"Neurosexismo":

contra o progresso da igualdade de gênero - e da própria ciência

O sequestro do termo "gênero":

uma perspectiva feminista do transgenerismo

Mulheres na Ciência

Estudantes criam bactéria que come o plástico dos oceanos

Mulheres na Ciência:

Duas barreiras que afastam as mulheres da ciência

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Contra a liberdade até na TV paga!


É ver para crer! O governo autoritário do PT ataca a liberdade até na TV paga. Veja o que dizem nossos esportistas sobre a absurda lei de cotas de programação nacional nas TVês pagas. O esporte nacional não é considerado conteúdo nacional por essa lei absurda. Vamos protestar minha gente!! Mais dados abaixo:

ANCINE QUER DETERMINAR O QUE VOCÊ VAI ASSISTIR DA TV PAGA

A ANCINE está regulamentando a Lei 12.485/11, trazendo diversas regras ora incoerentes, ora ilegais e inconstitucionais, afetando diretamente os direitos dos consumidores e a liberdade de expressão e comunicação, prejudicando um setor que há anos investe no Brasil, sem qualquer dinheiro público e que vem crescendo de maneira espetacular.

Em razão de entender que o consumidor seria impactado com assinaturas mais caras, mudanças nos seus pacotes e menos variedade de programação, a SKY passou os últimos 5 anos se manifestando contra o Projeto de Lei 29/2007.

Veja nas páginas seguintes as principais medidas intervencionistas propostas pela ANCINE e os seus impactos para os consumidores de TV paga. Veja também de que maneira você pode se manifestar e impedir que esta e outras intervenções nos meios de comunicações ocorram. (…)”

Para participar da consulta pública (ATÉ 03/03/2012) referente ao assunto deste comentário, cada internauta é obrigado a se cadastrar no site da ANCINE e informar seu CPF:

“Consultas Públicas Disponíveis
(…)
MINUTA DE IN QUE REGULAMENTA AS OBRIGAÇÕES DE VEICULAÇÃO DE CONTEÚDOS AUDIOVISUAIS NO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS
(…)”



segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Clipping legal: Vácuo de ideias

Denis Lerrer Rosenfield
Análise precisa da atual conjuntura política brasileira feita pelo filósofo Denis Lerrer Rosenfield e publicada no Estadão de hoje. Por falta de um partido realmente democrático de oposição, liberal e laico, o que vem ocorrendo é o preenchimento desse vácuo por conservadores religiosos e suas crendices medievais. 

De qualquer forma, a despeito de suas ideias, não se pode negar que eles de fato fazem oposição ao que consideram contra seus valores, algo que a nossa chamada "oposição" parlamentar nunca fez.

Nessas, a cidadania fica no fogo cruzado entre os cruzados religiosos reencarnados e a velharia socialista viúva do Muro de Berlim e seu capitalismo de Estado. Tristes Trópicos.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Transhumanismo: um admirável mundo novo em poucas décadas

Ray Kurzweil
Ray Kurzweil é o cientista criador do termo transhumanismo, um movimento que visa, com o uso da ciência e da tecnologia, aumentar a inteligência, a longevidade e o bem-estar dos seres humanos, eliminando deficiências físicas e mentais, a doença, o envelhecimento e a morte natural. 

Kurzweil, chamado, entre outros epítetos, de apóstolo do transhumanismo e CyberNostradamus, por ter sempre acertado suas previsões, também é autor de livros onde explica suas ideias, tais como: When Humans Transcend Biology (Quando os Humanos Transcendem a Biologia) e The Age of Spiritual Machines (A era das máquinas espirituais).

Michio Kaku
Segundo  Kurzweil  já, a partir de 2029, o ser humano poderá viver para sempre. Por isso, ele - que tem 62 anos - toma 250 comprimidos por dia para desacelerar o envelhecimento e ver se chega lá. E quem chegar lá poderá estar totalmente integrado a uma inteligência artificial, através da implantação de nano chips no cérebro, que aumentarão sua capacidade intelectual em um bilhão de vezes. 

Abaixo, vídeo com outro simpatizante do transhumanismo, o físico teórico professor Michio Kaku, e sua visão do futuro. Os conservadores devem ficar com náuseas e tonturas de ouvir uma coisa dessas. Coisa do diabo, ora essa!



Para saber mais: Fabuloso Futuro

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Liberais e Conservadores

Tudo muda o tempo todo no mundo
O texto que segue abaixo (de 2007) é do economista Rodrigo Constantino, de uma época em que o dito se dizia mais do que liberal, dizia-se inclusive libertário.

Nesse texto, baseado no texto The Constitution of Liberty, de Hayek, ele estabelece uma separação entre a visão de mundo liberal e a conservadora já que formadas  por duas psicologias distintas. De fato, trata-se mais de uma resenha do citado texto do que um artigo, mas vale a leitura.

Vale também o registro para constatar a personalidade volátil do autor que, no prazo de apenas 6 anos, passou da água para o vinho e virou conservador, contradizendo principalmente este trecho do texto que escreveu outrora:

Uma das características mais comuns na atitude conservadora é o medo da mudança, uma descrença no novo, enquanto a posição liberal é baseada na coragem e confiança, aceitando que as mudanças sigam seus cursos mesmo que não possamos prever aonde isso irá levar.

Liberais e Conservadores

“The liberal today must more positively oppose some of the basic conceptions which most conservatives share with the socialists.” (Hayek)

Não são poucos os que confundem liberais e conservadores, colocando tudo no mesmo saco. Tamanha é a confusão, que Hayek, em seu clássico The Constitution of Liberty, acabou escrevendo um capítulo extra apenas para explicar porque não era um conservador, levantando as principais diferenças entre estes e os liberais – lembrando sempre que não se trata dos liberais americanos, mas sim dos clássicos. 

Isso não o impediu de reconhecer o conservadorismo como legítimo e provavelmente necessário em oposição às mudanças drásticas. Tampouco impede que seja reconhecido o valor das tradições, ainda que estas sejam passadas de geração em geração sem argumento. As tradições são importantes para sustentar as leis e a liberdade, mas nem por isso devem ficar blindadas contra questionamentos. Liberais acreditam na liberdade de pensamento contra aqueles que pretendem impor crenças pela força. Creio que H. B. Acton resumiu bem a coisa quando disse que o tradicionalista quer poder seguir seus caminhos transmitidos, enquanto o liberal quer poder seguir novos caminhos também, sem coerção dos demais.

O liberal deveria perguntar, acima de tudo, para onde devemos nos mover, e não quão rápida deve ser a mudança. Hayek propõe um triângulo como diagrama para separar conservadores, liberais e socialistas, em vez de uma linha reta, que gera mais confusão. Em cada canto estaria um grupo diferente, o que parece mais correto do que colocar liberais no meio entre conservadores e socialistas.

A admiração dos conservadores pelo crescimento livre geralmente aplica-se somente ao passado. Falta-lhes normalmente a coragem para aceitar as mesmas mudanças não programadas pelas quais novas ferramentas para conquistas humanas irão emergir. Uma das características mais comuns na atitude conservadora é o medo da mudança, uma descrença no novo, enquanto a posição liberal é baseada na coragem e confiança, aceitando que as mudanças sigam seus cursos mesmo que não possamos prever aonde isso irá levar. Os conservadores estão inclinados a usar a força do governo para evitar mudanças, pois não possuem confiança nas forças espontâneas de ajuste que fazem o liberal aceitar as mudanças com menos apreensão, mesmo que não saiba ainda como as necessárias adaptações irão surgir. Como um exemplo que vem à cabeça, pode-se citar as pesquisas científicas com células-tronco.

O conservador sente-se seguro somente quando existe alguma forma de sabedoria superior que observa e supervisa a mudança, apenas quando ele sabe que alguma autoridade está a cargo de manter as mudanças “ordenadas”. Em geral, pode-se provavelmente dizer que o conservador não é contra a coerção em si ou o poder arbitrário, contanto que ele seja usado para aquilo que o conservador considera um propósito adequado. Ele acredita que se o governo estiver em mãos de homens decentes, então não é preciso ser muito reduzido por regras rígidas. Assim como o socialista, ele está menos preocupado com o problema de como se deve limitar o poder do governo do que com quem ocupa o poder. E ainda como o socialista, ele sente-se no direito de impor seus próprios valores aos demais pela força. Já para o liberal, a importância que ele pessoalmente deposita em objetivos específicos não é uma suficiente justificativa para forçar os outros a atender tais metas. 

Seria por esta razão que o liberal não considera ideais morais ou religiosos como objetos adequados para a coerção, enquanto tanto os conservadores como os socialistas não reconhecem tais limites. Crenças morais que dizem respeito apenas à conduta individual que não interfere diretamente na esfera protegida das outras pessoas não justificam coerção. Pode-se pensar em alguns exemplos como a prostituição entre adultos responsáveis ou mesmo algo mais extremo, como a venda de um rim, que podem ser atitudes moralmente condenáveis para muitos, mas que impactam apenas as vidas dos envolvidos. O liberal, diferente do conservador e do socialista, não é autoritário. Isso pode explicar porque parece tão mais fácil para um socialista arrependido achar uma nova casa espiritual no conservadorismo que no liberalismo.

Diferente do liberalismo, cuja crença fundamental reside no poder de longo prazo das idéias, o conservadorismo está atrelado a um estoque de idéias herdadas num determinado momento. E como o conservador não acredita realmente no poder do argumento, seu último recurso é geralmente alegar uma sabedoria superior, baseada em alguma qualidade superior auto-arrogada. Hayek considera a característica mais condenável da atitude do conservador a propensão a rejeitar conhecimento bastante embasado porque ele não gosta de algumas das conseqüências que podem se seguir dali. Ora, se ficasse provado que nossas crenças morais realmente são dependentes de premissas que se mostram incorretas, seria moral defendê-las recusando-se a reconhecer os fatos? 

O viés nacionalista é outro elo que frequentemente liga conservadores ao coletivismo. Pensar em termos de “nossa” indústria ou “nosso” recurso natural é um pequeno passo de distância para começar a demandar que tais ativos nacionais sejam direcionados para o “interesse nacional”. Protecionismo, reservas de mercado, subsídios agrícolas, são algumas das medidas que podem colocar conservadores lado a lado com socialistas, ambos contra os liberais.

Por fim, Hayek escreveu algo que resume bem a diferença básica entre liberais e conservadores: “O liberal difere do conservador em sua disposição para encarar sua ignorância e admitir o quão pouco sabemos, sem alegar autoridade de fontes sobrenaturais de conhecimento onde sua razão falha”.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Clipping legal: Duplipensar (petista)

Anatomia precisa da saga petista no Brasil pelo sociólogo Demétrio Magnoli (ESP, 16/02/02)

A blogueira Yoani Sánchez, os aeroportos privatizados, os policiais amotinados - por três vezes, sucessivamente, o PT exercitou a arte da duplicidade, desfazendo com uma mão o que a outra acabara de fazer. Há mais que oportunismo na dissociação rotinizada entre o princípio da realidade e o imperativo da ideologia. A lacuna abissal entre um e outro sugere que, aos 32 anos, o maior partido do País alcançou um estado de equilíbrio sustentado sobre o rochedo da mentira.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Meryl Streep em A Dama de Ferro

Meryl Streep como A Dama de Ferro
Meryl Streep encarna  Margaret Thatcher, a ex-Primeira Ministra britânica, que tirou a Inglaterra do buraco, durante seus mandatos entre 1979 e 1990, e impôs uma derrota humilhante aos generais argentinos na guerra das Ilhas Falkland/Malvinas. (Incrível que estejam querendo ressuscitar o conflito).

O filme acompanha a trajetória de Thatcher, através de uma série de flashbacks, com destaque exatamente para os 17 dias que antecederam a Guerra das Malvinas em 1982, mas também foca a vida particular dessa mulher polêmica que desempenhou um papel determinante na cena mundial por mais de uma década. Tudo isso numa época em que mulheres ainda eram raras em posições de mando. Bem mais raras do que hoje seguramente.

Pelo papel de Thachter, em A Dama de Ferro, da diretora  Phyllida Lloyd, com quem já trabalhara no grande sucesso Mamma Mia, Meryl Streep  já ganhou o Bafta em Londres e o Globo de Ouro. E está cotadíssima para receber o Oscar no dia 26 próximo. 

Abaixo veja comentário, da crítica de cinema Isabela Boscov, sobre o filme que estreia na sexta-feira em todo o Brasil. 

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Como os juros são formados


Conhecer é adquirir poder. Veja como é calculada a quarta maior taxa de juros do mundo - a do Brasil - e o que propõe o vídeo abaixo para reduzí-la. Da revista Veja!|

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Kagemu:Kagemu dança e arte gráfica em impressionante harmonia

O incrível duo Kagemu
Black Sun (Sol Negro) é uma performance de dança coreografada meticulosamente com gráficos em movimento, combinando elementos tradicionais e modernos da cultura e das artes marciais japonesas. Produzida pelo artista gráfico Nobuyuki Hanabusa e o dançarino Katsumi Sakakura, que formam o duo Kagemu, tem sido amplamente imitada por meio mundo, incluindo Beyoncé.

Abaixo, o vídeo com a incrível apresentação de Black Sun, em Paris, e neste link, em inglês, Hanabusa falando sobre seu processo criativo e opinando sobre seus imitadores.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Novas tentativas de censurar a imprensa em 2012

Bia Barbosa,
pela censura à imprensa
A entrevista em vídeo abaixo é de Bia Barbosa, representante de uma ONG chamada Coletivo Intervozes, ao famigerado jornalista chapa-branca Paulo Henrique Amorim, em um programa da Record do dia 30 de janeiro último. Nela, sob pretexto de responsabilizar a Globo quanto ao suposto estupro ocorrido no BBB 12, a representante da Intervozes revela os planos da sociedade civil (nome que dá ao aglomerado de grupos cooptados e aparelhados pelo petismo e esquerdismos autoritários em geral) de voltar à carga na luta da malta para censurar os meios de comunicação.  

Diz a figura aos 06:24, falando da posição do atual governo sobre os meios de comunicação: "Claramente tem uma visão política de não fazer o enfrentamento com os grandes meios de comunicação que são contrários a esse novo marco regulatório (antes eles chamavam de controle social da mídia) mas da parte da sociedade civil (sic) a gente vai continuar cobrando. 2012 vai ser um ano de muita pressão e mobilização em relação a isso. Tamo voltando do Fórum Mundial em Porto Alegre onde saiu em parceria com vários movimentos a importância dessa luta não ser só da área da comunicação mas ser do conjunto da sociedade brasileira (ela quer dizer da turma dela) e a gente vai colocar em breve uma campanha grande na rua nos moldes que aconteceu na Argentina pra gente conseguir pressionar o governo e criar uma correlação de forças para sair este marco.

Aí pergunta o infame jornalista chapa-branca FHA: "O que aconteceu na Argentina, Bia (como se ele não soubesse)?"

Responde a tal Bia: "Na Argentina houve uma decisão política do governo de que era necessário atualizar a legislação da rádio-difusão, dos meios de comunicação de massa na Argentina e, em diálogo com a sociedade civil (sic) foi possível criar uma conjuntura favorável a isso. Então com mobilização de rua, com sindicatos, as mais diferentes perfis de organizações envolvidas, e o governo com vontade política de fazer isso avançar, passou pelo Congresso, e essa legislação está sendo regulamentada. Aqui no Brasil a gente precisa que o governo tome essa decisão política também.

No resto da entrevista, a tal Bia chora as pitangas porque o projeto de Franklin Martins (ex-Ministro de Comunicação Social de Lula) de controle da imprensa foi engavetado pelo governo Dilma, e ambos os fascistóides, entrevistada e entrevistador, terminam fazendo piadinhas sobre quem teria mais poder no Brasil, se a Globo ou o Ministro das Comunicações. Despeito mata. Vale ver até o fim.

O exemplo que ela cita da Argentina, como tendo feito o tal marco regulatório da mídia de seus sonhos, já diz tudo sobre o caráter autoritário de sua luta. A presidente Cristina Kirchner, peronista-socialista, tem empreendido guerra contra a imprensa de seu país por esta trazer a público as inúmeras falcatruas dos governos da família Kirchner (Néstor e Cristina). Ela conseguiu aprovar uma lei (chamada Ley de Medios) que restringe o exercício da liberdade de expressão, na Argentina, e vem tentando aprimorar o garrote até através do controle do papel com que se imprimem jornais e revistas. (Re)vejam aqui.

Há trinta anos apenas, a esquerda autoritária chamava as feministas de burguesas desocupadas e os homossexuais de desvios também burgueses que tinham que ser corrigidos na base de campos de reeducação (de onde muitos não saíram vivos). Com o fim da Guerra Fria e a perda do poder de sedução da chamada "luta de classes", essa mesma esquerda passou a utilizar desses sujeitos políticos, que tanto maltratou no passado, agora como instrumentos dos mesmos fins de antanho: instalar ditaduras onde consegue chegar ao poder.

Ao contrário do que dizem os conservadores, o feminismo não é fruto do marxismo cultural. Tão pouco os outros movimentos modernos (LGBT, negro, ambientalista). Os primeiros passos na formação do Movimento Feminista foram dados à época da Revolução Francesa e, desde então, as principais bandeiras feministas se ergueram sob a égide do pensamento liberal, não marxista. Foi com base em princípios liberais que as mulheres buscaram derrubar as leis que as impediam de estudar, trabalhar e votar e foram galgando a sonhada igualdade de direitos perante à lei e à vida.

A partir da década de setenta do século XX, há apenas 40 anos portanto, as correntes marxistas do feminismo, que até então tinham ficado restritas, no Ocidente, às lutas pela melhoria de vida das mulheres trabalhadoras, passaram a ganhar mais espaço e a estabelecer uma hegemonia de pensamento dentro do movimento de mulheres, a partir de particularismos, o que desembocou no chamado "politicamente correto". As correntes liberais do feminismo foram sendo postas de escanteio, depreciadas como reformistas, e, nas últimas décadas, chegamos onde estamos hoje, com o feminismo praticamente carne e unha com o pensamento esquerdista autoritário e ansioso por compartilhar das benesses de governos antidemocráticos. Profundamente deprimente isso, já que o feminismo verdadeiro nasceu para libertar as mulheres e não para aprisioná-las e as sociedades onde vivem.

Seria bom de fato rever a lei sobre os meios de comunicação no país porque há muita coisa defasada nela, mas não com pessoas e grupos claramente autoritários como essa Bia e os tais "movimentos sociais" que hoje de forma alguma representam realmente a sociedade. Essa gente quer apenas amordaçar nossa liberdade de expressão e solapar a democracia do Brasil, da América Latina e de qualquer lugar onde consigam se estabelecer.

Liberdade, liberdade, abra as asas sobre nós. Nas lutas, nas tempestades. Dá que ouçamos tua voz.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Clipping legal: O silêncio do PT

Aécio Neves em
 momento pós-viagra
Os tucanos são tão pusilânimes que, quando um deles reage como deveria e diz "bateu, levou" contra os que os agridem, os próprios do partido vêm censurá-lo. Quem nasceu pra capacho não pode viver sem ser pisado, né mesmo? 

Então, quando um deles, mesmo sendo um dos mais inexpressivos, resolve tomar um viagra e agir como oposição, torna-se imprescindível divulgar seu feito. Por incrível que pareça, o texto abaixo é do Aécio Neves, publicado na Folha de SP de hoje. E corretíssimo! 

O silêncio do PT 

Já passa da hora de vermos a questão cubana além do limite da ótica ideológica. 

É visível o incômodo de setores, que se dizem democráticos, de reconhecer o autoritarismo do regime cubano, como se existissem duas Cubas: a real, que muitos preferem não enxergar, e a outra, da fantasia, que cada um constrói no seu imaginário como quer. 

Não podemos mais ver o país e o regime dinástico dos irmãos Castro como se a ilha fosse o último enclave da Guerra Fria. Precisamos, isso sim, mobilizar as melhores energias da nossa diplomacia e da comunidade internacional na direção da única realidade que, de fato, interessa: o povo cubano. 

São 11,2 milhões de pessoas submetidas ao cotidiano cruelmente caricato das cotas de alimentos, esse malfadado regime das cadernetas, a uma carência crônica, ao desabastecimento histórico, que desmentem, há muito, a fantasia do socialismo igualitário. 

Ao mal-estar econômico agrega-se o pior que uma sociedade pode vivenciar: a falta de horizonte para as novas gerações. A imensa maioria da população nasceu pós-Fidel e, portanto, desconhece o usufruto da palavra liberdade, o direito de ir e vir, de discutir, de recusar, de dissentir. "Me sinto como um refém sequestrado por alguém que não escuta nem dá explicações", diz a blogueira Yoani Sánchez, proibida pela 19ª vez de viajar a outros países. 

No entanto nem mesmo o isolamento forçado tem conseguido impedir que, pelas frestas da fortaleza do castrismo, infiltre-se a brisa que dá notícia aos cubanos da mais simples equação da vida política de uma nação: não há dignidade possível numa ditadura. 

Recordo o ainda nebuloso episódio do asilo-não-asilo aos boxeadores cubanos durante os Jogos Panamericanos do Rio, em 2007. Guillermo Rigondeaux e Erislandy Lara abandonaram a delegação, mas foram recambiados a Cuba pelo governo do PT. Lá os atletas sofreram retaliações. E pensar que o Brasil é tão pródigo em acolher até mesmo criminosos comuns 

Os silêncios e os temas evitados na viagem da presidente Dilma a Cuba agridem as consciências democráticas. O mal disfarçado flerte com regimes fechados e totalitários, como o de Cuba e o do Irã, entre outros, expõe publicamente a tentação autoritária que o PT tenta dissimular e que, no entanto, parece estar inscrito no DNA do partido. 

A ambiguidade explode em episódios como este. Quem no passado foi perseguida por defender ideias, deveria identificar-se com os perseguidos de hoje, e não sentir-se tão confortavelmente à vontade ao lado de dirigentes de um país onde não há resíduo de democracia há mais de meio século. 

Volto a Yoani: "Dilma foi a Cuba com a carteira aberta e os olhos fechados". Foi pouco.

Folha de São Paulo, 06/02;12, Opinião

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Como Lula, Dilma foi a Cuba cuspir na cara dos direitos humanos!

Marcha da Infâmia
O cinismo desses petralhas e esquerdopatas em geral é inacreditável. A chegada dessa gente hedionda ao poder só serviu até agora para mostrar porque eles ajudaram a afundar o Brasil em uma ditadura na década de 60. 

Os militares seguramente erraram em implantar sua ditadura no país para combater os comunistas (e que ninguém me venha com papo furado de que o regime não era autoritário). Entretanto, os fardados não mentiram quando disseram que combatiam os vermelhos porque eles também queriam implantar uma ditadura "revolucionária" em nossa terra. Tanto queriam que bastou chegarem ao poder para começar a solapar a democracia brasileira. Como não deu certo a luta armada, partiram para a revolução-cupim, corroendo as estruturas do Estado de Direito, pela corrupção sobretudo, com a colaboração de uma oposição pusilânime ou conivente com essa corja por razões que a razão pública desconhece.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Comunistas mataram mais do que nazistas

Luiz Felipe Pondé
Texto do mané Pondé que transcrevo porque fala sobre os crimes do comunismo.

A mulher, o bebê e o intelectual

As pessoas não gostam de vagabundos, ladrões e drogados travestidos de revolucionários

Os comunistas mataram muito mais gente no século 20 do que o nazismo, o que é óbvio para qualquer pessoa minimamente alfabetizada em história contemporânea.

Disse isso recentemente num programa de televisão. Alguns telespectadores indignados (hoje em dia ficar indignado facilmente é quase índice de mau-caratismo) se revoltaram contra o que eu disse.

Claro, a maior parte dos intelectuais de esquerda mente sobre isso para continuar sua pregação evangélica (no mau sentido) e fazer a cabeça dos coitados dos alunos. Junto com eles, também estão os partidos políticos como os que se aproveitam, por exemplo, do caso Pinheirinho para "armar" a população.

O desespero da esquerda no Brasil se dá pelo fato de que, depois da melhoria econômica do país, fica ainda mais claro que as pessoas não gostam de vagabundos, ladrões e drogados travestidos de revolucionários. Bandido bom é bandido preso. A esquerda torce para o mundo dar errado e assim poder exercer seu terror de sempre.

Mas voltemos ao fato histórico sobre o qual os intelectuais de esquerda mentem: os comunistas (Stálin, Lênin, Trótski, Mao Tse-tung, Pol Pot e caterva) mataram mais do que Hitler e em nome das mesmas coisas que nossos intelectuais/políticos radicais de esquerda hoje pregam.

Caro leitor, peço licença para pedir a você que leia com atenção o trecho abaixo e depois explico o que é. Peço principalmente para as meninas que respirem fundo.

"(...) um novo interrogador, um que eu não tinha visto antes, descia a alameda das árvores segurando uma faca longa e afiada. Eu não conseguia ouvir suas palavras, mas ele falava com uma mulher grávida e ela respondia pra ele. O que aconteceu em seguida me dá náuseas só em pensar. (...): Ele tira as roupas dela, abre seu estômago, e arranca o bebê. Eu fugi, mas era impossível escapar do som de sua agonia, os gritos que lentamente deram lugar a gemidos e depois caíram no piedoso silêncio da morte. O assassino passou por mim calmamente segurando o feto pelo pescoço. Quando ele chegou à prisão, (...), amarrou um cordão ao redor do feto e o pendurou junto com outros, que estavam secos e negros e encolhidos."

Este trecho é citado pelo psiquiatra inglês Theodore Dalrymple em seu livro "Anything Goes - The Death of Honesty", Londres, Monday Books, 2011. Trata-se de um relato contido na coletânea organizada pelo "scholar" Paul Hollander, "From Gulag to the Killing Fields", que trata dos massacres cometidos pela esquerda na União Soviética, Leste Europeu, China, Vietnã, Camboja (este relato citado está na parte dedicada a este país), Cuba e Etiópia.

Dalrymple devia ser leitura obrigatória para todo mundo que tem um professor ou segue um guru de esquerda que fala como o mundo é mau e que devemos transformá-lo a todo custo. Ou que a sociedade devia ser "gerida" por filósofos e cientistas sociais.

Pol Pot, o assassino de esquerda e líder responsável por este interrogador descrito no trecho ao lado, estudou na França com filósofos e cientistas sociais (que fizeram sua cabeça) antes de fazer sua revolução, e provavelmente tinha como professor um desses intelectuais (do tipo Alain Badiou e Slavoj Zizek) que tomam vinho chique num ambiente burguês seguro, mas que falam para seus alunos e seguidores que devem "mudar o mundo".

De início, se mostram amantes da "democracia e da liberdade", mas logo, quando podem, revelam que sua democracia ("real", como dizem) não passa de matar quem não concorda com eles ou destruir toda oposição a sua utopia. O século 20 é a prova cabal deste fato.

Escondem isso dos jovens a fim de não ter que enfrentar sua ascendência histórica criminosa, como qualquer idiota nazista careca racista tem que enfrentar seu parentesco com Auschwitz.

Proponho uma "comissão da verdade" para todas as escolas e universidades (trata-se apenas de uma ironia de minha parte), onde se mente dizendo que Stálin foi um louco raro na horda de revolucionários da esquerda no século 20. Não, ele foi a regra.

Com a crise do euro e a Primavera Árabe, o "coro das utopias" está de volta.

Fonte: Folha Ilustrada

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Desafios para as liberdades individuais na Internet: dois pontos de vista!

Jaron Lanier
Em meio à discussão sobre os projetos de defesa dos direitos autorais na Internet, o programa Milênio, da  Globo News, entrevistou Jaron Lanier, cientista da computação, músico, autor do livro Você não é um aplicativo e espécie de guru cibernético que traz um ponto de vista diferente dos que temos ouvido na esteira dos debates sobre o SOPA, PIPA e ACTA.

Ele defende uma internet aberta, mas não completamente gratuita, posição a qual me alinho, e traz instigantes questionamentos sobre como usamos a web hoje. Reproduzo abaixo o texto relativo ao programa e o vídeo do mesmo, acreditando que, por enquanto pelo menos, não corro o risco de ser considerada criminosa.

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites