Curso de extensão da USP

sobre Judith Butler e Michel Foucault

O sequestro do termo "gênero":

uma perspectiva feminista do transgenerismo

Mulheres na Ciência

Estudantes criam bactéria que come o plástico dos oceanos

Mulheres na Ciência:

Duas barreiras que afastam as mulheres da ciência

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Boas Festas e Feliz Ano Novo!


Nossa página entra em férias de fim de ano, retornando às postagens atualizadas depois de 15 de janeiro. Até lá estaremos republicando algumas das postagens mais populares da Contra o Coro dos Contentes durante o ano de 2014. 

Desejamos a todas e todos Boas Festas e Feliz Ano Novo!

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

As mulheres brasileiras já lideram quase a metade das pequenas e médias empresas do país

Ana Fontes é empresária e fundadora
da Rede Mulher Empreendedora

Empreendedora High-Tec
Cada vez mais as mulheres assumem o comando das empresas e, para dar conta da vida pessoal e profissional, buscam recursos tecnológicos
Atualmente, as mulheres brasileiras lideram quase a metade das pequenas e médias empresas do país”.
A afirmação é da empresária e fundadora da Rede Mulher Empreendedora, Ana Fontes, e vai de encontro às estatísticas divulgadas recentemente. Segundo um levantamento realizado pelo Sebrae em 2014, 52% dos estabelecimentos com menos de três anos de atividade foram abertos por mulheres. Já em relação às empresas consolidadas, 44% são geridas por elas.

Mas o que leva as mulheres a empreender? Segundo Ana Fontes, um dos principais motivos é a intenção de gerenciar melhor o tempo para conciliar a vida profissional com a pessoal.
As mulheres querem ser mães, mas também se destacar na carreira. Porém, boa parte das grandes empresas ainda não conseguiu se adaptar a essa flexibilidade que a mulher precisa para dar conta de todos os papéis que ela representa” explica.
Ana Fontes tornou-se um exemplo de empreendedorismo. Em 2007, ela pediu demissão da multinacional onde trabalhava para investir em um negócio próprio. Em busca de qualificação, ela ingressou no programa “10.000 Mulheres”, da FGV em parceria com a Goldman Sachs. No curso, ela constatou que, assim como ela, muitas mulheres tinham dúvidas de como enfrentar esse desafio. Foi então que decidiu criar um site para unir forças com outras mulheres e dividir experiências.

A Rede Mulher Empreendedora conta hoje com mais de 36 mil cadastros no site e 185 mil fãs no Facebook. Com o sucesso, nos últimos anos, a rede passou também a realizar encontros mensais em várias cidades do Brasil para estimular a troca de experiências.
Empreender não é uma tarefa fácil e esse contato entre as mulheres ajuda a motivar, a ampliar a rede de contatos e a encontrar soluções para o negócio”.
Na busca por ferramentas que facilitem o dia a dia da empreendedora, Ana Fontes é categórica em dizer que um dos papéis da rede é motivar, incentivar e mostrar o quanto é importante a mulher utilizar as ferramentas tecnológicas disponíveis. Entre os desafios, está desmitificar o uso desses recursos.
Ainda há mulheres que acham que tecnologia ‘é coisa de menino’ ou que deve ser empregada apenas em determinadas áreas de atuação. Mas nós explicamos que é possível usar essas ferramentas de forma bem simples e frisamos que elas devem estar no dia a dia de qualquer tipo de negócio”, explica.
Para Ana Fontes, é importante que a mulher perceba que estar conectada pode trazer inúmeras vantagens e a maior delas é o gerenciamento do tempo.
Hoje a mulher cuida da casa, da família e da sua empresa e, se ela não tiver a tecnologia como aliada na gestão do negócio, fica muito difícil dar conta de tudo e se desenvolver”, enfatiza.
Entre as orientações que são passadas às empreendedoras, estão: a manutenção dos sites das empresas para que possam ser acessados pelos clientes em diversas plataformas, o gerenciamento das vendas por meio do CRM online, a instalação de programas para acessar ou editar arquivos de qualquer dispositivo e o uso de softwares de gestão financeira para fazer a avaliação da empresa.

Para incentivar ainda mais as empreendedoras, Ana Fontes dá o exemplo. Adepta à tecnologia, ela divide seu tempo entre a Rede Mulher Empreendedora e sua empresa de coworking, além da vida pessoal. Para conseguir cumprir todas as tarefas, ela conta com o apoio de diversos recursos.
Temos um grupo de trabalho que troca mensagens instantâneas para resolver pendências urgentes, também temos um grupo por e-mail que envia arquivos, usamos o One Drive para que minha equipe possa acessar os documentos a hora que quiser e onde estiver, compartilhamos agendas para saber com mais facilidade a disponibilidade de todos, além de sempre realizar reuniões por videoconferência”, conta.
Para o futuro, ela acredita que as mulheres vão continuar empreendendo e surpreendendo.
As mulheres, quando exercem uma posição de liderança, acabam influenciando todos à sua volta. São características femininas ajudar a comunidade, criar círculos de amizade e apostar no desenvolvimento. Acreditamos que esses atributos geram um impacto positivo em toda a sociedade”, conclui.
Fonte: O Estado de São Paulo, 19/12/2014

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Pra Rua me levar com Ana Carolina e Maria Bethânia














Pra Rua me Levar


Ana Carolina

Não vou viver, como alguém que só espera um novo amor
Há outras coisas no caminho aonde eu vou
As vezes ando só, trocando passos com a solidão
Momentos que são meus e que não abro mão

Já sei olhar o rio por onde a vida passa
Sem me precipitar e nem perder a hora
Escuto no silêncio que há em mim e basta
Outro tempo começou pra mim agora

Vou deixar a rua me levar
Ver a cidade se acender
A lua vai banhar esse lugar
E eu vou lembrar você

É... mas tenho ainda muita coisa pra arrumar
Promessas que me fiz e que ainda não cumpri
Palavras me aguardam o tempo exato pra falar
Coisas minhas, talvez você nem queira ouvir

Já sei olhar o rio por onde a vida passa
Sem me precipitar e nem perder a hora
Escuto no silêncio que há em mim e basta
Outro tempo começou pra mim agora

Vou deixar a rua me levar
Ver a cidade se acender
A lua vai banhar esse lugar
E eu vou lembrar você...

Publicado originalmente em 03/11/08

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Perspectivas sombrias para a economia em 2015

Perspectiva nebulosa: risco de calote pode provocar uma reação em cadeia na
economia (Fernando Bizerra Jr/EFE/VEJA)


Três textos abaixo, resumem a visão pessimista dos analistas financeiros para a economia do país em 2015. Somados aos descalabros genéricos do governo Dilma na área, ainda existe a imensa capacidade de demolição do escândalo de corrupção da Petrobrás no sistema financeiro do país.

As perspectivas para 2015 não são alentadoras

Ainda não se completou a avaliação do comportamento da economia em 2014, e as perspectivas para 2015 já se mostram sombrias. O comércio, por exemplo, um dos setores que mais cresceram na última década, encara 2015 com "certo pessimismo", segundo a Fecomercio-SP. O Índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF), calculado pela entidade, teve o pior desempenho da série histórica. Não se espera reversão do quadro em 2015. Falta confiança a consumidores e empresários - e esta depende de que ajustes na economia sejam anunciados e realizados.

A Fecomercio estima que a inflação oficial (IPCA) feche o ano em 6,5%, o que é ruim para o consumo. E a projeção de que caia para 6% em 2015 não parece realista, pois pressões virão de um possível aumento da carga tributária (IPI e Cide), além dos reajustes de preços administrados, como o da energia elétrica. A maior desvalorização do real também tem efeitos inflacionários: estima-se que a taxa do dólar seja de R$ 2,60 ao fim de 2015. Previsões cambiais são arriscadas, mas não faltam analistas prevendo que a taxa de câmbio atinja R$ 2,70 a R$ 2,80 no final do ano que vem.

A taxa básica de juros, hoje em 11,75%, se estabilizaria em 12%, prevê a Fecomercio. Mas isso depende do comportamento da inflação. De qualquer forma, juros altos e restrição de crédito afetam o varejo. E, se as operações de crédito com recursos livres devem crescer 5% em 2014, o ritmo deve cair para zero em 2015. Não há consenso sobre a evolução do PIB: a Fecomercio prevê uma alta de 0,5%, em 2014, acima do 0,18% previsto no boletim Focus, do Banco Central. Em 2015, a expansão do PIB seria de 0,8%, segundo o governo, e de 1%, segundo a entidade.

Em resumo, 2015 deverá ser um ano de transição, com indicadores macroeconômicos semelhantes aos de 2014. E isso indica que os consumidores devem seguir com cautela, evitando novas dívidas.

A única boa notícia é a queda gradativa da inadimplência: a proporção das famílias endividadas deve cair de 54,7%, em janeiro, para 44%, neste mês; e o porcentual de famílias com contas em atraso tende a recuar de 14,8% para 12,5%.

As contratações de mão de obra no varejo devem permanecer em "ritmo lento". Em 2013, o melhor desempenho das vendas propiciou aumento de 1,1% no total de empregados, mas a projeção para 2014 é de 0,7%. E, se a taxa do varejo for semelhante à do setor de serviços em geral, o quadro tende a se agravar.

Fonte: Estado de São Paulo, 14/12/2014

Um balanço de fiascos, de devastação e de lorotas

Saqueada, humilhada, processada no exterior sob acusação de mentir aos investidores, desvalorizada nas bolsas e com problemas para anunciar um balanço sem o aval de uma auditoria, a maior empresa brasileira, a Petrobrás, é hoje o símbolo mais expressivo de uma economia devastada por uma combinação de incompetência, ilimitada fome de poder e desprezo pelas metas e normas prosaicas da administração pública. Os danos podem variar de um para outro setor, mas a devastação foi um processo único, determinado por um mesmo estilo de política. Nas últimas semanas, enquanto avançavam as investigações da Operação Lava Jato, o governo tentava mudar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para se livrar da obrigação de apresentar o resultado fiscal prometido para 2014. Incapaz de cumprir a lei, tratou de alterá-la, para acomodar os efeitos da gastança, dos benefícios tributários mal planejados e da estagnação econômica produzida pelos seus erros.

Os danos impostos ao País vão muito além dos bilhões pilhados da Petrobrás. Depois de quatro anos no atoleiro, com crescimento médio anual inferior a 2%, a economia brasileira vai mal na geração de empregos, na produção industrial, no investimento, nos preços, no comércio externo e nas contas públicas. A presidente Dilma Rousseff e seu ministro da Fazenda, Guido Mantega, costumam alardear a criação de postos de trabalho. O emprego no Brasil, segundo dizem, foi preservado por políticas anticíclicas e a desocupação é muito menor que nas economias avançadas. Deve haver quem acredite, mas essa é mais uma história muito mal contada.

O desemprego é maior no Brasil do que em muitos países mais afetados pela crise global. Os desocupados em todo o País eram 6,8% da força de trabalho, no terceiro trimestre, segundo levantamento mais amplo, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), realizada em cerca de 3.500 municípios. Os números mais citados pelo governo, bem mais baixos, são pesquisados só nas seis maiores áreas metropolitanas.

Pelo número da Pnad, o desemprego no Brasil, no terceiro trimestre, foi maior que em 16 dos 34 países-membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) - mas essa comparação só vale se ficar limitada àqueles com dados disponíveis para o período. No caso de quatro associados só havia, até a publicação da tabela, informações até o segundo trimestre. Dois desses países tinham taxas de desemprego bem menores que a do Brasil - Suíça, 4,4%, e Reino Unido, 6,3%. A situação dificilmente deve ter mudado de forma significativa nos meses seguintes. Se isso for levado em conta, a lista cresce para 18.

Tinham desemprego menor que o do Brasil, no trimestre passado, cinco das maiores potências integrantes da OCDE - Estados Unidos (6,1%), Japão (3,6%), Alemanha (5%), Coreia do Sul (3,5%) e México (5%). O Reino Unido provavelmente poderia entrar na relação. Além disso, a média das taxas das sete maiores economias capitalistas era 6,4%. Todos esses países têm inflação mais baixa que a brasileira e quase todos devem fechar o ano com crescimento econômico maior que o do Brasil.

A história do desemprego baixo é, portanto, apenas mais uma lorota de um governo pouco habituado a reconhecer os fatos - pelo menos publicamente. Mas a história fica pior quando se leva em conta a qualidade dos postos de trabalho. A maior parte dos bons empregos é gerada pela indústria, mas o setor tem demitido.

De janeiro a outubro o número de ocupados foi 3% menor que o do mesmo período de 2013. Em 12 meses diminuiu 2,8%. Em 2011, primeiro ano do atual governo, o pessoal assalariado na indústria aumentou 1%, mas diminuiu 1,4% em 2012 e 1,1% em 2013 e continuou encolhendo neste ano. A maior parte dos novos postos de trabalho tem sido aberta em serviços, quase sempre em segmentos de baixa produtividade. Isso combina com o fraco desempenho da economia e, de modo especial, com o enfraquecimento da indústria, especialmente de transformação.

De janeiro a outubro deste ano a produção industrial foi 3% menor que nos meses correspondentes de 2013. A da indústria de máquinas e equipamentos, 8,8% inferior à de um ano antes. Também isso se encaixa no quadro de estagnação econômica, mas o dado, nesse caso, é particularmente agourento. Com baixo dispêndio em bens de capital, a economia tem escasso potencial de expansão nos anos seguintes.

A insistência na conversa a respeito de política anticíclica mostra apenas um erro de diagnóstico. Certos estímulos podem ter sido necessários entre o final de 2008 e a maior parte de 2009, mas, passada a recessão, seria preciso cuidar das bases para a expansão de longo prazo. Não houve nada parecido com isso. O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) foi até agora principalmente um plano imobiliário. Segundo o último balanço, as ações do PAC-2 concluídas até dezembro deverão corresponder a dispêndios de R$ 796,4 bilhões. Financiamentos e obras habitacionais deverão somar R$ 449,7 bilhões, 56,46% do total. O setor de transportes, com apenas R$ 66,9 bilhões, corresponderá a 8,4% do valor das ações terminadas.

Enquanto o governo insiste em vender fantasias ao público, a equipe escalada para assumir a política econômica a partir de janeiro procura meios de arranjar as contas públicas. Haverá cortes de gastos e aumento de tributos e já se especula sobre um ajuste na faixa de R$ 90 bilhões a R$ 100 bilhões. A arrumação terá de ser muito dura, até porque o rombo fiscal é um dos maiores do mundo. Nos 12 meses até outubro, o déficit nominal de todos os níveis de governo chegou a 5,01% do PIB e ficou bem acima da média estimada neste ano para a OCDE (3,9%) e para a maior parte dos seus associados. Passados quatro anos, a presidente só tem para dividir com seu pessoal um saco de fiascos, estragos e lorotas.
Fonte: O Estado de São, Rolf Kuntz, 14 Dezembro 2014

O petrolão é uma bola de neve — e você está no caminho
O perverso assalto feito ao caixa da Petrobras afetará o Brasil mais profundamente do que pode parecer à primeira vista. A interrupção de pagamentos da estatal a fornecedores reforça o temor sobre calotes e seus reflexos no sistema bancário. O aperto na concessão de crédito pode ser só uma das — imprevisíveis — consequências

Quanto mais fundo se mergulha na Operação Lava Jato, mais cresce o risco de que ondas de choque se propaguem para além das empresas diretamente envolvidas no escândalo e atinjam outros setores da economia brasileira. Com a paralisação dos pagamentos da Petrobras a fornecedores e a possibilidade de as empreiteiras investigadas serem apontadas como inidôneas, os bancos podem se ver bafejados pelo furacão — não porque haja indícios de que tenham participado de maracutaias, mas porque essas empresas gigantes têm com eles muitos compromissos financeiros. Com isso, talvez não leve muito tempo até que a investigação se reflita bolso de cada brasileiro por meio da redução da oferta de crédito.

Na Avenida Faria Lima, que reúne a nata do setor bancário em São Paulo, o clima é tenso — alguns chegam a dizer ‘desesperador’. Escritórios de advocacia disparam relatórios a seus clientes tentando antever os efeitos das possíveis sanções às empreiteiras. Banqueiros de instituições nacionais e estrangeiras se movimentam para tentar calcular o tamanho do estrago, caso a Petrobras deixe de honrar alguns de seus compromissos financeiros. No caso das construtoras, o temor é que a paralisação dos empreendimentos afete as receitas de tal forma que torne inviável o pagamento de títulos de dívida emitidos para financiar obras, que têm bancos e fundos como principais credores.

O medo se justifica pelo fato de as instituições financeiras estarem expostas ao risco comercial das empresas, já que não há garantias exigidas para títulos emitidos no mercado de capitais. Mas, mesmo as dívidas contraídas com garantias são alvo de inquietação. Isso ocorre porque as linhas de crédito são calculadas com base em ganhos futuros provenientes de projetos de infraestrutura — o que, no jargão econômico, é chamado de alavancagem. Caso as obras sejam paralisadas ou troquem de mãos, os bancos que levarem calote terão de executar as garantias dadas pelas empresas, o que implicaria na judicialização dos contratos. Ocorre que, pela burocracia do processo de execução, essa é a alternativa que menos agrada os credores. Por via das dúvidas, os principais bancos cortaram nas últimas semanas as linhas de crédito de curto prazo para as empreiteiras envolvidas na Lava Jato — e encareceram os recursos para as demais empresas do setor. Até mesmo para aquelas que nada têm a ver com a Petrobras.

Em bancos de investimento, os calotes são esperados de todos os lados — e não apenas das empreiteiras em apuros com a Justiça. E a maior parte deles tem origem na própria Petrobras. Desde o ano passado a empresa coloca obstáculos aos pagamentos de contratos, deixando fornecedores em situação delicada — alguns, como a GDK e a Tenace, chegaram a pedir recuperação judicial. A partir de 2014, o que era ocasional se tornou regra. Desde que a Operação Lava Jato foi anunciada pela Polícia Federal (PF), no início do ano, os pagamentos foram suspensos. A diretoria vetou qualquer desembolso a prestadores de serviços temendo que, ao assinar o gasto, poderia chancelar, sem saber, novos desvios de dinheiro. Resultado: mais uma série de empresas entrou com pedido de recuperação judicial. Já os fornecedores que conseguiram renegociar suas dívidas agora têm de pagar taxas de juros muito mais elevadas — devido ao risco de calote imposto pela Petrobras. “Toda a cadeia composta por empresas que fazem desde o suporte às plataformas de petróleo, até a alimentação, o transporte, os helicópteros e a engenharia, que estavam alavancadas, agora vão encontrar dificuldades para conseguir se refinanciar”, afirma Alexandre Bertoldi, sócio do escritório de advocacia Pinheiro Neto. (clique para continuar lendo)
VEJA

Ainda que a Petrobras responda por cerca de 11% dos investimentos feitos no país, os bancos não temem, contudo, que a onda de calotes possa estremecer o sistema financeiro nacional. "Os bancos brasileiros, mesmo os expostos a grandes construtoras, são altamente capitalizados. Além disso o sistema de supervisão bancária do Banco Central (BC) é referência mundial", afirmou um advogado especialista no setor bancário, que pediu anonimato. "Alguma turbulência haverá, mas não a ponto a de colapsar as instituições financeiras. O que elas devem fazer é aumentar o rigor na concessão de crédito, tanto de curto, como de longo prazo, mas ninguém vai quebrar." Exemplo disso é a inclusão de cláusulas contratuais que garantam o cumprimento de obrigações não só da empresa diretamente envolvida, mas também de toda sua cadeia de fornecedores. “As implicações dos processos políticos, cobranças judiciais, corte interno de custos e do aumento do endividamento da Petrobras pode implicar em ajustes no custo do capital. Da parte dos bancos, eles devem exigir um prêmio muito maior, para valer a pena correr o risco de conceder crédito à Petrobras e às empresas envolvidas", afirmou Eduardo Velho, economista-chefe da INVX Global.

Neste cenário, a maior preocupação dos bancos é como prever as perdas a serem contabilizadas em seus balanços, dada a situação instável das companhias envolvidas. Caso as empreiteiras sejam declaradas inidôneas a partir de 2015, não poderão prestar serviços ao governo federal. Além disso, ainda há o fantasma da punição criminal pairando sobre as sedes das companhias. Diante disso, também as cláusulas anticorrupção se tornaram mais rígidas. “Uma das tendências, a partir da Lava Jato, é que os bancos exijam responsabilidade solidária das empresas em relação a suas controladas ou coligadas, em caso de punição criminal e inidoneidade. “Eles querem se resguardar. Mas como esse tipo de medida ainda é muito recente no Brasil, será preciso haver um consenso sobre a matéria, que não seja também muito radical”, afirma Pablo Sorj, sócio de infraestrutura e projetos de financiamento do escritório Mattos Filho.

Crédito – Os efeitos práticos dos calotes para a vida do brasileiro comum recaem essencialmente sobre o mercado de crédito. Quando um banco provisiona perdas bilionárias em seu balanço, esses mesmos bilhões, que poderiam ser direcionados a diferentes linhas de crédito, precisam ficar em caixa para que as instituições cumpram os requisitos de liquidez exigidos pelos acordos internacionais. Com isso, a disponibilidade para emprestar é reduzida. A esse fato se soma o aumento dos juros que vem sendo conduzido pelo BC. Em sua última reunião, o Copom elevou a taxa básica a 11,75% ao ano. Como o impacto da elevação leva entre seis e nove meses para se refletir no mercado, os consumidores deverão se deparar com crédito menor e mais caro a partir do ano que vem. Situação similar, ainda que em menor proporção, ocorreu durante a quebradeira do império X, de Eike Batista, quando os bancos credores tiveram de provisionar perdas e calibrar seus indicadores de liquidez por meio do aperto do crédito.

Outra implicação que pode recair, mesmo que indiretamente, sobre os ombros dos contribuintes é o aumento do risco relacionado às obras públicas. Diante da instabilidade do setor, as linhas de crédito tendem ficar mais caras para projetos de infraestrutura. Assim, é esperado que as construtoras repassem o aumento para o custo das obras — que são pagas com dinheiro arrecadado dos impostos. No caso das prestadoras de serviços da Petrobras, há o risco adicional decorrente dos recentes calotes da estatal. Um diretor de uma grande empreiteira afirmou ao site de VEJA que a companhia já está recalculando o delta de risco que oferecerá nos próximos contratos com a estatal —quando (e se) a empresa retomar seus projetos paralisados. “A Petrobras vem sistematicamente desrespeitando um relacionamento de décadas. E não há como esse comportamento não ter consequências no cálculo do risco daqui pra frente”, afirma.

No caso específico da Petrobras, um cenário ainda mais oneroso se desenha à frente. Desde o agravamento da Lava Jato, após as eleições, a regra tácita dentro da estatal para que fornecedores consigam receber os atrasados é apelar para a Justiça. Com o aval do juiz para cada desembolso, a diretoria se livra de futuras responsabilidades por possíveis irregularidades nos contratos. É o que fez, por exemplo, a Odebrecht, que há duas semanas protocolou sua primeira ação judicial contra a petroleira, alegando o não pagamento de suas obrigações referentes à prestação de serviços para a Petrobras Chile. Ao mesmo tempo em que o aval da Justiça livra os diretores de possíveis penalidades, onera a estatal, já que ela terá de arcar com as multas e encargos decorrentes dos processos. “Como tudo está previsto em contrato, é muito difícil que a Petrobras ganhe essas ações judiciais. Estimular a judicialização nada mais é que uma saída para escapar da culpa”, diz o advogado de uma das prestadoras de serviço da estatal. Nada impede, portanto, que essa enxurrada de processos exija aportes de dinheiro público no caixa da estatal.

Tal cenário, por si só, já é desolador para diversos segmentos da economia brasileira. Mas, quando se somam a isso todos os problemas de ordem macroeconômica que afligem o país, as perspectivas se tornam sombrias. O aperto na disponibilidade de financiamento para a infraestrutura seria um convite, por exemplo, para que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) entrasse em ação com suas taxas subsidiadas. Faria sentido que a instituição atuasse para manter em dia as obras essenciais do Programa de Aceleração de Crescimento (PAC). O problema é que a devassa fiscal levada a cabo pelo governo Dilma deixou o Tesouro desguarnecido, o que deve acarretar em desaceleração dos repasses ao banco, como o próprio governo já admitiu. Há ainda outro agravante. As obras financiadas pela instituição e executadas pelas empreiteiras da Lava Jato também tiveram seus repasses paralisados. O BNDES afirmou que não se posicionará sobre o assunto. Mas, dentro das empreiteiras, a mensagem que tem sido passada não deixa margem para dúvidas: enquanto não houver um acordo entre as empresas para ressarcimento dos cofres públicos, que o Palácio do Planalto apelidou de ‘acordão’, as torneiras permanecerão fechadas. Logo o BNDES, que desde o governo Lula parece ter se esquecido de como era a dinâmica de paralisação de repasses.

O final da história está guardado para 2015, já que as repercussões do petrolão ainda não podem ser contabilizadas com precisão nas esferas política e econômica. Mas os fatos mais recentes já sinalizam que o perverso assalto feito ao caixa da Petrobras afetará o Brasil mais profundamente do que pode parecer à primeira vista. E, dependendo do círculo vicioso que se desencadear, o caminho de volta poderá ser árduo.

Leia também:
Gerente da Petrobras alertou Graça sobre desvios — e foi afastada
Da 'aula de crime' à cadeia: como funcionava o 'clube do bilhão'
Empreiteiras da Lava Jato também podem ficar na mira da Justiça americana
Eletrobras aprova operação para sanar dívida de R$ 8,5 bilhões com a Petrobras
Justiça obriga Petrobras a pagar R$ 135 milhões a funcionários de Abreu e Lima
Sobe para seis o número de ações contra a Petrobras nos EUA

Fonte: Veja, Ana Clara Costa e Luís Lima, 14/12/2015

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

O Brasil preso no labirinto criado pelo PT


Destaque

 A intervenção ordenada por ele (Lula) foi cirúrgica: cooptou-se o programa econômico da candidatura da oposição. Num passe de mágica, voltou-se, como soe acontecer nos labirintos, ao mesmo lugar de 2003, com as elites econômicas, demonizadas no discurso da campanha eleitoral, novamente reconhecidas como parceiras estratégicas do novo governo do PT. A fórmula cáustica "hegemonia às avessas" do sociólogo Francisco de Oliveira, cunhada em 2007, para designar a situação em que "os dominantes consentem em ser politicamente conduzidos pelos dominados" desde que não se questione a "forma da exploração capitalista", tem aí recuperado o seu sentido original, embora continue tão enigmática quanto ao tempo da sua formulação. Ela pode ser própria para quem deseja viver em labirinto, ou tentar sair dele por métodos confusos, quando se perde ainda mais.

Dilma, o Minotauro e seu labirinto

Labirintos são lugares perigosos e não se deve entrar neles sem o fio de Ariadne com que Teseu, depois de matar o Minotauro que afligia a cidade de Tebas, teve como encontrar o caminho de saída. Por motivos diversos dos que levaram Octávio Paz a descrever o México como o labirinto da solidão, título do ensaio clássico que dedicou à formação do seu país, também a metáfora do labirinto pode servir-nos para compreender algo do nosso. Sem fio que nos guie, desconfiados das linhas retas, pegamos gosto pelos zigue-zagues, em que sempre nos perdemos, retornando a passagens já percorridas.

Essa sina tem sua marca de origem na própria fundação do nosso Estado, quando um movimento nacional-libertador, que germinava na então colônia, foi atalhado pelo episódio da Independência, em que o filho do rei metropolitano foi consagrado como imperador. Teríamos, a partir desse desfecho singular, de procurar uma rota americana consultando velhos mapas ibéricos, o que fizemos, visto da perspectiva de hoje, tudo pesado, até que com relativo êxito, embora o labirinto ainda seja a nossa morada.

A conciliação entre contrários, fórmula descoberta nos primeiros anos do Segundo Reinado e que nos veio para ficar, mesmo quando invocamos princípios fortes em nome de revoluções, como nos anos 1930, em que Vargas, arguto intérprete da política do Império - não à toa, dois de seus principais colaboradores, Oliveira Vianna e Francisco Campos, se contavam entre os admiradores da política imperial -, foi capaz de governar com a Carta de 1934, composição bizarra da ordem liberal com a corporativa, e, mais tarde, em 1937, com uma Carta protofascista que jamais levou a sério, dela fazendo uso para fins de conservação do seu poder. Foi, aliás, sob a vigência formal dessa última Carta que Vargas declarou seu apoio aos Aliados na 2.ª Guerra Mundial, e enviou tropas para combater o fascismo na Itália.

Definitivamente, o Brasil é a terra da revolução passiva, em que a condição para que as coisas mudem é a de que, ao fim, elas fiquem como estão - movimento, pois, labiríntico -, lição que, bem antes de aprendermos nos livros, já tínhamos entranhado na nossa experiência política, como na frase famosa do estadista mineiro Antônio Carlos de Andrada, às vésperas da revolução de 1930; "Façamos a revolução antes que o povo a faça". E aí, nessa montagem, ainda em curso, do segundo governo de Dilma Rousseff, mais uma situação exemplar de como coexistimos com o Minotauro em seu labirinto. Nas histórias infantis de Monteiro Lobato, seus personagens aquietavam a fúria desse monstro da mitologia com os deliciosos bolinhos de Tia Anastácia, mas na cena aberta diante de nós a tarefa parece ser bem mais complexa.

Ao longo da campanha presidencial, o céu de brigadeiro com que se inicia a jornada da candidata à reeleição logo se vai turvar com a ameaça da candidatura Marina Silva, que, desconstruída com ferramentas sacadas do arsenal do diabo - como Dilma antes de aberta a sucessão prometera fazer, se fosse o caso -, pavimentou o caminho para o crescimento da candidatura de Aécio Neves. Ferramentas de segunda geração foram, então, mobilizadas: o nacional-desenvolvimentismo, antes evocado em surdina, torna-se um dos carros-chefes da campanha, jovens lideranças das redes sociais e das jornadas de junho de 2013 são incorporadas, nem a velha esquerda é esquecida. O nacional-popular, renegado nas origens do PT, teria encontrado um lugar no partido e eventuais energias utópicas poderiam sentir-se liberadas. Foi por um triz, mas foi o que bastou.

Embalada pela vitória eleitoral, a direção política do PT apresentou seu plano de ação, que parecia saído das páginas de A Razão Populista (Três Estrelas, São Paulo, 2013), de Ernesto Laclau - professor emérito de Essex, recentemente falecido -, sofisticado trabalho em que argumenta em favor do paradigma populista como um experimento capaz de combinar com êxito o institucionalismo com as demandas sociais originárias de uma mobilização espontânea do povo. Freud, Lacan, Wittgenstein, mais o Gramsci da teoria da hegemonia suportam sua difícil e tortuosa construção, exercício hermenêutico que conclui no sentido de negar a existência, na cena contemporânea, de ontologias privilegiadas. O mundo do trabalho e seus personagens teriam perdido centralidade em nome da emergência do povo.

Para sua sorte, Dilma conta com Lula. Esse mestre nas artes da revolução passiva não tardou a perceber a gravidade dos riscos de as veleidades populistas dominarem a agenda do novo governo. E barrou-lhes o caminho. Romper com sua política, bem-sucedida em dois mandatos, em meio a uma tempestade perfeita - alta da inflação, crescimento zero, perda de credibilidade interna e internacional -, qualificada pelos malfeitos da Petrobrás, apenas com o aríete de ruas desgostosas da política e do exército Brancaleone reunido às pressas no segundo turno da campanha eleitoral seria marcar um encontro com o desastre.

A intervenção ordenada por ele foi cirúrgica: cooptou-se o programa econômico da candidatura da oposição. Num passe de mágica, voltou-se, como soe acontecer nos labirintos, ao mesmo lugar de 2003, com as elites econômicas, demonizadas no discurso da campanha eleitoral, novamente reconhecidas como parceiras estratégicas do novo governo do PT. A fórmula cáustica "hegemonia às avessas" do sociólogo Francisco de Oliveira, cunhada em 2007, para designar a situação em que "os dominantes consentem em ser politicamente conduzidos pelos dominados" desde que não se questione a "forma da exploração capitalista", tem aí recuperado o seu sentido original, embora continue tão enigmática quanto ao tempo da sua formulação. Ela pode ser própria para quem deseja viver em labirinto, ou tentar sair dele por métodos confusos, quando se perde ainda mais.

Fonte: Luiz Werneck Vianna, O Estado de S.Paulo, 07/12/2014

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Delação premiada do executivo Augusto Ribeiro Mendonça Neto indica que propinas foram depositadas nas contas do PT

Oposição considera ‘gravíssima’ denúncia de que propinas foram depositadas nas contas do PT
Líderes afirmam que não há como a presidente se eximir de responsabilidade

Líderes da Oposição consideraram gravíssima a informação de que parte da propina cobrada por Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras, das empresas que prestavam serviços para a Petrobras foi paga na forma de doação oficial ao Partido dos Trabalhadores no período de 2008 a 2011. A informação consta no depoimento de delação premiada do executivo Augusto Ribeiro Mendonça Neto, que representou várias empresas desde a década de 90, entre elas a Setal Engenharia, depois transformada em Toyo Setal. Os líderes alegam que não há como a presidente Dilma Rousseff se eximir de responsabilidade, se a denúncia for comprovada, porque o candidato é o responsável por suas contas perante o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Os líderes do PSDB se reuniram na tarde desta quarta-feira com o presidente do PSDB, Aécio Neves (MG), para discutir que providências tomar em relação a denúncia do executivo da Toyo Setal. Caberá ao líder do partido na Câmara, Antônio Imbassahy (BA), fazer um pronunciamento na sessão do Congresso Nacional. Dizem que as denúncias estão chegando muito próximas da presidente Dilma: ontem com o depoimento do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, na CPI do Senado; e hoje com a delação premiada de Augusto Ribeiro.

Aécio foi cauteloso em relação à possibilidade de as investigações do Ministério Público levarem a uma situação inevitável de pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Mas disse que o depoimento de Setal dizendo que fez depósitos de propinas do esquema de desvios da Petrobras em contas da campanha do PT em 2010, na época da eleição da presidente, é "extremamente grave e inédita no País".

— Se isso for verdadeiro temos um governo ilegitimo no Brasil. Pela primeira vez estamos assistindo um dos dirigentes de empresas envolvidas nessa organização criminosa que tomou conta da Petrobras dizendo que fez depósitos para o PT em contas no exterior e doações oficiais para a campanha de 2010 — disse Aécio.

O senador tucano diz que não se lembra de ter visto até agora, em todo o processo do Petrolão, algo tão grave como as revelações feitas pelo dirigente da empreiteira Toyo Setal.

— A partir da palavra de um dos membros dessa organização criminosa, ficamos sabendo que empresas entregaram parcelas de recursos ao PT, em contas no exterior e na campanha do PT. Isso merece uma investigação extremamente profunda — disse Aécio.

Os líderes da oposição rejeitam o argumento dos governistas de que a Oposição tenta um “terceiro turno” com a possibilidade de articular um pedido de impeachment da presidente Dilma.

— É o dinheiro das propinas do Petrolão usado oficialmente na campanha da presidente Dilma. Naturalmente a própria presidente, com seu passado, está construindo uma situação de falta de legitimidade que a aproxima do impedimento. O conteúdo da delação do executivo da Toyo Setal, combinado com os outros indícios que apontam para o PT, é explosivo — disse Imbassahy.

O presidente do Democratas, senador José Agripino (RN), disse que, nesse caso, se confirmadas as denúncias da delação do executivo da Toyo Setal, o PT ou Dilma não tem como se eximir de responsabilidade no esquema de desvios bilionário da Petrobras.

— O que aconteceu hoje é gravíssimo. Vamos ver que providência tomar. A técnica de dizer que não sabia como o PT captava o dinheiro para sua campanha não cabe para a presidente Dilma. O candidato é o único responsável por suas contas perante o Tribunal Superior Eleitoral — disse Agripino.

O deputado Miro Teixeira (PROS-RJ), mais cauteloso, diz ser necessário aguardar o desfecho das investigações. Diz que as declarações dos colaboradores precisam ter a subsistência necessária para a produção de provas.

— A confiança no Ministério Público é total. E a investigação tem que alcançar qualquer pessoa que tenha praticado ilegitimidades. Não há que se ter o conceito antecipado à manifestação do Ministério Público — disse Miro.

O vice-presidente do Senado, senador Jorge Viana (PT-AC) disse que a tradicional disputa governo e oposição virou uma tentativa de extensão da eleição de outubro. Alega que o esquema de desvios da Petrobras começou no governo Fernando Henrique Cardoso e envolve também parlamentares do PSDB.

— O senador Aécio teve até uma boa performance na disputa, mas a pior coisa é não saber perder. Esse caso da Petrobas está em boas mãos na CPMI, no Ministério Público, não dá para tirar conclusões precipitadas. Temos que esperar o desmembramento do processo. Não dá para antecipar nada. Do jeito que as coisas estão caminhando, vai sobrar até para o PSDB — disse Viana.

O deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) disse que o delator tem obrigação de apresentar provas que liguem o pagamento das propinas com a doação para o PT, senão fica o dito pelo não dito, já que o partido pode alegar que as doações foram mesmo legais.

— Há que se provar que as doações são fruto de corrupção. Se provar a outra parte, do depósito de dinheiro em contas do partido no exterior, aí o PT é que tem que vir a público das as explicações —disse Lúcio.

Fonte: O Globo, por Maria Lima, 03/12/2014

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Os momentos históricos que o Brasil perdeu para superar o atraso e virar uma grande nação


O Brasil que poderia ter sido

Marcos Guterman

A última disputa eleitoral no Brasil opôs duas visões muito distintas: uma que privilegia a responsabilidade fiscal, o controle da inflação e a livre-iniciativa; e outra que considera o Estado como o grande indutor de desenvolvimento, sem se preocupar com o custo desse modelo para a saúde econômica do País. Como se sabe, o eleitor escolheu a segunda visão, defendida pela presidente Dilma Rousseff e por seu partido, o PT. Isso significa que a maioria do eleitorado chancelou um discurso segundo o qual somente o Estado é capaz de manter os níveis de emprego e renda obtidos nos últimos tempos - quando deveria saber que o gasto estatal excessivo gera inflação e perda de dinamismo econômico e isso, mais cedo ou mais tarde, comprometerá justamente a geração de empregos e a distribuição de renda.

Como mostra o filósofo Antonio Paim em seu extraordinário livro Momentos Decisivos da História do Brasil (Vide Editorial), recentemente relançado, o eleitorado brasileiro parece de fato dar pouca importância ao endividamento do Estado desde que este continue a ser o provedor infalível, garantindo a todos, independente de seus méritos e esforços, o direito a pelo menos um naco de suas gorduras. É a permanência, na mentalidade nacional, da visão de que o Estado é parte do patrimônio pessoal daquele que detém o poder e que para premiar os que lhe dedicam fidelidade distribui prebendas.

O patrimonialismo brasileiro não é novidade, foi estudado já nos anos 1950 por Raymundo Faoro, em seu clássico Os Donos do Poder. O mérito do livro de Paim está em demonstrar que o patrimonialismo e seus efeitos mais evidentes - isto é, o subdesenvolvimento, a corrupção e a desmoralização da política - não são uma fatalidade no Brasil. Eles são fruto de escolha deliberada dos brasileiros.

Houve ao menos três momentos na História nacional - os "momentos decisivos" a que Paim alude em seu trabalho - em que era possível trilhar outro caminho, um que levasse o País à plena realização de seu potencial.

A metodologia de uma história contrafactual, escolhida por Paim, embute o risco de resultar em mera especulação, isto é, apenas um exercício intelectual, sem correspondência com a realidade. Paim não cai nessa armadilha, pois demonstra, com grande erudição e farta documentação, que as alternativas existiam de fato - e foram conscientemente desprezadas cada uma em seu devido tempo, mas sempre tendo como motivação a hostilidade ao investimento e ao lucro privado.

O primeiro "momento decisivo" foi o enfraquecimento do empreendimento açucareiro no início da era colonial, quando o Brasil tinha uma economia mais próspera que a dos Estados Unidos. Paim demonstra que a Inquisição teve papel central nesse processo de destruição ao perseguir os judeus, justamente os maiores investidores da indústria da cana-de-açúcar. Ao lado da Contrarreforma, a Inquisição foi responsável por difundir no Brasil "valores contrários ao enriquecimento". É assim que, na opinião de Paim, a "opção pela pobreza" se torna "uma das mais sólidas tradições da cultura brasileira".

Quando a riqueza da cana foi substituída pela fortuna do ouro, esses recursos não foram usados para atividades produtivas. O grande feito do reinado de dom João V na época foi a construção do fabuloso, mas inútil, Convento de Mafra, cujo esplendor, mostra Paim, é um verdadeiro monumento às escolhas erradas. Nem mesmo as reformas do marquês de Pombal serviram para resgatar o valor do empreendimento privado - ao contrário: a burocracia estatal consolidou-se como a classe dominante em Portugal, pois o Estado era responsável pela promoção da riqueza, uma tradição que permanece no Brasil atual.

O segundo "momento decisivo" foi o sufocamento das iniciativas liberais logo que a República foi instalada. Segundo Paim, o liberalismo, alimentado principalmente no Segundo Reinado, introduziu no País uma nova tradição cultural, capaz de dar o impulso necessário ao desenvolvimento sustentado. No entanto, a República proclamada pelos militares tratou de resgatar o patrimonialismo e os valores da Contrarreforma, resultando num sistema de representação política precário, graças ao qual a solução autoritária esteve sempre no horizonte.

Por fim, Paim localiza o terceiro "momento decisivo" entre os anos 1930 e 1990, quando se frustra a superação dos entraves ao capitalismo e se assegura "o predomínio econômico, social e político da burocracia estatal". Para que isso acontecesse foi necessária a consolidação de um modelo em que a democracia não se exerce por meio de partidos políticos, e sim por forças sociais "ligadas às mais negativas tradições nacionais, a começar do espírito contrarreformista, expresso no ódio ao lucro e à riqueza" - e então o Estado se torna "senhor absoluto da vida econômica do País". Essa situação se cristalizou, diz o historiador, na Constituição de 1988, que ficou amarrada ao gigantismo estatal.

Paim entende que a chegada do PT ao poder, em 2003, evidenciou a resiliência dos setores retrógrados, interessados na manutenção do patrimonialismo tradicional. O loteamento do Estado serviu então à cooptação da base necessária para a manutenção do poder. A força petista é ainda maior porque disfarça o patrimonialismo com o discurso da esquerda dita "progressista", tão caro à intelectualidade que enxerga o problema do desenvolvimento sempre sob o ângulo da luta de classes.

Desse modo, na visão de Paim, os brasileiros em geral tornaram-se indiferentes à corrupção, porque aceitam que a burocracia estatal, poderosa e inalcançável, disponha do ente público como se fosse propriedade particular. Não causa espanto que ministérios sejam distribuídos como capitanias hereditárias, nem que a Petrobrás e outras estatais sejam rapinadas. Em outras palavras, conclui Paim, o patrimonialismo brasileiro é tão vigoroso e entranhado que se tornou "mais forte que a sociedade".

Fonte: O Estado de São Paulo, Opinião, 29 Novembro 2014

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Durante cento e cinquenta anos, liberais foram de esquerda na França


Esquerda Liberal: A Grande Amnésia 

por Alain Cohen-Dumouchel*

O fato de situar os liberais à direita do espectro político é um curioso acidente histórico, para não dizer uma anomalia que não é isenta de consequências sobre o fraco sucesso atual das ideias liberais e sobre sua incompreensão por parte do público. Pois parece claro que um movimento político não se define apenas por suas ideias, sua doutrina, sua filosofia, mas também por aquelas que ele combate.

Durante cento e cinquenta anos, os liberais ocuparam os bancos da esquerda na França. De 1789 a 1930, os liberais e seus movimentos afiliados se sentaram majoritariamente à esquerda. Em 1840, os deputados mais puramente liberais ocupavam a extrema esquerda da assembleia. Não contente de combater a direita nacionalista, clerical, corporativista e protecionista, eles se destacavam mesmo de outros liberais, mais lestos no compromisso com o poder. A outra esquerda, a esquerda jacobina, estava nessa época completamente desacreditada. A lembrança de suas violências e de seus fracassos econômicos e financeiros estava ainda fresca na memória dos franceses.

Essa esquerda liberal, esses “economistas” como se chamavam, militavam pela democracia republicana, pelo livre comércio, pela educação gratuita e obrigatória, pela universidade livre, pela liberdade sindical e de associação, pelo estado de direito, o respeito aos contratos e à propriedade privada individual, e por uma verdadeira laicidade. Eles lutavam contra as uniões (1) e comitês de patrões que buscavam influenciar os poderes públicos para obter a exclusão dos produtos estrangeiros. Eles restabeleceram a liberdade sindical e de associação interditadas pelos jacobinos logo após a Revolução. Eles igualmente aboliram a escravidão por duas vezes, antes e depois de Napoleão. Eles eram contados entre os raros membros da Assembleia que se opunham à colonização (sem serem unânimes na questão) bem ao contrário do socialismo crescente.

Até o meio do século XIX, a esquerda era quase exclusivamente o partido do indivíduo, contra a direita, que era o partido do coletivo, da família, da pátria e da religião. A virada da esquerda ao coletivo, tímida em 1830, se intensifica em 1848 e irá crescendo até o fim do século. A presença à esquerda de liberais republicanos ou radicais se mantém até o começo do século XX. É notável que nesse momento, o crescimento do socialismo faz desaparecer os liberais da esquerda sem contudo os jogar para a direita. Com a chegada do socialismo, são os princípios de 89 que são esquecidos e que desaparecem, sem serem retomados pela direita, sempre nacionalista, clerical e protecionista.

A guinada política liberal “de direita” não aparecerá até bem mais tarde, após 1945 em reação à dominação do marxismo entre os intelectuais (2). Ela continuará extremamente minoritária na França, ao contrário do liberalismo “de esquerda” que participou ativamente do poder durante todo o século XIX.

O que é assaz (3) extraordinário é que esse pertencimento dos liberais à esquerda é hoje mais que esquecido. Pode-se afirmar que ele foi apagado, ou seja, voluntariamente ocultado. Essa amnésia supreendente é obra principalmente da esquerda socialista porém é igualmente perceptível no seio dos liberais, dentre os quais alguns parecem se acomodar em e mesmo reinvidicar sua classificação à direita.

Uma das manifestações mais visíveis desse revisionismo histórico surge na invenção e no emprego constante na imprensa dos termos: “primeira” e “segunda” esquerda. O termo “segunda esquerda” foi inventado pelos jornalistas Hervé Hamon e Patrick Rotman na sua obra “A Segunda Esquerda: História Intelectual e Política da CFDT” (4). Ele foi retomado e tronado célebre através do famoso discurso de Michel Rocard sobre as duas cultura da esquerda, pronunciado aquando do congresso do Partido Socialista em Nantes em junho de 1977.

A “segunda esquerda” se define pela sua oposição à esquerda marxista, centralizadora e jacobina. Continuando a ser definitivamente anticapitalista apesar de demonstrar um certo realismo econômico, a “segunda esquerda” se quer descentralizadora, auto gestionária e afirma levar em conta a participação dos “cidadãos” (o conceito de indivíduo sendo ainda um tabu).

A noção ditadura do proletariado é aí excluída e, novidade, essa esquerda comporta em seu meio alguns social-democratas cristãos oriundos da CFTC (confederação francesa dos trabalhadores cristãos). Bem entendido, a denominação de”segunda esquerda” sustentada pela rocardianos (5) e largamente utilizada desde então por toda a imprensa sugere e mesmo impõe aos franceses a ideia que antes da primeira esquerda (a marxista coletivista) havia… nada. Incrível, os bancos à esquerda da assembleia se encontravam então vazios antes que os socialistas e marxistas os invadissem?

Contudo, a criação do Partido Socialista é bem tardia na França. É preciso esperar até 1905 para que os numerosos micro-partidos de obediência socialista se unissem para criar a SFIO (seção francesa da internacional operária), ancestral da formação política que conhecemos atualmente.

No fim do século XIX os primeros socialistas a serem eleitos deputados são independentes, tal qual Jean Jaurès, o mais conhecido entre eles. Quanto aos comunistas, não aparecerão na assembleia até a cisão do congresso de Tours em 1920.

Então, infelizmente para os inventores da “segunda esquerda”, antes da auto-intitulada “primeira” esquerda da SFIO (6) ou stalinista, havia uma outra esquerda, individualista, liberal e republicana, que os socialistas querem absolutamente apagar da história. Nessa numeração socialista das esquerdas seria preciso chamá-la de “esquerda menos um”.

Um dos paradoxos dessa ocultação da esquerda liberal, é que ao querer fazer crer que a história da esquerda começa com aquela do socialismo, os inventores da “segunda esquerda” empregam, mais ou menos conscientemente, os métodos da esquerda stalinista que eles pretendem combater.

Notas do tradutor

(1) – Não fica claro se uniões são um tipo específico de associação de patrões: “Ils luttaient contre les unions et comités de patrons qui cherchaient à influencer les pouvoirs publics pour obtenir l’exclusion des produits étrangers.“

(2) – O autor escreve “La mouvance politique libérale “de droite” n’apparaîtra que bien plus tard, au lendemain de 1945 en réaction à la domination de l’intellectualisme marxiste.” Não fica claro se intelectualismo é um termo corrente ou um neologismo querendo dizer o grupo de intelectuais e suas obras marxistas no pós-guerra do século XX.

(3) – É divertido usar assaz para assez, os portugueses usavam até o século passado. Mas é hipster.

(4) – Hervé Hamon, Patrick Rotman, La deuxième gauche : histoire intellectuelle et politique de la CFDT (na minha rápida busca, não encontrei referência à primeira edição).

(5) – Seguidores de Michel Rocard, político francês socialista, ex-primeiro-ministro, senador, etc.

(6) – Após a cisão entre socialistas e comunistas, socialistas continuaram na SFIO sob a liderança de um de seus fundadores, Jules Guesdes, sendo chamados deguesdistes: “Donc, malheureusement pour les inventeurs de la “deuxième gauche”, avant la soi-disant “première” gauche guesdiste ou stalinienne…“

Tradução de Raphael Moras de Vasconcellos do artigo “Gauche libérale, la grande amnésie”, de Alain Cohen-Dumouchel no endereço www.gaucheliberale.org em 26 nov. 2013

Ver também
O Liberalismo, que nasceu à esquerda, precisa voltar às suas raízes.

Fonte: Blog Monsieur Moras, 08/03/2014

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Vamos protestar pessoalmente ou por e-mail contra a aprovação do PLN 36/2014 que visa derrubar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para livrar a cara da Dilma do crime de irresponsabilidade fiscal


Na próxima terça-feira, às 12 horas, no Congresso Nacional, o governo e sua base comprada tentarão novamente derrubar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Quem puder compareça ao Congresso para apoiar à oposição minoritária em sua dura tarefa de combater mais esse abuso de dona Dilma e asseclas. Quem não puder comparecer ao Congresso que envie e-mails para suas excelências a fim de constrangê-las a não votar essa estrovenga vigarista e autoritária. Segue dados sobre a LDO (tirados do Blog do Coronel) e os e-mails dos parlamentares. Escrevam contra o PLN 36/2014 que visa derrubar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para livrar a cara da Dilma.

A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) orienta a preparação dos Orçamentos Públicos, definindo quais as despesas serão ou não obrigatórias e, entre outros pontos, qual deverá ser a poupança a ser feita pelo país.

Na hipótese de descumprimento da meta de superávit primário, nome técnico para a poupança no setor público, a irresponsabilidade fiscal é definida como crime de responsabilidade (Lei número 1.079/1950). A Lei 1.079, o capítulo VI, trata dos crimes contra a lei orçamentária. Diz o artigo 10º, no seu item 4, que é crime de responsabilidade: “infringir, patentemente, e de qualquer modo, dispositivo da lei orçamentária.”

Dilma não cumpriu a lei e recaiu em crime de responsabilidade. Pra livrar a cara da picareta, o governo e sua base comprada querem aprovar, no Congresso Nacional, o Projeto de Lei de número 36/2014, uma manobra ilegal e imoral que consiste em retirar dos gastos totais do governo o dinheiro utilizado no PAC,  levando falsamente ao escamoteamento da irresponsabilidade fiscal de Dilma e livrando-a de penalização. Se você não cumprir a lei, agora o negócio é mudar a lei para fugir de punição.

Mailing Deputados Federais
dep.abelardocamarinha@camara.leg.br; dep.abelardolupion@camara.leg.br; dep.acelinopopo@camara.leg.br; dep.ademircamilo@camara.leg.br; dep.adrian@camara.leg.br; dep.aeltonfreitas@camara.leg.br; dep.afonsoflorence@camara.leg.br; dep.afonsohamm@camara.leg.br; dep.aguinaldoribeiro@camara.leg.br; dep.akiraotsubo@camara.leg.br; dep.albertofilho@camara.leg.br; dep.alceumoreira@camara.leg.br; dep.alessandromolon@camara.leg.br; dep.alexcanziani@camara.leg.br; dep.alexandreleite@camara.leg.br; dep.alexandreroso@camara.leg.br; dep.alexandresantos@camara.leg.br; dep.alexandresilveira@camara.leg.br; dep.alexandretoledo@camara.leg.br; dep.alfredokaefer@camara.leg.br; dep.alfredosirkis@camara.leg.br; dep.aliceportugal@camara.leg.br; dep.alinecorrea@camara.leg.br; dep.almeidalima@camara.leg.br; dep.amauriteixeira@camara.leg.br; dep.amirlando@camara.leg.br; dep.andersonferreira@camara.leg.br; dep.andredepaula@camara.leg.br; dep.andrefigueiredo@camara.leg.br; dep.andremoura@camara.leg.br; dep.andrevargas@camara.leg.br; dep.andrezacharow@camara.leg.br; dep.andreiazito@camara.leg.br; dep.angeloagnolin@camara.leg.br; dep.angelovanhoni@camara.leg.br; dep.anibalgomes@camara.leg.br; dep.anselmodejesus@camara.leg.br; dep.anthonygarotinho@camara.leg.br; dep.antonialucia@camara.leg.br; dep.antonioandrade@camara.leg.br; dep.antoniobalhmann@camara.leg.br; dep.antoniobrito@camara.leg.br; dep.antoniobulhoes@camara.leg.br; dep.antoniocarlosmendesthame@camara.leg.br; dep.antonioimbassahy@camara.leg.br; dep.ariostoholanda@camara.leg.br; dep.arlindochinaglia@camara.leg.br; dep.armandovergilio@camara.leg.br; dep.arnaldofariadesa@camara.leg.br; dep.arnaldojardim@camara.leg.br; dep.arnaldojordy@camara.leg.br; dep.arnonbezerra@camara.leg.br; dep.aroldedeoliveira@camara.leg.br; dep.arthurlira@camara.leg.br; dep.arthuroliveiramaia@camara.leg.br; dep.arturbruno@camara.leg.br; dep.assiscarvalho@camara.leg.br; dep.assisdocouto@camara.leg.br; dep.assismelo@camara.leg.br; dep.atilalins@camara.leg.br; dep.atilalira@camara.leg.br; dep.augustocoutinho@camara.leg.br; dep.aureo@camara.leg.br; dep.beneditadasilva@camara.leg.br; dep.benjaminmaranhao@camara.leg.br; dep.berinhobantim@camara.leg.br; dep.bernardosantanadevasconcellos@camara.leg.br; dep.betinhorosado@camara.leg.br; dep.betoalbuquerque@camara.leg.br; dep.betofaro@camara.leg.br; dep.betomansur@camara.leg.br; dep.biffi@camara.leg.br; dep.bilacpinto@camara.leg.br; dep.bohngass@camara.leg.br; dep.bonifaciodeandrada@camara.leg.br; dep.brunafurlan@camara.leg.br; dep.brunoaraujo@camara.leg.br; dep.camilocola@camara.leg.br; dep.candidovaccarezza@camara.leg.br; dep.carlosalbertolereia@camara.leg.br; dep.carlosbezerra@camara.leg.br; dep.carlosbrandao@camara.leg.br; dep.carloseduardocadoca@camara.leg.br; dep.carlosmagno@camara.leg.br; dep.carlosmanato@camara.leg.br; dep.carlosmelles@camara.leg.br; dep.carlossampaio@camara.leg.br; dep.carloszarattini@camara.leg.br; dep.celsomaldaner@camara.leg.br; dep.cesarcolnago@camara.leg.br; dep.cesarhalum@camara.leg.br; dep.chicoalencar@camara.leg.br; dep.chicodasverduras@camara.leg.br; dep.chicolopes@camara.leg.br; dep.claudiocajado@camara.leg.br; dep.claudioputy@camara.leg.br; dep.cleberverde@camara.leg.br; dep.dalvafigueiredo@camara.leg.br; dep.damiaofeliciano@camara.leg.br; dep.danielalmeida@camara.leg.br; dep.danilocabral@camara.leg.br; dep.daniloforte@camara.leg.br; dep.danrleidedeushinterholz@camara.leg.br; dep.darcisioperondi@camara.leg.br; dep.davialcolumbre@camara.leg.br; dep.davialvessilvajunior@camara.leg.br; dep.deciolima@camara.leg.br; dep.delegadoprotogenes@camara.leg.br; dep.devanirribeiro@camara.leg.br; dep.diegoandrade@camara.leg.br; dep.dilceusperafico@camara.leg.br; dep.dimasfabiano@camara.leg.br; dep.domingosdutra@camara.leg.br;; dep.domingosneto@camara.leg.br; dep.domingossavio@camara.leg.br; dep.dr.adilsonsoares@camara.leg.br; dep.dr.carlosalberto@camara.leg.br; dep.dr.grilo@camara.leg.br; dep.dr.jorgesilva@camara.leg.br; dep.dr.luizfernando@camara.leg.br; dep.dr.paulocesar@camara.leg.br; dep.dr.rosinha@camara.leg.br; dep.dr.ubiali@camara.leg.br; dep.duartenogueira@camara.leg.br; dep.dudimarpaxiuba@camara.leg.br; dep.edinhoaraujo@camara.leg.br; dep.edinhobez@camara.leg.br; dep.ediolopes@camara.leg.br; dep.edmararruda@camara.leg.br; dep.edsonaparecido@camara.leg.br; dep.edsonezequiel@camara.leg.br; dep.edsonpimenta@camara.leg.br; dep.edsonsantos@camara.leg.br; dep.edsonsilva@camara.leg.br; dep.eduardobarbosa@camara.leg.br; dep.eduardocunha@camara.leg.br; dep.eduardodafonte@camara.leg.br; dep.eduardogomes@camara.leg.br; dep.eduardosciarra@camara.leg.br; dep.efraimfilho@camara.leg.br; dep.elcionebarbalho@camara.leg.br; dep.eleusespaiva@camara.leg.br; dep.elicorreafilho@camara.leg.br; dep.elienelima@camara.leg.br; dep.eliseupadilha@camara.leg.br; dep.emanuelfernandes@camara.leg.br; dep.emilianojose@camara.leg.br; dep.eniobacci@camara.leg.br; dep.erikakokay@camara.leg.br; dep.eriveltonsantana@camara.leg.br; dep.erosbiondini@camara.leg.br; dep.esperidiaoamin@camara.leg.br; dep.eudesxavier@camara.leg.br; dep.euricojunior@camara.leg.br; dep.evandromilhomen@camara.leg.br; dep.fabiofaria@camara.leg.br; dep.fabioramalho@camara.leg.br; dep.fabioreis@camara.leg.br; dep.fabiosouto@camara.leg.br; dep.fabiotrad@camara.leg.br; dep.fatimabezerra@camara.leg.br; dep.fatimapelaes@camara.leg.br; dep.felipebornier@camara.leg.br; dep.felipemaia@camara.leg.br; dep.felixmendoncajunior@camara.leg.br; dep.fernandocoelhofilho@camara.leg.br; dep.fernandoferro@camara.leg.br; dep.fernandofrancischini@camara.leg.br; dep.fernandotorres@camara.leg.br; dep.filipepereira@camara.leg.br; dep.flaviamorais@camara.leg.br; dep.flavianomelo@camara.leg.br; dep.franciscochagas@camara.leg.br; dep.franciscodeassis@camara.leg.br; dep.franciscofloriano@camara.leg.br; dep.franciscopraciano@camara.leg.br; dep.franciscotenorio@camara.leg.br; dep.gabrielchalita@camara.leg.br; dep.gabrielguimaraes@camara.leg.br; dep.gastaovieira@camara.leg.br; dep.geneciasnoronha@camara.leg.br; dep.georgehilton@camara.leg.br; dep.geraldoresende@camara.leg.br; dep.geraldosimoes@camara.leg.br; dep.geraldothadeu@camara.leg.br; dep.giacobo@camara.leg.br; dep.giovanicherini@camara.leg.br; dep.giovanniqueiroz@camara.leg.br; dep.givaldocarimbao@camara.leg.br; dep.gladsoncameli@camara.leg.br; dep.glauberbraga@camara.leg.br; dep.gonzagapatriota@camara.leg.br; dep.goretepereira@camara.leg.br; dep.guilhermecampos@camara.leg.br; dep.guilhermemussi@camara.leg.br; dep.gustavopetta@camara.leg.br; dep.helciosilva@camara.leg.br; dep.heliosantos@camara.leg.br; dep.henriqueafonso@camara.leg.br; dep.henriqueeduardoalves@camara.leg.br; dep.henriquefontana@camara.leg.br; dep.henriqueoliveira@camara.leg.br; dep.hermesparcianello@camara.leg.br; dep.heulercruvinel@camara.leg.br; dep.hugoleal@camara.leg.br; dep.hugomotta@camara.leg.br; dep.hugonapoleao@camara.leg.br; dep.iarabernardi@camara.leg.br; dep.inocenciooliveira@camara.leg.br; dep.iracemaportella@camara.leg.br; dep.irajaabreu@camara.leg.br; dep.irinylopes@camara.leg.br; dep.irisdearaujo@camara.leg.br; dep.ivanvalente@camara.leg.br; dep.izalci@camara.leg.br; dep.jaimemartins@camara.leg.br; dep.jairbolsonaro@camara.leg.br; dep.jairoataide@camara.leg.br; dep.jandirafeghali@camara.leg.br; dep.janetecapiberibe@camara.leg.br; dep.janeterochapieta@camara.leg.br; dep.janionatal@camara.leg.br; dep.jaquelineroriz@camara.leg.br; dep.jeanwyllys@camara.leg.br; dep.jeffersoncampos@camara.leg.br; dep.jeronimogoergen@camara.leg.br; dep.jesusrodrigues@camara.leg.br; dep.jhonatandejesus@camara.leg.br; dep.jomoraes@camara.leg.br; dep.joaoananias@camara.leg.br; dep.joaoarruda@camara.leg.br; dep.joaobittar@camara.leg.br; dep.joaocampos@camara.leg.br; dep.joaocarlosbacelar@camara.leg.br; dep.joaodado@camara.leg.br; dep.joaoleao@camara.leg.br;dep.joaolyra@camara.leg.br; dep.joaomagalhaes@camara.leg.br; dep.joaomaia@camara.leg.br; dep.joaopaulolima@camara.leg.br; dep.joaopizzolatti@camara.leg.br; dep.joaorodrigues@camara.leg.br; dep.jorgebittar@camara.leg.br; dep.jorgeboeira@camara.leg.br; dep.jorgecortereal@camara.leg.br; dep.jorgetadeumudalen@camara.leg.br; dep.jorginhomello@camara.leg.br; dep.joseairton@camara.leg.br; dep.joseanibal@camara.leg.br; dep.joseaugustomaia@camara.leg.br; dep.josecarlosaraujo@camara.leg.br; dep.josechaves@camara.leg.br; dep.joseguimaraes@camara.leg.br; dep.josehumberto@camara.leg.br; dep.joselinhares@camara.leg.br; dep.josementor@camara.leg.br; dep.josenunes@camara.leg.br; dep.joseotaviogermano@camara.leg.br; dep.josepriante@camara.leg.br; dep.joserocha@camara.leg.br; dep.josestedile@camara.leg.br; dep.josiasgomes@camara.leg.br; dep.josuebengtson@camara.leg.br; dep.jovairarantes@camara.leg.br; dep.juliocampos@camara.leg.br; dep.juliocesar@camara.leg.br; dep.juliodelgado@camara.leg.br; dep.juliolopes@camara.leg.br; dep.juniorcoimbra@camara.leg.br dep.junjiabe@camara.leg.br; dep.jutahyjunior@camara.leg.br; dep.keikoota@camara.leg.br; dep.laelvarella@camara.leg.br; dep.laerciooliveira@camara.leg.br; dep.lauriete@camara.leg.br; dep.lazarobotelho@camara.leg.br; dep.leandrovilela@camara.leg.br; dep.lelocoimbra@camara.leg.br; dep.leonardomonteiro@camara.leg.br; dep.leonardopicciani@camara.leg.br; dep.leonardoquintao@camara.leg.br; dep.leopoldomeyer@camara.leg.br; dep.liliamsa@camara.leg.br; dep.lincolnportela@camara.leg.br; dep.liramaia@camara.leg.br; dep.lourivalmendes@camara.leg.br; dep.lucichoinacki@camara.leg.br; dep.lucianasantos@camara.leg.br; dep.lucianocastro@camara.leg.br; dep.luciovale@camara.leg.br; dep.luciovieiralima@camara.leg.br; dep.luiscarlosheinze@camara.leg.br; dep.luistibe@camara.leg.br; dep.luizalberto@camara.leg.br; dep.luizargolo@camara.leg.br; dep.luizcarlos@camara.leg.br; dep.luizcarlosbusato@camara.leg.br; dep.luizcarloshauly@camara.leg.br; dep.luizcouto@camara.leg.br; dep.luizdedeus@camara.leg.br; dep.luizfernandofaria@camara.leg.br; dep.luizfernandomachado@camara.leg.br; dep.luiznishimori@camara.leg.br; dep.luizotavio@camara.leg.br; dep.luizpitiman@camara.leg.br; dep.luizsergio@camara.leg.br; dep.luizaerundina@camara.leg.br; dep.magdamofatto@camara.leg.br; dep.magela@camara.leg.br; dep.majorfabio@camara.leg.br; dep.mandetta@camara.leg.br; dep.manoeljunior@camara.leg.br; dep.manoelsalviano@camara.leg.br; dep.manuelrosaneca@camara.leg.br; dep.manueladavila@camara.leg.br; dep.maragabrilli@camara.leg.br; dep.marcalfilho@camara.leg.br; dep.marceloaguiar@camara.leg.br; dep.marcelocastro@camara.leg.br; dep.marcelomatos@camara.leg.br; dep.marciobittar@camara.leg.br; dep.marciofranca@camara.leg.br; dep.marciomacedo@camara.leg.br; dep.marciomarinho@camara.leg.br; dep.marcomaia@camara.leg.br; dep.marcotebaldi@camara.leg.br; dep.marcon@camara.leg.br; dep.marcosmedrado@camara.leg.br; dep.marcosmontes@camara.leg.br; dep.marcosrogerio@camara.leg.br; dep.marcuspestana@camara.leg.br; dep.margaridasalomao@camara.leg.br; dep.mariadorosario@camara.leg.br; dep.marialuciaprandi@camara.leg.br; dep.marinharaupp@camara.leg.br; dep.mariofeitoza@camara.leg.br; dep.marllossampaio@camara.leg.br; dep.mauricioquintellalessa@camara.leg.br; dep.mauriciotrindade@camara.leg.br; dep.maurobenevides@camara.leg.br; dep.maurolopes@camara.leg.br; dep.mauromariani@camara.leg.br; dep.mendoncafilho@camara.leg.br; dep.mendoncaprado@camara.leg.br; dep.miguelcorrea@camara.leg.br; dep.miltonmonti@camara.leg.br; dep.miriquinhobatista@camara.leg.br; dep.miroteixeira@camara.leg.br; dep.missionariojoseolimpio@camara.leg.br; dep.moreiramendes@camara.leg.br; dep.narciorodrigues@camara.leg.br; dep.nelsonmarchezanjunior@camara.leg.br; dep.nelsonmarquezelli@camara.leg.br; dep.nelsonmeurer@camara.leg.br; dep.nelsonpadovani@camara.leg.br; dep.nelsonpellegrino@camara.leg.br; dep.newtoncardoso@camara.leg.br; dep.newtonlima@camara.leg.br; dep.nicelobao@camara.leg.br; dep.nildagondim@camara.leg.br; dep.nilmariomiranda@camara.leg.br; dep.nilsonleitao@camara.leg.br; dep.nilsonpinto@camara.leg.br; dep.niltoncapixaba@camara.leg.br; dep.odaircunha@camara.leg.br; dep.odiliobalbinotti@camara.leg.br; dep.onofresantoagostini@camara.leg.br; dep.onyxlorenzoni@camara.leg.br; dep.osmarjunior@camara.leg.br; dep.osmarserraglio@camara.leg.br; dep.osmarterra@camara.leg.br; dep.osvaldoreis@camara.leg.br; dep.otavioleite@camara.leg.br; dep.otoniellima@camara.leg.br; dep.ozieloliveira@camara.leg.br; dep.padrejoao@camara.leg.br;; dep.padreton@camara.leg.br; dep.paeslandim@camara.leg.br; dep.pastoreurico@camara.leg.br; dep.pastormarcofeliciano@camara.leg.br; dep.pauderneyavelino@camara.leg.br; dep.paulao@camara.leg.br; dep.pauloabiackel@camara.leg.br; dep.paulobornhausen@camara.leg.br; dep.paulocesarquartiero@camara.leg.br; dep.paulofeijo@camara.leg.br; dep.paulofoletto@camara.leg.br; dep.paulofreire@camara.leg.br; dep.paulomagalhaes@camara.leg.br; dep.paulomaluf@camara.leg.br; dep.paulopereiradasilva@camara.leg.br; dep.paulopimenta@camara.leg.br; dep.paulorubemsantiago@camara.leg.br; dep.pauloteixeira@camara.leg.br; dep.paulowagner@camara.leg.br; dep.pedrochaves@camara.leg.br; dep.pedroeugenio@camara.leg.br; dep.pedrofernandes@camara.leg.br; dep.pedronovais@camara.leg.br; dep.pedropaulo@camara.leg.br; dep.penna@camara.leg.br; dep.pepevargas@camara.leg.br; dep.perpetuaalmeida@camara.leg.br; dep.pintoitamaraty@camara.leg.br; dep.policarpo@camara.leg.br; dep.professorsetimo@camara.leg.br; dep.professoradorinhaseabrarezende@camara.leg.br; dep.raimundogomesdematos@camara.leg.br; dep.ratinhojunior@camara.leg.br; dep.raulhenry@camara.leg.br; dep.raullima@camara.leg.br; dep.rebeccagarcia@camara.leg.br; dep.reginaldolopes@camara.leg.br; dep.reguffe@camara.leg.br; dep.reinaldoazambuja@camara.leg.br; dep.reinholdstephanes@camara.leg.br; dep.renanfilho@camara.leg.br; dep.renatomolling@camara.leg.br; dep.renatosimoes@camara.leg.br; dep.renzobraz@camara.leg.br; dep.ricardoizar@camara.leg.br; dep.ricardotripoli@camara.leg.br; dep.robertobalestra@camara.leg.br; dep.robertobritto@camara.leg.br; dep.robertodelucena@camara.leg.br; dep.robertodorner@camara.leg.br; dep.robertofreire@camara.leg.br; dep.robertosantiago@camara.leg.br; dep.robertoteixeira@camara.leg.br; dep.rodrigobethlem@camara.leg.br; dep.rodrigodecastro@camara.leg.br; dep.rodrigogarcia@camara.leg.br; dep.rodrigomaia@camara.leg.br; dep.rogeriocarvalho@camara.leg.br; dep.rogeriopeninhamendonca@camara.leg.br; dep.romario@camara.leg.br; dep.ronaldobenedet@camara.leg.br; dep.ronaldocaiado@camara.leg.br; dep.ronaldofonseca@camara.leg.br; dep.ronaldozulke@camara.leg.br; dep.rosaneferreira@camara.leg.br; dep.rosedefreitas@camara.leg.br; dep.rosinhadaadefal@camara.leg.br; dep.rubensbueno@camara.leg.br; dep.rubensotoni@camara.leg.br; dep.ruicosta@camara.leg.br; dep.ruycarneiro@camara.leg.br; dep.sabinocastelobranco@camara.leg.br; dep.saguasmoraes@camara.leg.br; dep.salvadorzimbaldi@camara.leg.br; dep.sandesjunior@camara.leg.br; dep.sandrarosado@camara.leg.br; dep.sandroalex@camara.leg.br; dep.sandromabel@camara.leg.br; dep.saraivafelipe@camara.leg.br; dep.sarneyfilho@camara.leg.br; dep.sebastiaobalarocha@camara.leg.br; dep.sergiobrito@camara.leg.br; dep.sergiomoraes@camara.leg.br; dep.sergiozveiter@camara.leg.br; dep.sibamachado@camara.leg.br; dep.silascamara@camara.leg.br; dep.silviocosta@camara.leg.br; dep.simaosessim@camara.leg.br; dep.simplicioaraujo@camara.leg.br; dep.stefanoaguiar@camara.leg.br; dep.stepannercessian@camara.leg.br; dep.subtenentegonzaga@camara.leg.br; dep.suelividigal@camara.leg.br; dep.takayama@camara.leg.br; dep.taumaturgolima@camara.leg.br; dep.thiagopeixoto@camara.leg.br; dep.tiririca@camara.leg.br; dep.toninhopinheiro@camara.leg.br; dep.urzenirocha@camara.leg.br; dep.valadaresfilho@camara.leg.br; dep.valmirassuncao@camara.leg.br; dep.valtenirpereira@camara.leg.br; dep.vanderloubet@camara.leg.br; dep.vanderleimacris@camara.leg.br; dep.vanderleisiraque@camara.leg.br; dep.vazdelima@camara.leg.br; dep.vicentearruda@camara.leg.br; dep.vicentecandido@camara.leg.br; dep.vicentinho@camara.leg.br; dep.vieiradacunha@camara.leg.br; dep.vilalba@camara.leg.br; dep.vilmarrocha@camara.leg.br; dep.vilsoncovatti@camara.leg.br; dep.viniciusgurgel@camara.leg.br; dep.vitorpaulo@camara.leg.br; dep.vitorpenido@camara.leg.br; dep.waldenorpereira@camara.leg.br; dep.waldirmaranhao@camara.leg.br; dep.walneyrocha@camara.leg.br; dep.waltertosta@camara.leg.br; dep.wandenkolkgoncalves@camara.leg.br; dep.washingtonreis@camara.leg.br; dep.welitonprado@camara.leg.br; dep.wellingtonfagundes@camara.leg.br; dep.wellingtonroberto@camara.leg.br; dep.wevertonrocha@camara.leg.br; dep.williamdib@camara.leg.br; dep.wilsonfilho@camara.leg.br; dep.wladimircosta@camara.leg.br; dep.wolneyqueiroz@camara.leg.br; dep.zegeraldo@camara.leg.br; dep.zesilva@camara.leg.br; dep.zevieira@camara.leg.br; dep.zecadirceu@camara.leg.br; dep.zequinhamarinho@camara.leg.br; dep.zoinho@camara.leg.br;

Mailing dos Senadores

acir@senador.leg.br; aecio.neves@senador.leg.br; alfredo.nascimento@senador.leg.br; aloysionunes.ferreira@senador.leg.br; ana.amelia@senadora.leg.br; ana.rita@senadora.leg.br; angela.portela@senadora.leg.br; anibal.diniz@senador.leg.br; antonio.aureliano@senador.leg.br; antoniocarlosvaladares@senador.leg.br; armando.monteiro@senador.leg.br; ataides.oliveira@senador.leg.br;; benedito.lira@senador.leg.br; blairomaggi@senador.leg.br; casildomaldaner@senador.leg.br; cassio@senador.leg.br; cicero.lucena@senador.leg.br; ciro.nogueira@senador.leg.br; cristovam@senador.leg.br; cyro.miranda@senador.leg.br; delcidio.amaral@senador.leg.br; eduardo.amorim@senador.leg.br; eduardo.braga@senador.leg.br; eduardo.suplicy@senador.leg.br; ecafeteira@senador.leg.br; eunicio.oliveira@senador.leg.br; fernando.collor@senador.leg.br; flexaribeiro@senador.leg.br; francisco.dornelles@senador.leg.br; gim.argello@senador.leg.br; gleisi@senadora.leg.br; humberto.costa@senador.leg.br; inacioarruda@senador.leg.br; ivo.cassol@senador.leg.br; ivonete.dantas@senadora.leg.br; jader.barbalho@senador.leg.br; jarbas.vasconcelos@senador.leg.br;jayme.campos@senador.leg.br; joao.alberto@senador.leg.br; capi@senador.leg.br; joaodurval@senador.leg.br; j.v.claudino@senador.leg.br; jorgeviana.acre@senador.leg.br; jose.agripino@senador.leg.br; gab.josepimentel@senado.leg.br; sarney@senador.leg.br; katia.abreu@senadora.leg.br; lidice.mata@senadora.leg.br; lindbergh.farias@senador.leg.br; lobaofilho@senador.leg.br; lucia.vania@senadora.leg.br; luizhenrique@senador.leg.br; magnomalta@senador.leg.br; crivella@senador.leg.br; maria.carmo@senadora.leg.br; mario.couto@senador.leg.br; martasuplicy@senadora.leg.br; mozarildo@senador.leg.br; paulobauer@senador.leg.br; paulodavim@senador.leg.br; paulopaim@senador.leg.br; simon@senador.leg.br; pedrotaques@senador.leg.br; randolfe.rodrigues@senador.leg.br; renan.calheiros@senador.leg.br; ricardoferraco@senador.leg.br; roberto.requiao@senador.leg.br; rollemberg@senador.leg.br; romero.juca@senador.leg.br; ruben.figueiro@senador.gov.br; sergiopetecao@senador.leg.br; valdir.raupp@senador.leg.br; vanessa.grazziotin@senadora.leg.br; vicentinho.alves@senador.leg.br; vital.rego@senador.leg.br; waldemir.moka@senador.leg.br; pinheiro@senador.leg.br; wellington.dias@senador.leg.br; wilder.morais@senador.leg.br; wilsonmatos@senador.leg.br; zeze.perrella@senador.leg.br;

Com informações de Blog do Coronel

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Jean Wyllys à deriva num mar de incoerências

Jean Wyllys de Che Guevara: o desplante intelectual em seu apogeu.

Um estudo sobre Jean Wyllys
Por: Lorenzo Dumas (crônica de um encontro fictício com Jean Wyllys)


Ornado por um terno preto de corte justo, com os cabelos desgrenhados tombados em um rosto seduzido pelo desleixo de uma barba por fazer, Jean Wyllys surge à distância e se põe a caminho do Congresso Nacional sob o rangido dos seus sapatos de couro custeados pelo dinheiro público. Os olhos fatigados de quem luta contra si mais do que contra os outros se perdem no horizonte solitário que o tempo pincelou de cinza. A gravata rosa, enroscada em seu pescoço como uma naja indiana, verte a exuberância simbólica de sua cor camisa abaixo, enquanto o resplendor de um arco íris em miniatura pendura-se como distintivo na altura do coração. 

À medida que progride, a passada leve desenha o seu caminhar ágil, fazendo os cabelos hollywoodianos recém alisados sacudirem cinematograficamente. Ao que parece, nem a moda cubana, nem a norte-coreana são agraciadas a ponto de compor o vestuário do deputado socialista, que elege, sensatamente, as tendências americanas como o molde de sua aparência. Mas sensatez em um cínico não passa de hipocrisia. Jean Wyllys, que hoje se parece mais com o personagem Jon Snow do seriado ''imperialista'' Game of Thrones, já foi visto travestido de Che Guevara em determinada ocasião, com direito a boina com broche de arco íris, no entanto, presumo que tal acontecimento tenha se dado mais por fetiche de quem ele considera um macho alfa de coturno do que por apego propriamente dito às novidades da indústria fashion cubana. 

Os socialistas amam a tal ponto a América que querem fazer do capitalismo um clube, cujas benesses somente eles podem usufruir às custas dos outros. A isso denomina-se comunismo. O socialismo ''progressista'' do vencedor do Big Brother Brasil 5, expressão máxima da cultura de massa e do capitalismo, assim como o socialismo ''revolucionário'' de Che Guevara, que ao ser capturado na selva ostentava um Rolex de ouro em seu punho esquerdo, é como o canto sedutor das sereias gregas que atraíam os marinheiros para a sua própria morte. Na lenda, Odisseu amarra o seu corpo no mastro da embarcação para não se deixar seduzir pelo canto. Hoje, devemos nos amarrar no mastro incólume da história, norteados pelos ventos da razão, para concluirmos que todo socialista é, no mínimo, um mal informado. Os devaneios me assaltam e as palavras, essas que me acodem contra o punhal dos progressistas revolucionários, me escapam. 

Mas eu paro, respiro e reparo que a leveza de cada passo de Wyllys não impede que a erudição dos seus óculos Ray-Ban, de armação fina, estremeça. O eixo das lentes enviesa, mas é logo corrigido pelo gesto intelectual onde a ponta de um dos dedos vem de encontro ao centro dos óculos. A performance termina com as mãos acariciando a gravata, para que alinhada fique esta faminta serpente rosa, estreita e longa, que rasteja de um lado para o outro na iminência do bote peçonhento que homofobiza até mesmo Clodovil Hernandes, em meio ao elegante, embora demasiadamente curto, peitoral do ex-BBB. 

Jean Wyllys é conduzido pelo vento seco da cidade inventada por Juscelino Kubitscheck e à sua frente, ao invés da majestade de um tapete vermelho, estende-se uma interminável lista de contradições infames por onde o decoro do parlamentar chafurda. Como um defensor dos direitos humanos pode ser devoto de Che Guevara e da Revolução Cubana que perseguiu, prendeu e executou milhares de homens, mulheres, crianças e homossexuais? Como um indivíduo que bebe Coca-Cola, participa do Big Brother Brasil, fatura R$1.000.000,00 e não doa um centavo sequer, pode ter o desvario ideológico de se auto-intitular socialista-progressista? Como é possível conceder apoio à Luciana Genro, esta que sobe em palanques venezuelanos para lamber as botas de Fidel Castro e Hugo Chávez, sem ser cúmplice do mal que acomete a vida dos nossos vizinhos sul-americanos? Como um bastião da tolerância, um baluarte indelével da igualdade como Jean Wyllys pode chamar de ''negro gordo e burro'' um semelhante, somente por este ter discordado de uma de suas considerações?

E a Igreja Católica que possibilitou o primeiro emprego de Wyllys como menor aprendiz na Caixa-Econômica, seria esta então uma fábrica de estelionatários e predadores sexuais como declarou odeputado? A exceção vale como regra quando és tu o inquisidor, eminente senhor? E quando és tu o oprimido, não te sentes mal por ser diminuído pela ignorância implacável? Perdes tanto tempo escondendo as suas limitações por trás de um diploma de mestrado, se definindo como um intelectual progressista, quando bastaria um pouco de honra e sabedoria de vida para não lançar no próximo a mesma pedra que não desejas receber em seu telhado.

Jean caminha e dos seus bolsos escapole uma infinidade de recibos ressarcidos pelo dinheiro público que parece não satisfazer as suas necessidades pouco franciscanas. Que tipo de obscenidade intelectual leva um homem público que recebe R$26.723,13 a reclamar do seu salário como fez em entrevista recente a Marcelo Tas? Além do salário, há a verba indenizatória que somada ao auxílio moradia e ao ressarcimento ilimitado de despesas médicas, faz com que o custo anual médio de um deputado seja de R$140.629,09. Confesso que Wyllys é, neste aspecto, um deputado acima da média: neste ano já gastou R$183.000,00 da verba indenizatória em aluguel de automóveis, gasolina aditivada, viagens de avião para terceiros, marketing pessoal, aluguel de máquina de café expresso (os socialistas não bebem o café coado oferecido pela Câmara) e refeições em restaurantes de luxo. R$ 43.000,00 a mais do que a média dos deputados. E para não negar ao parlamentar a mesma tolerância que ele finge pregar, se R$150,00 na churrascaria Cruzeiro do Sul e R$202,62 em um restaurante à beira-mar em Niterói não se caracterizem como despesas de luxo, então peço que as desconsidere, mas não sem lembrar que milhares de famílias brasileiras sobrevivem com muito menos do que a quantia gasta pelo parlamentar em uma reles refeição; não sem lembrar que são essas famílias, assim como todas as outras deste país, que custeiam os caprichos desses verdugos medíocres da ética. 

Enquanto me perco novamente em devaneios, Jean passa por mim e adentra o Congresso Nacional com a despretensão de quem desfila; com a serpente rosa que desliza no peito e a todos intimida; com a empáfia disfarçada de quem tudo finge saber; de quem cobiça somente o poder. E os recibos da impostura, assim como as demais falcatruas, deixam uma senda de descaso para o brasileiro ver. Em verdade, Jean Wyllys não caminha: submerge. Submerge em um oceano de incoerências em busca da superfície, sem se dar conta de que o ar puro está na direção contrária.

Fonte: Diário da Corte, Coluna do Lorenzo, 19 de novembro de 2014

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Governo manobra para adiar votação do projeto que anula decreto dos conselhos populares

Manobras do governo e de aliados seguem adiando votação do projeto que anula decreto dos conselhos populares

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Vital do Rêgo (PMDB-PB), cotado para ser indicado ao TCU, com apoio do Palácio do Planalto, mais uma vez não incluiu na pauta da reunião do colegiado os projetos de decreto legislativo que sustam os efeitos do decreto de Dilma que cria a Política Nacional de Participação Social. São dois os projetos que anulam o decreto presidencial que institui os chamados “conselhos populares”: o PDS 117/2014, de autoria do senador Alvaro Dias, e o PDS 147/2014, que já foi aprovado na Câmara e foi redigido pelo deputado Mendonça Filho (DEM). O projeto do senador Alvaro Dias, que anula o decreto nº 8.243 assinado pela presidente Dilma, e que vigora no país desde o dia 23 de maio, já possui parecer favorável do senador Pedro Taques (PDT-MT), relator da matéria. O outro projeto, aprovado na Câmara no final do mês de outubro, também é relatado por Pedro Taques, que, entretanto, ainda não entregou seu parecer.

Logo após o segundo turno das eleições, os deputados federais votaram este projeto, que chegou ao Senado com promessa de ser rapidamente apreciado na CCJ ou mesmo no Plenário. O presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), que chegou a dizer que o decreto de Dilma seria derrubado, do final de outubro até esta semana, em nenhum momento colocou em votação requerimentos de urgência, para que os projetos de Alvaro Dias e do deputado Mendonça Filho fossem analisados diretamente no Plenário, sem passar pela CCJ. E como os projetos não entraram na pauta desta semana, a CCJ, comandada por Vital do Rêgo, indicado pelo governo para o TCU, só terá mais três semanas para votar o projeto, para o qual o governo ainda pode pedir vistas. As manobras do governo e de seus aliados estão sendo vitoriosas, e está ficando para o ano que vem a votação do projeto que anula o decreto.

Enquanto isso, Dilma já pode começar seu segundo mandato convocando o tal “conselho popular” a opinar sobre as políticas públicas.

Leia aqui o relatório do senador Pedro Taques ao projeto de Alvaro Dias.

Fonte: site do senador Álvaro Dias, 24/11/2014

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites