"Neurosexismo":

contra o progresso da igualdade de gênero - e da própria ciência

O sequestro do termo "gênero":

uma perspectiva feminista do transgenerismo

Mulheres na Ciência

Estudantes criam bactéria que come o plástico dos oceanos

Mulheres na Ciência:

Duas barreiras que afastam as mulheres da ciência

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Clipping legal: 29 de Agosto - Dia Nacional de Combate ao Fumo

Rita Hayworth em Gilda. Fumar já foi glamouroso até a medicina revelar que dava câncer
Veja foto-montagem de ícones do cinema sem o cigarro que os acompanhava
RIO - Estima-se que cinco milhões de pessoas morrem por ano no mundo por doenças decorrentes do tabagismo, 200 mil só no Brasil, segundo informações do Ministério da Saúde. Ainda em escala global, 70% dos óbitos por câncer de pulmão acontecem por causa do cigarro e 42% no caso das doenças respiratórias, números importantes de serem lembrados nesta segunda-feira, Dia Nacional de Combate ao Fumo. O governo brasileiro tem ampliado as ações para atrapalhar a vida de quem insiste neste hábito. Na última semana, foi regulamentada a Medida Provisória 540/2011, que prevê aumento na carga tributária dos cigarros, além da fixar preço mínimo de venda no varejo.

A meta é reduzir a frequência de fumantes em diferentes grupos, incluindo adolescentes e adultos. Pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde em 2010 apontou 15% de fumantes na população adulta do Brasil. Já um levantamento que estuda os indicadores entre os adolescentes revelou que 6,3% dos estudantes do 9º ano (13 a 15 anos de idade) relataram ter fumado nos 30 dias anteriores à entrevista.

Ainda nesta segunda, o Ministério lança um estudo sobre a situação do tabagismo, que traz informações novas a respeito dos avanços do hábito de fumar no país.

Para quem já experimentou as mazelas de se viciar no cigarro e agora pensa em parar, Vera Colombo, da Divisão de Tabagismo no Instituto Nacional do Câncer (Inca), lista as três alternativas disponíveis hoje que são recomendadas pelo Ministério da Saúde. Segundo Vera, de 90% das pessoas que tentam parar de fumar, apenas 3% conseguem fazer isso sozinhas.

- O tabagismo tem um componente psicológico e de condicionamento. Os medicamentos não tratam esses aspectos, que precisam ser trabalhados. A pessoa tem que entender que a tentativa de parar provoca reações, lentidão, sonolência, irritação. É preciso aprender a lidar com esses sintomas, que levam em torno de três semanas para sumir - explica ela.

Confira abaixo a lista de tratamentos para fumantes validadas pelas autoridades no país:

Goma de mascar: Ela é dura, como um chiclete velho. Depois de um tempo de mastigação, a pessoa a coloca do lado da boca, e é quando a nicotina passa a ser liberada. A periodicidade de uso depende da necessidade do indivíduo. Não precisa de prescrição médica.

Adesivos: são repositores de nicotina. O indivíduo recebe a substância, mas fica livre de todas as outras muito nocivas à saúde. Ela vai se diluindo até a pessoa conseguir parar de fumar. Isso dura em torno de três meses. O adesivo precisa ser trocado a cada 24 horas. Também não requer prescrição médica.

Bupropiona: É um antidepressivo que foi descoberto por acaso. Os pacientes faziam uso da medicação e paravam de fumar. Precisa de prescrição médica.

Fonte: O Globo

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Memória não retém atrocidades do comunismo

23 de agosto é o Dia da Memória das vítimas de todos os regimes autoritários e totalitários,  estabelecido porque,  em 23/08/1939, Hitler e Stálin, firmaram o pacto nazi-comunista de divisão da Europa. Mais infos: http://bit.ly/mS3ag3

Entretanto, apesar dos laços familiares que unem os dois monstros sanguinários do século passado, nazismo e comunismo, apenas o nazismo foi definido como o Mal encarnado, mas não seu irmão comunista. Tal fato tem possibilitado não só a falta de punição para os criminosos vermelhos como também a permanência de suas ideias, entre nós, como algo aceitável.

Como uma homenagem às vítimas do terror comunista, mais de 100 milhões de pessoas (as cifras vêm aumentado com novas descobertas de arquivos), transcrevo abaixo texto do cientista político francês, Alain Besançon, que explica os porquês dessa diferença de tratamento entre os dois gêmeos malignos. É longo, mas vale a pena a leitura. Notas ao fim do texto.

Memória não retém atrocidades do comunismo

Apesar de comunismo e nazismo serem `gêmeos heterozigotos', a memória histórica só registra os horrores nazistas, enquanto os comunistas caem no esquecimento

ALAIN BESANÇON[i]
Especial[ii]

Existe um acordo bastante geral entre os historiadores sobre o grau de conaturalidade entre o comunismo do tipo bolchevique e o nacional-socialismo. Acho feliz a expressão de Pierre Chaunu: gêmeos heterozigotos. Essas duas ideologias assumiram o poder no século 20[1].
Elas têm por objetivo chegar a uma sociedade perfeita, extirpando o princípio mau que se opõe a isso. Em um caso o princípio maligno é a propriedade e, conseqüentemente, os proprietários, e depois, como o mal subsiste após a "liquidação enquanto classe" destes, a totalidade dos homens, corrompidos pelo espírito do "capitalismo", que acaba de se insinuar dentro do próprio partido comunista. No outro caso, o princípio maligno está localizado nas raças ditas inferiores, em primeiro lugar os judeus, e depois, uma vez que o mal continua a subsistir após seu extermínio, é preciso persegui-lo em outras raças, incluindo a própria "raça ariana", cuja "pureza" está poluída. Comunismo e nazismo invocam para sua legitimidade a autoridade da ciência. Propõem-se a reeducar a humanidade e criar um homem novo.

Essas duas ideologias dizem-se filantrópicas. O nacional-socialismo quer o bem do povo alemão e declara prestar serviço à humanidade, exterminando os judeus. O comunismo leninista quer diretamente o bem da humanidade inteira. 

É o universalismo do comunismo que lhe confere uma vantagem imensa sobre o nazismo, cujo programa não é exportável. As duas doutrinas propõem ideais elevados, próprios para suscitar devoção entusiasta e atos heróicos. Elas ditam, entretanto, também o direito e o dever de matar. Para citar Chateaubriand e suas palavras aqui proféticas: "No fundo desses diversos sistemas repousa um remédio heróico confesso ou subentendido: este remédio é matar[2]." E Victor Hugo: "Você pode matar este homem com tranqüilidade."

Ou categorias inteiras de homens. Foi o que essas doutrinas fizeram quando acederam ao poder, a uma velocidade desconhecida na história. É por isso que, aos olhos daqueles que são estranhos ao sistema, nazismo e comunismo são criminosos. Igualmente criminosos? Por ter estudado a ambos e conhecendo os recordes de intensidade no crime do nazismo (a câmara de gás) e em extensão do comunismo (mais de 70 milhões de mortes), o gênero de perversão das almas e dos espíritos operada pelos dois, creio que não devemos entrar nessa discussão perigosa. E que é preciso responder simplesmente e com firmeza: sim, igualmente criminosos.

UMA PERGUNTA
O que indagamos é o seguinte: como é possível nos dias de hoje que a memória histórica os trate com desigualdade e a ponto de parecer esquecer o comunismo? A respeito desta desigualdade não precisamos nos estender. Desde 1989, a oposição polonesa, liderada pelo primaz da Igreja Católica, recomendava o esquecimento e o perdão.

Na maioria dos países que saíram do comunismo nunca se falou em castigar os responsáveis que haviam matado, privado da liberdade, arruinado, embrutecido seus súditos durante duas ou três gerações. Salvo na Alemanha Oriental e na República Checa, os comunistas foram autorizados a continuar seu jogo político, o que lhes permitiu retomar o poder aqui e ali. Na Rússia e em outras repúblicas, os membros do corpo diplomático e da polícia foram mantidos. No Ocidente, essa anistia de fato foi julgada favoravelmente.
Comparou-se a confirmação da nomenklatura à evolução dos antigos jacobinos.
Há algum tempo, a mídia voltou a falar naturalmente da "epopéia do comunismo". [3] O passado kominterniano do Partido Comunista, devidamente exposto e documentado, não o impede de ser aceito pela democracia francesa.
Em comparação, a damnatio memoriae (supressão da memória do condenado à morte por crime infamante) do nazismo, longe de conhecer a menor prescrição, parece agravar-se todos os dias. A vasta biblioteca aumenta a cada ano.
Museus, exposições alimentam - e com razão - o horror do crime.[4]
Consultemos, na Minitel, o serviço de documentação de um grande vespertino. [5] Selecionemos a partir de palavras-chave os "assuntos", que foram processados de 1990 a 14 de junho de 1997, dia de minha consulta. Para "nazismo", havia 480 ocorrências. Para "stalinismo", 7. Para "Auschwitz", 105. Para "Kolyma", 2, para "Magadan", 1, para "Koroupaty", 0. Para "fome na Ucrânia" (5 a 6 milhões de mortos, em 1933), 0. Essa pesquisa só tem um valor indicativo.
Alfred Grosser, a respeito de seu livro La Mémoire et L'Oubli (A Memória e o Esquecimento), declarava em 1989: "O que peço é que quando pesamos a responsabilidade dos crimes passados, apliquemos os mesmos critérios a todos."[6]  É verdade, mas é muito difícil e é como simples historiador e não como juiz que eu queria hoje apenas sine ira ac studio (sem ira nem parcialidade), tentar interpretar os fatos. Não posso sonhar em esgotar o assunto. Mas posso pelo menos enumerar uma lista não limitativa de fatores.
SETE EXPLICAÇÕES 1 - O nazismo é mais bem conhecido que o comunismo porque o armário de cadáveres foi aberto pelas tropas aliadas e porque vários povos europeus ocidentais tiveram com ele uma experiência direta. Perguntei com freqüência a platéias de estudantes se tinham tomado conhecimento da fome artificial organizada na Ucrânia em 1933. Eles nunca haviam ouvido falar nisso. O crime nazista foi principalmente físico. Não contaminou moralmente suas vítimas e suas testemunhas, das quais não se exigia uma adesão ao nazismo. Ele é portanto demarcável, flagrante. A câmara de gás concebida para exterminar artificialmente uma porção delimitada da humanidade é um fato único. O Gulag, o Laogai continuam envoltos em mistério e permanecem como objeto distante, indiretamente conhecido. Uma exceção: o Camboja, cujas pilhas de mortos descobrimos na atualidade[7].
2 - O povo judeu assumiu a memória da Shoah. É para ele uma obrigação moral que se inscrevia na longa memória de perseguições: uma obrigação religiosa ligada ao louvor ou à interrogação apaixonada, à maneira de Jó, do Senhor que prometeu proteger seu povo e pune a injustiça e o crime. A humanidade inteira deve, portanto, agradecer à memória judia por ter conservado piedosamente os arquivos da Shoah[8]. O enigma existe para os povos que esqueceram - e falarei disso no momento certo. Acrescentemos o fato de que o mundo cristão procede desde esse acontecimento a um exame de consciência e sente-se intimamente atingido por uma ferida indelével.[9]
3 - A inclusão do nazismo e do comunismo no campo magnético polarizado pelas noções de direita e de esquerda. O fenômeno é complexo. De um lado, a idéia de esquerda acompanha a entrada sucessiva das classes sociais no jogo político democrático. Mas é preciso observar que a promoção da classe operária americana excluiu a idéia socialista, e a classe operária inglesa, alemã, escandinava, espanhola, ao mesmo tempo que aumentava seu poder, opôs uma recusa majoritária à idéia comunista. Foi apenas na França e na Checoslováquia, imediatamente antes da guerra, e mais tarde na Itália, que o comunismo pode pretender se identificar com o movimento operário e tornar-se, assim, um dos membros de direito da esquerda. Acrescentemos que na França, como lembrou François Furet, historiadores como Mathiez, admiradores da Grande Revolução, fizeram imediatamente um paralelo entre Outubro de 1917 e 1792, comparando o terror bolchevique com o terror jacobino.
Por outro lado, muitos historiadores de antes da guerra tinham uma consciência viva das raízes socialistas ou proletárias do fascismo italiano e do nazismo alemão. Invoco o testemunho de Elie Halévy em seu livro clássico, História do Socialismo Europeu, publicado em 1937. O capítulo III da quinta parte é dedicado ao socialismo na Itália fascista. O capítulo IV, ao nacional-socialismo. Este último regime, ao dizer-se anticapitalista, despojando ou eliminando as antigas elites; ao conferir a si próprio uma forma revolucionária, tinha algum motivo para constar em uma história do socialismo, o que hoje seria inconcebível.
4 - A guerra, ao amarrar uma aliança militar entre as democracias e a União Soviética, enfraqueceu as defesas imunológicas ocidentais contra a idéia de comunismo, apesar de serem muito fortes no momento do pacto Hitler-Stalin, e provocou uma espécie de bloqueio intelectual. Para empreender uma guerra com o coração, uma democracia precisa que seu aliado tenha um certo grau de respeitabilidade; se necessário, ela lhe empresta. O heroísmo militar soviético assumia, encorajado por Stalin, uma forma puramente patriótica e a ideologia comunista, mantida na reserva, ficava escondida. Ao contrário da Europa Oriental, a Europa Ocidental não havia tido a experiência direta da chegada do Exército Vermelho. Esta foi, portanto, vista como libertadora, da mesma forma que os outros exércitos aliados, o que não correspondia à visão dos bálticos, nem dos poloneses. Os soviéticos foram juízes em Nuremberg.[10] As democracias concordaram com sacrifícios muito pesados para abater o regime nazista. Só aceitaram depois sacrifícios mais leves para conter o regime soviético e, por fim, para ajudá-lo a manter-se, movidas pelo afã da estabilidade. O nazismo desabou por si mesmo, e sobre seu próprio vazio, sem que as democracias tivessem muito a ver com isso. Sua atitude não podia ser a mesma, nem seu julgamento igual nem sua memória imparcial.
5 - Um dos grandes sucessos do regime soviético é ter difundido e imposto pouco a pouco sua própria classificação ideológica dos regimes políticos modernos. Lenin os reduzia à oposição entre socialismo e o capitalismo. Até os anos 30, Stalin conservou essa dicotomia. O capitalismo, também chamado de imperialismo, englobava os regimes liberais, os regimes social-democratas, os regimes fascistas e, finalmente, o nacional-socialismo. Isso permitia aos comunistas alemães equilibrar a balança entre os "social-fascistas" e os nazistas. Mas, ao decidir a política dita das frentes populares, a classificação passou a ser a seguinte: o socialismo (ou seja, o regime soviético), as democracias burguesas (liberais e social-democratas) e finalmente o fascismo. Sob o nome de fascismo estavam agrupados o nazismo, o fascismo de Mussolini, os diversos regimes autoritários que dominavam na Espanha, em Portugal, na Áustria, na Hungria, na Polônia, etc. e, finalmente, as extremas direitas dos regimes liberais. Uma cadeia contínua ligava, por exemplo, Chiappe a Hitler, passando por Franco, Mussolini, etc. A especificidade do regime nazista foi apagada. Além disso, ele estava fixado à direita, sobre a qual projetava sua luz negra. Tornou-se a direita absoluta, enquanto o sovietismo era a esquerda absoluta.
O fato espantoso é que, num país como a França, essa classificação tenha se incrustado na consciência histórica. Consideremos os manuais franceses de história, destinados ao ensino secundário e superior. A classificação é geralmente a seguinte: o regime soviético; as democracias liberais, com sua esquerda e sua direita; os fascismos, ou seja o nazismo, o fascismo italiano, o franquismo espanhol, etc.
É uma versão atenuada da vulgata soviética. Em compensação, não encontramos com freqüência nesses manuais a classificação correta, sobre a qual os historiadores atuais estão de acordo, mas que havia sido proposta desde 1951 por Hannah Arendt, ou seja: o conjunto dos dois únicos regimes totalitários, comunismo e nazismo, os regimes liberais, os regimes autoritários (Itália, Espanha, Hungria, América Latina) que dizem respeito às categorias clássicas da ditadura e da tirania descritas desde Aristóteles.[11]

O mal sempre esteve centrado nos nazistas
A memória do comunismo permanece confusa, mas a das atrocidades na Alemanha é recorrente  
6 - A fraqueza dos grupos capazes de conservar a memória do comunismo.
O nazismo durou 12 anos. O comunismo europeu, dependendo dos países, entre 50 e 70 anos. A duração tem um efeito auto-anistiante. Durante esse tempo imenso, a sociedade civil foi atomizada, as elites foram sucessivamente destruídas, substituídas, reeducadas. Todo mundo, ou quase, de cima para baixo, adulterou, traiu, degradou-se moralmente. E, mais grave ainda, a maior parte daqueles que teriam condições de pensar foi impedida de conhecer sua história e perdeu a capacidade de análise. Ao ler a literatura russa de oposição, que é a única literatura verdadeira do país, ouvimos uma queixa pungente, a expressão comovente de um desespero infinito, mas quase nunca encontramos uma análise racional.[12] A consciência do comunismo é dolorosa, mas permanece confusa.
Hoje, os jovens historiadores russos interessam-se pouco por esse período condenado ao esquecimento e ao repúdio. O Estado, aliás, esconde os arquivos. O único setor que poderia ter conservado a memória lúcida do comunismo é o da dissidência, nascida por volta de 1970. Mas ela se decompôs rapidamente em 1991 e não foi capaz de participar do novo poder. Foi por essa razão que sua tentativa de criar um memorial não deitou raízes nem pôde desenvolver-se.
É de fato necessário que o órgão que tem por função conservar a memória atinja uma certa massa crítica, pelo número, o poder, a influência. Os armênios não atingiram de forma alguma uma certa massa crítica.[13] E menos ainda os ucranianos, os casaques, os chechenos, os tibetanos, sem falar de tantos outros.
CONSCIÊNCIA MORAL Nada é tão problemático, após a dissolução de um regime totalitário, quanto a reconstituição da consciência moral e da capacidade intelectual normais de um povo. A esse respeito a Alemanha pós-nazista encontrava-se em melhor posição que a Rússia pós-soviética. A sociedade civil não teve tempo de ser destruída em profundidade. Julgada, punida, desnazificada pelos Exércitos ocidentais, ela foi capaz de acompanhar esse movimento de purificação, julgar-se a si mesma, lembrar-se e arrepender-se.
Não foi assim na Europa Oriental, e o Ocidente tem sua parte de responsabilidade nisso. Quando os comunistas russos transformaram sua posse geral dos bens em propriedade legítima, quando legitimaram seu poder de fato pelo sufrágio universal, quando substituíram o leninismo pelo nacionalismo mais chauvinista, o Ocidente julgou inoportuno pedir-lhes explicações. Foi o pior que poderiam ter feito pela Rússia. A ubiqüidade das estátuas de Lenin nas praças públicas da Rússia é apenas o sinal visível de um envenenamento das almas cuja cura levará anos.

ACIDENTE METEOROLÓGICO
Do lado ocidental, a vulgata histórica deixada pelo Komintern das frentes populares está longe de ser apagada. O fato de a idéia leninista ter sido envolvida pela idéia de esquerda, que teria todavia horrorizado Kautski, Bernstein, Léon Blum, Bertrand Russell e mesmo Rosa Luxemburgo, faz com que hoje essa idéia seja equiparada a um avatar infeliz, ou a uma espécie de acidente meteorológico dessa mesma esquerda, e agora que ela desapareceu, permanece como um projeto respeitável que não deu certo.
7 - A amnésia do comunismo leva à hipermnésia do nazismo e, reciprocamente, quando a memória simples e justa basta para condenar um e outro. É um traço da má consciência ocidental, há séculos, que o centro do mal absoluto deve encontrar-se em seu seio. A opinião mudou sobre essa localização. O mal se localizou umas vezes na África do Sul do apartheid, na América da Guerra do Vietnã. Mas sempre esteve centralizado na Alemanha nazista. [14] 
A Rússia, a Coréia, a China e Cuba eram sentidas como externas, ou empurradas para fora na medida em que se preferia desviar os olhos. O vago remorso que acompanhava esse abandono era compensado por uma vigilância, uma concentração ferrenha da atenção sobre tudo que tinha entrado em contato com o nazismo, sobre Vichy em primeiro lugar ou sobre essas idéias perversas que supuram em alguns núcleos das extremas direitas européias.
O PERIGO DAS FALSIFICAÇÕES
Um dos traços do século 20 é não apenas - além de sua história ter sido horrível, no que diz respeito ao massacre do homem pelo homem - que a consciência histórica, o segundo explica o primeiro, teve uma dificuldade particular em orientar-se corretamente.
George Orwell observou que muitos se haviam tornado nazistas por um horror motivado do bolchevismo, e comunistas por um horror motivado do nazismo.
Isto mostra o perigo das falsificações históricas. Presenciamos uma que se está formando e seria pena se legássemos ao próximo século uma história deturpada.
O inverossímil, o impensável - Para concluir, uma esperança. Foram necessários anos para se tomar uma consciência completa do nazismo porque ele superava tudo o que acreditávamos ser possível e a imaginação humana foi impotente para compreendê-lo. Isso poderia também acontecer com o comunismo, cujas obras abriram um abismo igualmente profundo, e foram protegidas, como Auschwitz o foi até o ano de 1945, pelo inverossímil, pelo incrível, pelo impensável. O tempo, cuja função é desvendar a verdade, desempenhará talvez, mais uma vez, seu papel. (A.B.)












[1] Ambas têm suas raízes na filosofia romântica alemã, embora não pertençam à mesma família. Os grandes filósofos românticos não têm evidentemente nenhuma responsabilidade sobre estes rebentos bastardos e monstruosos.
Gêmeos eles são certamente, entre seu nascimento existe uma distância de aproximadamente 15 anos - da ascensão de um e de outro ao poder. Isto faz com que o nazismo seja analisável em parte (só em parte, pois ele não se reduz a isso) a uma reação ao bolchevismo. Imitou-o em várias de suas instituições: polícia política, campos de concentração, propaganda.
Inversamente, algumas vezes Stalin seguiu a escola de Hitler. Assim, foi "A Noite dos Longos Punhais" que lhe sugeriu o grande expurgo que começou em dezembro de 1934. Generosamente, ele multiplicou o número de vítimas por mil.

[2] E Chateaubriand acrescenta: "Massacrem impiedosamente tudo que impede o gênero humano de avançar. A cura de todos os males, diz o homem, é a morte. Mas a morte deixa viver o mal e só mata o perverso; o céu havia dito: É a paciência. A paciência mata o mal e deixa morrer o perverso" (Memórias de Além Túmulo. IV, XII, 7).
[3] Os voluntários das Brigadas Internacionais receberam na França o status de antigos combatentes. Alguns deles, depois de ter combatido na Espanha, permaneceram em casa durante todo o tempo em que os alemães ocuparam seus países.
[4] O menor contato intelectual com o nazismo, mesmo em uma época em que sua criminalidade não era ainda conhecida ou estava apenas em gestação, basta para desonrar artistas e escritores célebres, como Cioran. No mesmo ano em que as atividades de Cioram antes da guerra eram reveladas, as obras de Aragon eram publicadas na Pléiade, em meio a um concerto unânime de louvores, sem que se fizesse referência, a não ser para desculpá-lo, a sua longa performance stalinista.
[5] Código: 3617 LMDOC.
[6] Le Figaro, 16 de novembro de 1989.
[7] Nunca ouvi dizer que os jornalistas que aprovaram a "libertação de Phnom Penh" e elogiaram Pol Pot, torturados pelo remorso, tenham entrado para o convento.
[8] O célebre filme sobre a Shoah, disse-me Henri Amoureux, nunca foi projetado na União Soviética, nem mais tarde na Rússia. No tempo do sovietismo era proibido fazer menção aos judeus em particular, uma vez que de acordo com a classificação geral dos regimes, só existem "vítimas do fascismo". Hoje, existe talvez a preocupação de não suscitar entre os espectadores a lembrança de fatos semelhantes de que foram testemunhas.
[9] Não é o caso dos muçulmanos, que não se sentem tão atingidos.
[10] Sabemos que o procurador soviético quis a condenação dos dirigentes nazistas pelo crime de Katyn. Os juízes americanos, ingleses e franceses conseguiram que esta questão, sobre a qual já tinham aliás uma opinião formada, não fosse levantada. Foi preciso esperar a queda do comunismo na Rússia para que a responsabilidade do governo soviético fosse oficialmente reconhecida. Nenhum dos que cometeram o crime foi processado.

[11] Temos de notar aqui duas outras versões. A primeira, que foi em um determinado momento preferida por De Gaulle, tendia a afastar o fato ideológico. Permanecia, portanto, o fato nacional e a tradição histórica, a Rússia, a Alemanha, o acordo das nações, a simetria dos dois impérios - o russo e o americano. Esta interpretação possuía um certo valor prático, mas deixava de lado muitos fatos e expunha a alguns perigos. A segunda teve, após o Concílio Vaticano II, um certo sucesso no mundo cristão. Ela aceitava mais ou menos conscientemente a versão soviética, na medida em que admitia o fato de que o mundo estivesse dividido entre uma sociedade socialista e uma sociedade capitalista. Ora, não existe sociedade socialista, só existem regimes de tipo soviético, e, por outro lado, o mundo ocidental não se deixa reduzir ao conceito de capitalismo. Feita esta concessão, restava propor a utopia de uma terceira via diferente e eqüidistante do socialismo e do capitalismo, eles próprios sem outra realidade nem substância, a não ser ideológica.

[12] É isto que faz o valor de um texto como o de Andrei Amalrik: A União Soviética Sobreviverá em 1984?, tradução para o francês de Michel Taru e prefácio de Alain Besançon (Fayard, 1970) e alguns dos ensaios de Alexandre Zinoviev.
[13] Sabemos que eles não conseguem fazer com que a Turquia reconheça o genocídio de que foram vítimas em 1915.
[14] Um exemplo, na edição de Esprit de junho de 1997, dedicada aos problemas religiosos de nosso tempo, fala-se freqüentemente no mal absoluto tal como ocorreu em nosso século. A referência é sempre o nazismo, e nem uma vez, por mais que eu tenha lido este número, ao comunismo, embora os autores não tenham provavelmente simpatia por este regime. Mas não pensaram nisto em suas análises. 










[i] Cientista político, o francês Alain Besançon (Paris, 25 de abril de 1932) notabilizou-se, como professor da Universidade de Paris ( É diretor de estudos da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris, entre outras instituições), por seus profundos estudos e conhecimento da história da Rússia e da antiga União Soviética. Antigo comunista na época do stalinismo, passou a adotar uma posição crítica à ideologia comunista e outras ideologias totalitárias.

Sem formação de economista, ele conseguiu fazer uma das análises mais bem estruturadas do funcionamento da economia da ex-União Soviética, desde os tempos de Lenin, com uma visão própria. Como um dos historiadores franceses mais originais, ele agiu como um cirurgião, afastando pouco a pouco os tecidos, para expor a "raiz profunda do mal". Em 1981, num seminário sobre filosofia política em São Paulo, ele previu o desmoronamento da URSS. "É melhor morar numa favela de São Paulo do que em Leningrado", disse.
[ii]  Publicado em O Estado de São Paulo - 15/02/98 

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

19 de agosto: Dia do Orgulho das Lésbicas no Brasil!

Cansadas dos abusos, incluindo violência policial, dos donos do bar que freqüentavam, o Ferro’s Bar, que as impediam de vender seu boletim dirigido às lésbicas, num bar sustentado por lésbicas, mulheres do Grupo Ação Lésbica Feminista fizeram uma demonstração de protesto em frente a esse estabelecimento, no dia 19 de agosto de 1983, com apoio de ativistas gays, feministas e parlamentares da época. Primeira demonstração do gênero no Brasil, foi chamada por publicações LGBT da época de nosso pequeno Stonewall Inn (28 de junho), resgatada por grupos lésbicos e gays e também celebrada e relembrada anualmente.

Como o dia internacional do orgulho gay, 28 de junho, ambas as datas têm muito em comum: ocorreram em dois grandes centros urbanos, Nova York e São Paulo, em tempos sombrios (no Brasil ainda vivíamos sob a ditadura militar), quando a homossexualidade era considerada doença, pecado ou sem-vergonhice e vítima de intensa repressão. Ambas as datas foram tiradas da plenária da Vida e não das plenárias dos interesses espúrios de partidos e movimentos oportunistas. Por isso, delas temos orgulho hoje e sempre!
Veja abaixo o vídeo que resume a história da data!

sábado, 13 de agosto de 2011

Notas políticas e outras notas 13/08

Mário Augusto Lopes Moysés, sem identificação,
é ligado à Marta Suplicy (PT) 
O destaque de hoje fica por conta do vazamento das fotos de alguns dos vigaristas envolvidos na roubalheira do Ministério do Turismo, todos já soltos, e a reportagem da Veja sobre Wagner Rossi, o chefão da gangue.

Recuando no passado de Wagner Rossi, Veja resgatou a história de sua conivência com o descarte de toneladas de sacos de feijão no lixão da cidade de João Pessoa (PB), por ordem do então prefeito  local Ricardo Coutinho, do PSB, que havia estocado o produto ilegalmente e ficou temeroso de ser enquadrado pela Polícia Federal. Num dos estados mais pobres do país, toneladas de alimento jogados no lixo por conta de um esquema de corrupção.

Além do próprio povo paraibano pensei também, ao ver o vídeo, nas crianças somalis que estão morrendo de fome, e tive vontade de sair matando todos essses caras. Seria em legítima defesa pois essa corrupção pandêmica e impune está nos envenenando, já que nossa indignação não encontra o natural escoadouro da Justiça. Diz ainda reportagem da Veja que Wagner Rossi enriqueceu exponencialmente nos últimos anos e uma sua casinha, em Ribeirão Preto (SP), está orçada em 9 milhões de reais. Veja em um dos links abaixo, os detalhes de mais essa sórdida história. E claro assista ao vídeo.

Política nacional:
Todos contra o Brasil: A base desensarilha as armas http://t.co/JznwBZ0 
Vazam fotografias de seis presos na operação da PF no Turismo http://t.co/HmPX4CC
República de ladrões. Ou: Daqui a pouco, o leitor saberá na VEJA por que Wagner Rossi tem de ser demitido: http://t.co/FRC2k0J
Wagner Rossi, o colecionador de problemas http://t.co/M8pTuJk

Educação:Universitários brasileiros leem apenas de 1 a 4 livros por ano, revela Andifes http://t.co/jcaF12M

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Notas políticas e outras notas 11/08

Os escândalos de corrupção no Brasil, cujo centro irradiador é o petismo, e suas metástases ameaçam a vida da sociedade brasileira. Destaque para os aúdios onde funcionário do Ministério do Turismo ensina a montar ONG de fachada. Isso tudo em meio a uma crise financeira internacional séria que pode afetar o Brasil cedo ou tarde, principalmente se continuarmos com o desgoverno presente. E sobre o petismo, um excelente texto do jornalista Augusto Nunes, conciso e contundente. Importante também leitura da eterna busca do petismo por criar instrumentos de controle da mídia.

Política (A corrupção nossa de cada dia):
Gravação mostra nº 2 do Turismo ensinando a criar ONG de fachada http://t.co/9E5H0q5
O momento não pesou http://t.co/okz6IyL
O 'manual da corrupção' - CBN: http://glo.bo/pb8Jgr
Gravação da PF mostra número 2 do Turismo orientando empresário a montar ONG de fachada http://t.co/QURPh60
Com o loteamento dos ministérios, a aliança governista criou o mensalão que substitui doações em dinheiro pela entrega do cofre: http://t.co/g0paDct

Economia:
O Brasil e a crise: estresse, não catástrofe http://t.co/0mgYxLS
Mailson da Nóbrega no Roda Viva: http://t.co/CZJtyGZ
Num mundo globalizado, o BR não está imune à crise: O Brasil poderá sofrer contágio da crise pelo comércio. http://t.co/yVpDL0t

Democracia e liberdade de expressão:
Controle da mídia no PLC da TV por assinatura: http://t.co/n2p0HrI

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Londres em chamas!

A crise econômica na Europa está literalmente pegando fogo, com as labaredas consumindo carros, ônibus e inclusive prédios em vários bairros de Londres. As últimas notícias afirmam que 26 policiais já foram feridos e 215 pessoas presas. Supostamente geradas pelo o alto indíce de desemprego, racismo e cortes dos planos de assistência à população, as manifestações que começaram pacíficas desandaram para uma escalada de violência por conta da morte, ainda não esclarecida, de um homem de 29 anos, Mark Duggan, pai de quatro crianças, em um tiroteio, no bairro de Tottenham, região norte de Londres. Durante o protesto pela morte de Duggan, os participantes passaram a quebrar vitrines de lojas e supermercados, saqueá-los e incendiá-los.  Nesta segunda-feira, os  distúrbios se espalharam para outros locais como, Hackney, área de alta criminalidade no Reino Unido, e  Peckham, Croydon e Birmingham.

No meio de todo esse caos, alguém resolveu fazer arte com uma cena de Londres em chamas. Posto abaixo o vídeo artístico da situação atual da capital inglesa e outros dois com imagens de noticiários dos tumultos. A violência também pode ser transformada em beleza, embora não compense cortejá-la.






sábado, 6 de agosto de 2011

A palhaçada do orgulho hétero!

Cale-se bom senso! by Carlos Apolinário
Venho da esquerda, da chamada nova esquerda no seu aspecto libertário, contracultural (comuna nunca, que sempre achei isso pra lá de brega, entre outras coisas negativas), mas hoje me afino com as ideias liberais, embora, especificamente com os liberais-liberais e não, no geral,  com os liberais-conservadores, muito menos com os conservadores (que considero, aliás, com raras exceções, bem pouco democráticos). Como hoje está na moda passar primeiro as credenciais ideológicas antes de ir aos finalmentes, eu diria que continuo libertária, em teoria, e social-liberal na prática.

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Notas políticas e outras notas 04/08

Dilma e Jobim
O destaque do dia vai para o Ministro da Defesa, Nélson Jobim, que vem sistematicamente malhando o governo Dilma, embora faça parte dele. Muitas são as especulações sobre as razões pelas quais Jobim vem agindo de maneira tão insólita, já que poderia apenas pedir demissão, mas o certo é que, diante de tanta palhaçada deste governo, o circo armado pelo ministro pelo menos nos faz rir. Até amanhã, deveremos saber se, de fato, Dilma demitiu Jobim ou se Jobim se demitiu....kkkk

Política nacional:
Dilma demite Jobim da Defesa após novas críticas ao governo http://t.co/L4Vcyu9
E esse "partido" já começa bem: Atas de fundação do PSD em São Paulo têm indícios de fraude http://t.co/zUI0gYg
O teatro da "faxina" fehca as cortinas: Dilma promete vaga no TCU e até inauguração de ponte para deter CPI  http://t.co/FkEgHr5
Em protesto contra palestra d lula, conferencista devolve certificado http://bit.ly/o1J7ws
Ainda vamos conhecer as razões de Jobim pa ter promovido sua própria demissão: As críticas de Jobim: a questão é de método, não de mérito: http://t.co/57m1Rmq

Ideias:Muito boa leitura: O genocídio de 80 milhões de brasileiros: http://t.co/w1vCDio

Cultura:Folha promove exibição de filme sobre o uso da estética pelo nazismo http://bit.ly/oIWw5n

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Illusión (Ilusão): Dueto de Marisa Monte com Julieta Venegas

A dica de música abaixo foi dada pelo jornalista Ricardo Setti, em seu blog no site da Veja, que recomendo com gosto. Trata-se de um dueto da cantora e compositora do México (Tijuana), Julieta Venegas, considerada uma das maiores revelações da música latina da atualidade, com a nossa Marisa Monte. A música se chama "Ilusión", da própria Julieta Venegas, com adaptção de Arnaldo Antunes e Marisa Monte. A letra posto após o vídeo.

Música bonita, letra bonita, vozes idem. Uma gota de qualidade nesse mar de mediocridade do mundo de hoje.




Letra:

Uma vez eu tive uma ilusão
E não soube o que fazer
Não soube o que fazer
Com ela
Não soube o que fazer
E ela se foi
Porque eu a deixei
Por que eu a deixei?
Não sei
Eu só sei que ela se foi

Mi corazón desde entonces
La llora diario
No portão
Por ella
No supe que hacer
Y se me fue
Porque la deje
¿Por que la deje?
No sé
Solo sé que se me fue

Sei que tudo o que eu queria
Deixei tudo o que eu queria
Porque não me deixei tentar
Vivê-la feliz

É a ilusão de que volte
O que me faça feliz
Faça viver
Por ella no supe que hacer
Y se me fue
Porque la deje
¿Por que la deje?
No sé
Solo sé que se me fue

Sei que tudo o que eu queria
Deixei tudo o que eu queria
Porque não me deixei tentar
Vivê-la feliz
Sei que tudo o que eu queria
Deixei tudo o que eu queria
Porque no me dejo
Tratar de hacerla feliz

Porque la deje
¿Por que la deje?
No sé
Solo sé que se me fue

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Clipping legal: Um voto conservador pelos direitos dos gays americanos

Entrevista com o senador republicano James S. Alesi que votou a favor do casamento homossexual em Nova Iorque. Um recado para os conservadores brasileiros que permanecem com uma cabeça tão medieval. Destaco:
A maioria das religiões cristãs é contra o homossexualismo. Como cristão, a sua fé não pesou na hora de fazer a escolha? Essa não é uma questão religiosa, mas de igualdade de direitos civis. Quem deve decidir isso é o estado e não as igrejas. Eu vi muitos cristãos, que estavam rezando comigo, e eram contra o casamento gay. Mas, por outro lado, havia outros, na mesma igreja, querendo que a medida fosse aprovada por serem a favor da igualdade de direitos.

Notas políticas e outras notas! 01/08


O Notas políticas e outras notas de hoje reúne tweets de ontem também que versam fundamentalmente sobre a questão da corrupção (só para variar). Dou destqaque, contudo, ao texto Sanear o Sistema (link abaixo) que fala sobre o fato de que o capitalismo para funcionar precisa de valores, onde o mérito se sobrepõe ao compadrismo e comadrismo. Precisamos urgentemente recuperar esses valores. A coisa está para lá de feia.

Política nacional (a corrupção nossa de cada dia)
Até generais envolvidos em corrupção? Nas contas dos ladrões federais, 1 milhão de dólares já parece dinheiro de troco: http://t.co/I3Qbqt1
Teria que haver é um Ministério contra a Corrupção: Oposição tentará criar CPI da Corrupção http://t.co/N2xQnk8
PP tem esquema de corrupção no Ministério das Cidades, diz revista http://t.co/Sc8M8Ak
A falta de princípios mina a política: O poder pelo poder http://t.co/fCSi0wP
Mais da corrupção nossa de cada dia. Inacreditável a degeneração do Brasil: O dinheiro era para o partido http://t.co/d9cd8yl

Política internacional:Acordo sobre o déficit mostra o real problema americano - CBN: http://glo.bo/pGORMX

Filosofias, Democracia e liberdade de expressão:A democracia de fachada do Brasil: A censura se eterniza http://t.co/BbUYLNW
A verdade sobre o "mau" capitalismo: Sanear o sistema: http://t.co/akwwNua
Boa leitura: sendo realista: Crime e mal http://t.co/k1FqqRY

Economia:
Enquanto Dilma brinca de fazer faxiana, o PAC segue empacado: Investimento de Dilma não decola, mostra análise sobre o PAC http://t.co/QYZeJFV

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites