sábado, 10 de janeiro de 2009

A ética do outing: Quando é válido assumir os outros!

Coming out of the closet é a expressão em inglês que, na tradução para o português, virou o célebre sair do armário. Sair do armário é quando uma pessoa decide assumir sua homossexualidade ou qualquer outra preferência sexual não-ortodoxa publicamente.

Outing, por sua vez, é a expressão também em inglês que designa o ato de tirar alguém do armário à revelia. Ação política controversa, pois implica expor a privacidade alheia, ela divide opiniões em sua aplicação, mas vem sendo utilizada cada vez mais em todo o mundo.

Para alguns ativistas LGBT, o outing deveria ser feito com tod@s @s enrustid@s, pois eles contribuem pouco ou nada para o avanço dos direitos humanos LGBT, embora se beneficiem imensamente dos ganhos conquistados pelos que tiveram a coragem de se assumir.

O argumento é consistente, mas esbarra no fato de que as pessoas dependem de empregos para sobreviver, e a homossexualidade, ou qualquer outra atividade sexual diferente da heteronormalidade tradicional, pode ainda ser motivo de demissão no trabalho, pode criar problemas na relação da pessoa com a família e mesmo em seu círculo pessoal de socialização.

Por essa razão, o outing indiscriminado, mesmo de celebridades, não costuma ser bem aceito. Prefere-se incentivar as pessoas a que se assumam espontaneamente no seu ritmo de auto-aceitação para que o sair do armário se dê com o mínimo de problemas em relação ao entorno de cada um(a).

Entretanto, há uma variante do outing que tem ganho cada vez mais adeptos: o outing de pessoas que, embora pertencentes a minorias sexuais, atuam contra os direitos dessas minorias ou contra membros dessas minorias, por razões pessoais egoístas, como ascender na carreira, ou para prejudicar um desafeto.

Nesses casos, o outing é não só moralmente justificável como necessário. Ao não fazê-lo, principalmente contra gente influente, permite-se que essas pessoas continuem agindo em prejuízo da comunidade ou dos indivíduos aos quais atingem diretamente. O silêncio e a inação da comunidade em relação a essas pessoas torna a todos cúmplices de suas atitudes hipócritas e deploráveis. Pelo contrário, ao assumi-las, encoraja-se pelo menos algumas delas a pensar duas vezes antes de repetir as mesmas ações no futuro.

Concordo inteiramente com essa última perspectiva. Pior do que os que lutam contra nossos direitos, não sendo da comunidade, só mesmo os que, sendo do meio, atuam contra os interesses coletivos ou contra membros da comunidade por razões mesquinhas.

Obviamente, não se fala aqui de pessoas que são discretas simplesmente, reservadas, e não ficam levantando bandeira a toda hora e em todo o lugar. Essas pessoas agem naturalmente, não escondem que são LGBT mas também não ostentam, não podendo, portanto, ser classificadas como “no armário” muito menos como traidoras da causa.

Fala-se aqui de enrustidos que chegam ao ponto de difamar e perseguir outros membros da comunidade enquanto secretamente continuam mantendo relações não-heterotradicionais. Estes devem ser assumidos para expor sua hipocrisia e destruir sua má influência.

O outing às vezes é mal-visto porque utilizado também por pessoas sem princípios que invadem a privacidade alheia para faturar com matérias sensacionalistas ou para simplesmente prejudicar alguém. Principalmente celebridades costumam sofrer com a imprensa marrom que não mede esforços para divulgar detalhes picantes da vida íntima de artistas, políticos e gente influente em geral.

Nesse quesito, não só a homossexualidade de alguns mas também o fetichismo de outros são um prato cheio para os escândalos. Em março do ano passado, o presidente da FIA (Federação Internacional de Automobilismo), Max Mosley, foi vítima desse tipo de ação anti-ética. Um vídeo, em que ele aparece em cenas sadomasoquistas de temática nazi com algumas mulheres, foi divulgado na Internet, pelo tablóide inglês News of The World, e virou um escândalo total.

Mosley foi várias vezes ameaçado de demissão e afirmou que a revelação devastou sua família. De qualquer forma, conseguiu dar a volta por cima, assumiu suas preferências e até conseguiu processar o jornal por invasão de privacidade. Segundo o presidente da FIA, a divulgação das imagens foi obra de alguém da área do motor a fim de desestabilizá-lo.

Naturalmente, o outing político nada tem a ver com esse tipo de ação mercantilista e de má-fé. Ele é estritamente destinado aos hipócritas que, embora membros de uma comunidade estigmatizada, usam dos estigmas que a afetam para atacar indivíduos dessa mesma comunidade ou para, ao combater a luta pelos direitos dessa comunidade, usufruir de benesses pessoais. O outing dessas pessoas é, nessas circunstâncias, como afirma o ativista Peter Tatchell, da aguerrida organização inglesa OutRAge, a quem devo muitas das idéias desse artigo, uma potente técnica de auto-defesa queer.

4 comentários:

O pior enrustimento é o da hipocrisia,já passei por isso no trabalho e reagi fazendo outing(o sujeito queria me demitir por que descobri seu segredinho).Acho que pessoas assim são doentes,ego-distônicas,precisam se tratar.

"Sair do armário" muitas vezes é uma necessidade e creio que só ganha quem o faz de maneira limpa e ética,mas existem casos e casos, uma questão muito pessoal que está longe de ser debatida com mais naturalidade.Continuemos na visibilidade assim, a naturalidade naturalmente (!!!) virá.Parabéns pelo texto.

Acho necessário esta última forma de outing. Não faz sentido nos calarmos e perpetuar uma violência cometida por pessoas que não aceitam que também fazem parte da minoria.

Miriam , amada!
Concordo totalmente. enfim, não sei se tenho sido na minha vida politicamente correto. Estou falando em termos da instituição falida chamada "família":Tenho dois primos de 1º grau que são homossexuais, mas fazem de tudo para esconder. Um, virou padre e está em Roma, tudo para não ser cobrado pela família, que exigiria um casamento hétero. Outro, arrumou um casamento falto e até um filho falso, é ator e mora no Rio. E um terceiro, meu sobrinho, foi para a Austrália, com a desculpa de se tornar um campeão do surf, mas foi é campeão como garoto de programa. Depois voltou, casou com mulher, virou pastor e preside a filial brasileira de uma igreja evangélica australiana e fala que "Deus curou a homossexualidade dele". A vida inteira me humilharam e me discriminaram por que me assumi, sempre fui objeto de gozação, pela parte deles. Portanto, sempre que eu puder dedá-los, eu dedo mesmo. Não é vingança, é uma luta defensiva pela verdade.
Acho que padres que usam do celibato católico para se esconderem também devem ser denunciados; além de fazerem o jogo da mentira, é evidente que só estão na religião não por crença, mas por conveniência.
Eu não consigo entender uma luta onde não há nenhum confronto com o oponente. Por isso, discordo de boa parte da militância que defende uma "homoinclusão"(palavra medonha, quem disse que eu quero "me incluir"?) toda bonitinha e comportada, para passarmos uma "boa imagem para a sociedade".
Beijos e amor,
Ricardo
aguieiras2002@yahoo.com.br

Postar um comentário

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites