das Destiny’s Child! Uauuuuu! Que linda! Posto também as versões originais para registro.

Aretha Franklin agora faz mash-up da clássica “I Will Survive” com “Survivor”; ouça

Aos 71 anos de idade, a grande diva do R&B, Aretha Franklin, vai lançar seu aguardadíssimo álbum recheado de covers de outras divas. Primeiro, ela mostrou a sua versão para “Rolling In The Deep”, da Adele, misturando com a clássica “Ain’t No Mountain High Enough”,gravada originalmente por Marvin Gaye and Tammi Terrell.

Agora, Aretha se joga nas pistas de dança com uma nova versão de outro clássico, “I Will Survive”, de Gloria Gaynor. E o melhor, ela ainda adiciona um pedacinho de “Survivor”, das Destiny’s Child!

Previsto para o dia 20 de outubro, o álbum “Aretha Franklin Sings the Great Diva Classics” ainda vai trazer covers de artistas como Alicia Keys e Sinéad O’Connor.

Ouça:

Fonte: Papel Pop, por Pedro Rocha, 07/10/2014

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Aécio Neves vitorioso, de virada! Que o universo conspire a seu favor!

Aécio Neves e a mulher Letícia em Belo Horizonte, neste domingo (5)
(Foto: AP Photo/Marcos Fernandes-Coligacao Muda Brasil)
Já foram tantas as esperanças frustradas que dá até medo de ter fé novamente, mas esse mineiro obstinado tá com pinta de que vai trazer o Brasil de volta aos brasileiros de fato amantes deste país.

Texto cristalino do espanhol Juan Arias sobre a virada de Aécio Neves. Que o universo conspire a seu favor. Estamos precisando, muito.

O segredo da virada de Aécio Neves
O candidato do PSDB cresceu em vez de diminuir quando o terremoto de Marina Silva o esmagou

Aécio Neves não só foi a surpresa final deste primeiro turno das eleições presidenciais brasileiras como também sua vitória, maior do que a prevista em todas as pesquisas, deve-se a ele pessoalmente. Tratou-se quase de um fenômeno em termos de psicologia: sua capacidade de reação frente a uma derrota anunciada e de alguma forma já aceita até por seu partido.

Neves cresceu em vez de se apequenar quando o terremoto Marina Silva o esmagou de tal forma que ele foi inclusive aconselhado a desistir. Arregaçou as mangas e anunciou que seria o vencedor capaz de disputar um segundo turno contra a Presidenta candidata Dilma Rousseff, que era tudo o que o partido dela, o PT, não desejava.

Sua posição de terceiro na disputa, um candidato em quem ninguém apostava diante da força da ecologista Silva, o levou a reagir inclusive nos debates, que acabou vencendo.

Não sei se conscientemente ou não, o que garantiu a vitória a Neves foi o fato de ter aparecido em todas as suas manifestações exteriores, entrevistas e debates, como o mais brasileiro de todos os candidatos. Revelou isso de modo cristalino em sua despedida de um minuto e 40 segundos no último e mais importante dos debates televisivos, o da TV Globo, com 50 milhões de telespectadores.
Apesar de aparecer naquele momento como derrotado em todas as pesquisas, Aécio, ao contrário das suas duas adversárias principais, Rousseff e Silva, dirigiu-se à audiência com coração brasileiro, exalando confiança, ou seja, sem dureza, sem agressividade, agradecendo o carinho recebido em suas peregrinações pelo país, revelando sua vontade de prosseguir na disputa, e com a certeza da vitória. Apresentou-se como candidato de todos os brasileiros, aos quais ofereceu certezas e capacidade de Governo, assim como a segurança de que possuía a receita para levantar o país da sua atual frustração. Emocionou-se e apelou à esperança hasteando a bandeira da mudança que a rua pedia. Foi naquela hora o único que acabou sendo aplaudido pela plateia presente.
Ex-senador e ex-governador do segundo Estado mais populoso do país, Minas Gerais, revelou em suas discussões com a candidata que liderava as pesquisas, Rousseff, sua capacidade dialética e uma forma firme, mas ao mesmo tempo brasileira, ou seja, não raivosa, de enfrentar suas adversárias políticas.

Aécio sempre foi criticado, quando na oposição, por não saber bater de frente com o governo. Atribuíam isso a esse espírito mineiro, mais propenso ao diálogo e aos acordos do que à guerra.

Com esse espírito desarmado, enfrentou uma campanha levada a cabo sob o signo dos golpes baixos, sem se deter nem mesmo diante da mentira e das desqualificações pessoais.

Neves nunca caiu nessa armadilha e prosseguiu firme em seu esquema, convencido de que, apesar de ter sido quase selada sua derrota, ele continuava acreditando com fé firme em dar a volta por cima.

Os votos reais, contrariamente ao que as pesquisas anunciavam até os levantamentos de boca de urna, o colocam a seis pontos da Dilma, muito pouco quando se pensa em como ele estava ao iniciar a aventura.

Dilma, que conseguiu menos votos do que na primeira vez em que foi escolhida, em 2010, agora enfrentará Neves, que aparece como surpresa ganhadora e que poderia contar a seu favor com até 60% dos votos da perdedora Marina.

Ele, que já foi surfista, lançou o slogan de que a “onda da razão” havia se erguido no mar da campanha, contra a onda do sentimento.

Seu êxito consistiu em saber, com teimosia, querer ganhar. Também contribuiu para isso sua campanha propositiva e de esperança, as duas fibras do atual coração brasileiro: o afeto e ausência do medo e o sentimento dos brasileiros que, em junho de 2013, haviam começado a usar a razão para exigir um Brasil melhor, que é o que prometeu criar o candidato mineiro, prudente e ao mesmo tempo tenaz.

Fonte: El País, 06/10/2014

sábado, 4 de outubro de 2014

Dia Mundial dos Animais: Parabéns, meus queridos amigos!


A música do segundo vídeo é Born Free (Nascido Livre) de Don Black e John Barry, trilha sonora do filme de mesmo nome de 1966. E liberdade é o maior presente que devemos devolver aos animais - hoje e sempre - e a nós mesmos, humanos.

Born free, as free as the wind blows
As free as the grass grows
Born free to follow your heart

Live free and beauty surrounds you
The world still astounds you
Each time you look at a star

Stay free, where no walls divide you
You're free as the roaring tide
So there's no need to hide

Born free, and life is worth living
But only worth living
'cause you're born free

(Stay free, where no walls divide you)
You're free as the roaring tide
So there's no need to hide

Born free, and life is worth living
But only worth living
'cause you're born free

Quem prende pássaros tem a alma encarcerada e nunca viu, entre suas grades, a imensidão do céu! (Míriam Martinho)

No mar, na terra e no ar. Born free!

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Aparelhamento dos Correios em benefício de Dilma (em texto e vídeo)


PT ultrapassa os limites de utilização da máquina pública, diz Aécio


O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, convocou coletiva nesta quinta-feira (2) para atacar o que chamou de "aparelhamento criminoso" dos Correios. O tucano vem denunciando a empresa por ter deixado de enviar material de campanha do partido em Minas Gerais. "Começamos a checar e o que descobrimos foram centenas de cidadãos mineiros que não receberam nossa correspondência em cidades para as quais mandamos cartas para todas as casas", disse Aécio. Segundo ele, o partido encontrou casos semelhantes em São Paulo.

O presidenciável disse que o "PT ultrapassa todos os limites de utilização da máquina pública em benefício do seu projeto de poder. Isso tem que acabar. Não é aceitável", afirmou. As queixas de Aécio nasceram de reportagem do jornal "O Estado de S. Paulo" que mostrou um deputado do PT mineiro dizendo, em gravação, que os resultados obtidos pela presidente Dilma no Estado só existiam pelo "dedo" do partido nos Correios. 

O PSDB vai ao TSE contra o PT e também ingressará com uma ação criminal contra a sigla adversária. Segundo Aécio é um crime previsto em lei o descarte intencional de material de campanha. O tucano disse estar "absolutamente otimista sobre a ida ao segundo turno". "A minha palavra é de agradecimento pelo carinho que tenho recebido em todo o Brasil", encerrou.

Fonte: Folha de São Paulo, por Daniela Lima02/09/2014

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites